O preço da ingenuidade

Mais um capítulo da minha vida (profissional) terminou. Com ele, abriu-se um gigantesco mundo de novidades à minha espera. À espera de novos mundos, novas pessoas, novos aprendizados, novas oportunidades.

Confesso que adoro isso. ADORO. Adoro a possibilidade do novo. Adoro a possibilidade de recomeçar a partir de um ponto saudável, sem precisar, para tanto, sofrer ou chegar até o fundo do próprio poço. Considero isso um avanço na minha maturidade emocional. Saber, na medida do possível, lidar com as adversidades de uma forma totalmente oposta ao modo como lidava antes.

Hoje foi um dia de reflexões. Amanhã, acho que ainda será. De hoje, tenho muitas lições para tirar.

A que mais me chama a minha atenção é a minha ingenuidade. SIM! Para aqueles que conhecem apenas meu lado de shows de Isabella Taviani, ou para aqueles que me conhecem através deste blogue (e, considero assim, me conhecem mais), ou para meus poucos amigos mais íntimos. Como todos, também minhas peculiaridades em minha personalidade. E ainda assim eu vejo lapsos de ingenuidade que me traem como uma garoa súbita num dia de calor infernal.

Eu achei que tinha parado de confiar nas pessoas. Na verdade, acho que todos nós perdemos aquela coisa de confiança absoluta, porque a nossa sociedade capitalista é muito competitiva. Na verdade, todos nós perdemos o amor, de certa forma, pelo ser humano, porque traímos, somos traídos, acreditamos e confiamos.

Eu não parei de confiar nas pessoas. Mas também não acredito nelas, logo de cara. Até aí, nenhuma novidade, acho que todos temos isso em grau parecido até. Mas eu tenho essa coisa de não perceber certos movimentos sutis. O que é bom é que, com a maturidade, a gente percebe a pequena "falha" antes que ela se torne colossal.

Me impressiona isso em mim. E a todos aqueles que acham que perderam a fé em alguma coisa, não percam! Não perder a fé -- aquela crença absoluta no impossível de se crer -- e o amor crístico são a única coisa que nos torna verdadeiramente humanos.

E até amanhã!

A ousadia da palavra

Caros, este post foi penoso. Está sendo, aliás.

Eu pensei muito antes de escrevê-lo. Passei e repassei as ideias. Pensei nos prós e contras. Mas, não tem jeito. Vai agradar e desagradar. Pode gerar polêmica -- eu, a garota polêmica. Lembro do meu caro Enrico sempre me dizendo que eu deveria participar do programa Provocações. Ah, meu caro, por que será que eu sou assim?

Hoje em dia esbravejar intempéries nas mídias sociais é a coisa mais comum e mais farta. Mas ainda tem pessoas que se ofendem. Eu mesma! Não sei se é um outro tipo de jornalismo mas o fenômeno e a velocidade com que as informações se propagam nas mídias sociais beira o anarquismo que todos defendem com democracia teocrática. Tudo isso num Estado laico.

Religião à parte, percebo que temos "ondas temáticas" que vêm e vão conforme a maré do (in)consciente humano (ou alguma outra determinação de ordem superior) rege. Somos todos  (ou não) contra políticos corruptos. Somos todos (ou não) a favor de direitos igualitários para homossexuais. Somos todos a favor de liberdade religiosa. E esbravejamos a democracia, o código civil, a constituição aos quatro ventos (mas nem sempre isso quer dizer que estamos bem informados a respeito).

Confesso, amplamente, como lésbica assumida e esotérica, que não consigo entender as pessoas que, numa primeira compreensão, são admiráveis por seu posicionamento, conduta, conhecimento e aplicação da teoria à prática. Mas são essas mesmas pessoas que me geram o questionamentos a seguir: não consigo entender a mesma pessoa que defende os animais ferozmente criar e disseminar ódio por causa de times de futebol. Também não consigo compreender a pessoa que defende as formas alternativas de energia, a ecologia e afins questionar por que homossexuais desejam a oficialização do matrimônio no cartório. Menos ainda consigo compreender por que as pessoas tomam tudo numa proporção tão pessoal que uma ideia simplesmente esboçada torna-se motivo para um verdadeiro confronto de armas.

Resta a uma infimíssima parcela da população resistir aos pensamentos em massa. Porque não vejo outra explicação senão o pensamento em massa para essas atitudes. As pessoas confundem "questionamento" com "ser do contra" simplesmente. Tudo parece argumento para uma personalidade mimada e um ego que não para e reflete sobre o que está dizendo. Na mídia social, todo mundo fala o que quer, quanto quer, quando quer sem o mínimo de reflexão.

No fundo, o que nos esquecemos completamente, é que somos seres que deveriam focar no AMOR CRÍSTICO como forma de nos conectarmos uns aos outros. Temos nossas diferenças, nossas escolhas, nossas preferências. Sim. Isso torna o ser humano único. Mas quando nos esquecemos de nossa essência e apenas agimos com animismo, é isso que vemos. As mídias sociais são um verdadeiro celeiro para você fazer parte da massa... ou enlouquecer.

E AI DE QUEM OUSAR FALAR/ESCREVER o que não deve? Todos tomam o poder da análise e julgamento (semelhante ao que víamos há séculos atrás) e condenação. Você precisa falar o que é de agrado geral e o que é politicamente correto. Sinceridade, honestidade e verdade são os desejos sempre mais esgarçados -- porque é bonito. Mas na prática, ninguém faz ou aguenta alguém que o faça. Porque se fizer, você será julgado e condenado em primeira instância, sem direito a réplica ou revisão do julgamento. E assim vivemos nessa selvageria diária disfarçada de sorrisos meigos e fofos (e amargos e chatos, também).

