Buraco negro massivo

Metade de um maço cigarro depois, me sinto entorpecida.

Busquei um pouco de paz...num raro e silencioso fim de tarde de domingo.  Um pássaro, que não vi nem sei dizer qual a espécie, cantava. Não sozinho, cantava para mim. Obrigada por cantar para mim...

Me perdi em pensamentos. Deste mesmo cenário que vejo há tantos anos... sinto uma solidão. Mas ela sempre foi minha. Não é a mesma solidão de vinte anos atrás -- pois eu não tinha este coração quebrado, eu não tinha essas dores que nunca me deixaram, eu não tinha essas cicatrizes. Não é a mesma solidão de quando eu olhava a madrugada e imaginava onde estaria a minha felicidade. Não é a mesma solidão de quando eu olhava o sol ir embora e pensava que o dia seguinte seria melhor porque apenas era o dia seguinte.

Eu acho que gostaria muito de ter um pouco ainda do meu eu de vinte anos atrás. Talvez? Talvez. Eu gostaria de ter muitas coisas que perdi de volta. Mas isso não faz parte da vida?

Hoje sinto uma buraco negro que me avista, tímido e corajoso. Ele me convida aos deleites da autocomiseração como uma droga que dá prazer e te vicia. Eu olho para ele me sinto tão tentada a segurar sua mão fria e acolhedora. O prazer e a dor ao mesmo. Sentimentos únicos e deliciosos que só sabe quem provou.

Hoje vejo o meu reflexo de mim mesma pintado com cores indescritíveis.

Hoje, eu vi o sol se pôr e vi aquele último lampejo de misteriosa claridade antes do completo breu. Um pouco pra mim e um pouco pra vc, buraco negro. Vamos dar as mãos esta noite. E amanhã será outro dia.