Novos dias

O tempo é outro. É novo. É diferente. É cheio de vida.

Ainda estou refletindo muito sobre tudo o que está acontecendo agora comigo. E, invariavelmente, voltar a alguns pedaços do passado é algo inevitável. Mas essa não tem sido uma tarefa dolorosa, ao contrário. SIM! Nem eu acredito que estou dizendo isso. Pois é.

O novo trajeto ao trabalho tem me levado a caminhos que fazia para dois trabalhos anteriores. Coincidência? Da mesma maneira, tenho me deparado com pessoas, situações e pequenos detalhes que me trazem aquela bruta memória de um passado nem tão longínquo assim.

Como nunca, estou percebendo que aprendi o ato de NÃO JULGAR. Não totalmente, ainda, mas uma fatia bem gorda que nunca imaginei que conseguiria colocar em prática ainda em vida. É uma sensação estranha: você olhar para tudo e apenas sentir uma leveza indescritível em palavras.

Não há ódio, não há rancor, não há pesar. Há um olhar que perpassa tudo e apenas pensa: "e depois de tudo isso... cheguei aqui!". Onde eu deveria estar, onde eu apenas preciso estar.

Não me sinto mais poderosa ou prepotente por isso. Sinto que a vida tem mesmo seus "caminhos misteriosos" que nos levam a meandros obscuros -- muitas vezes por nossa própria opção. Mas, com sabedoria, aprendemos a lição na pior das dores e vislumbramos que o horizonte esperançoso lá ao fundo é apenas uma questão de tempo, e não um sonho utópico.

Encontrei com a Priscila Mota na última sexta. Acho que ela nunca visitou meu blogue... então posso falar à vontade dela! rs Fazia uns 5 anos que não nos víamos para conversar, nós duas apenas. Foi algo também sem palavras. Ela lembrou uma das minhas célebres frases "Você ainda é muito jovem..." Eu sempre falava isso tirando sarro, meio dona da verdade. Fato é que o tempo, se você souber tirar proveito dele, te devolve tesouros infinitos se você souber plantar, regar, cuidar e colher. Não tem segredo. Basta ser honesto consigo mesmo, ser justo e agir com coração e alma.

Estou cheia de sonhos como há muito não sonhava! Quero colocar vários projetos em prática: um deles é retomar contato com amizades que se foram e que não precisavam ter ido. Uma amizade verdadeira sobrevive ao tempo, mesmo que as duas partes tenham mudado muito. Acredito firmemente nisso.

Aos meus queridos leitores deste blogue: compartilho com vocês a felicidade de tempos vindouros. Todos merecemos e todos nós teremos aquilo que nos cabe. E vai por mim: É MUITO!