Para finalizar, veja o exemplo da Yoaní Sanchez no Brasil. Tenho certeza absoluta de que aqueles que a condenam chamando-a de agente da CIA não conhecem nem 1% da história. Ou, de repente, até a conheçam. Mas fizeram um julgamento e condenação. Eu tive o privilégio de produzir o livro dela lançado no Brasil em que parte do seu blogue (na época) foi selecionado para se tornar livro. Digo: se ela mentiu em tudo aquilo que ela disse, se Cuba for mesmo a quinta maravilha comunista, ela deve ser uma imensa mentirosa mesmo. Mas... acho que ela não esteja mentindo. 

Mas é assim: em tudo o que você diga, existirá o do contra e o do favor. Isso é saudável. Precisamos -- E DEVEMOS -- ser menos maniqueístas, fundamentalistas, menos odiosos, menos defensores da autoafirmação.

Paz e amor: é tudo que precisamos.

O que há com as pessoas?

Começo este post lembrando de mim mesma há uns vinte anos atrás. Havia uma frase que todos usavam para me descrever: "aquela que adora regar a plantinha da amizade!".

O que isso queria dizer, naquela época, em que internet ainda era um vislumbre de filmes de ficção científica? Queria dizer que as pessoas, para começar, escreviam cartas umas às outras. À mão. Folha com pauta e caneta. As pessoas usavam o telefone fixo, não havia celular. As pessoas se presenteavam com fitas K7 depois de fazer aquela coletânea especial.

Eu sempre escrevi muitas cartas. E gostava de me fazer presente na vida das pessoas de uma forma delicada e constante. Ouvia quando precisava. Mais ouvia do que falava. Quando reencontrava alguém, sempre tinha um fio para um assunto ou relembrar coisas agradáveis.

Hoje em dia?

Hoje em dia é assim: as coisas são forçadas, impostas e não há muito respeito mútuo. Ou você é amigo desde sempre ou sequer é lembrado. As pessoas têm pressa na resposta. As pessoas têm ansiedade. As pessoas têm uma necessidade de se autoafirmarem nos seus exageros. Todos parecem fazer questão de exibir uma vida como no show de Truman.

As pessoas não valorizam o tempo. Elas querem sua atenção: e quando você a dá, elas simplesmente fingem que não estão vendo. Elas têm pressa. A amizade é quase uma oportunidade para qualquer coisa que possa ser útil. Ter um "amigo" aqui, ter outro "amigo" ali.

As pessoas gostam de manter a superficialidade e os assuntos frugais que não nos toquem no nosso âmago. Todos somos felizes e vamos compartilhar essa felicidade. Todos brindam o sorriso leve e a caixa de Pandora dentro de si.

Não estou dizendo que não devemos ser assim. Longe estou de achar que tenho a verdade de alguma coisa, porque, eu já fiz isso. E me fodo geral quando ajo achando que posso ser um norte ou qualquer coisa. Não sou exemplo nem dito as regras. Não sei verdades e continuo buscando a verdade, em todas as lições, todos os dias.

O que me incomoda, atualmente, nas pessoas é essa coisa do querer beber sua essência pura, criticar, julgar, condenar. Elas fazem isso por e para si mesmas, não fazem por você. Talvez, por isso, eu ache que estejamos vivendo os tempos mais cruéis e egoístas mascarados por rostinhos doces e meigos, cheios de auras angelicais. Isso é maquiavélico...

Apesar de tudo, ainda creio na Humanidade. Mas prefiro não querer imaginar como será o futuro daqui uns anos...

Primeiro post de 2013!

Ah!

Que saudade estava deste canto, deste blogue, meu canto!

Já estamos quase em março e tanta coisa aconteceu! Viajei mais de 1.800km nas férias. Cortei o cabelo curto, de verdade, pela primeira na vida! Conheci cidades que não conhecia, fiz coisas que nunca fizera antes.

O ano novo tem sempre essa coisa mágica e única do RECOMEÇO.

Mas seria ilusório pensar apenas nisso. E, palavras sejam ditas, o atual mundo em que vivemos e a atual sociedade nos força à reflexão, no mínimo. Se não pensamos, somos sugados a um pensamento em massa. E nosso condicionamento nos torna juízes e condenadores de tudo aquilo que não concordamos.

Há um bom tempo venho pensando em muitas coisas. Também venho sentindo muita dificuldade no convívio social. Não ser mais uma da massa tem um alto preço. E quem não se submete fica sozinho, é inevitável. Quantos solitários existirão por aí?

Esta semana que se passou, conversei com uma pessoa que me trouxe muitas reflexões. Sua formação em Filosofia e seu pensamento ligeiramente rebelde e anárquico trouxeram uma luz específica para o meu conflito interno. A NECESSIDADE DE AUTOAFIRMAÇÃO. Aí, li este texto do Personare e tudo fez mais sentido ainda. Sem saber, essa pessoa me ajudou e muito.

Então, paradoxalmente, percebo que não posso me isolar, mesmo o isolamento sendo uma consequência esdruxulamente necessária. A essa pessoa -- que não tem facebook e nenhuma parafernália digital -- dedico este post. 

Pretendo destrinchar o assunto nos próximos posts. Serei polêmica? Provavelmente. Mas esta sou eu. Se eu nunca fugi disso até ontem, não fugirei MESMO a partir de agora.

beijos e abraços e um excelente 2013 a todos os leitores -- assíduos e ocasionais -- deste blogue!