CALVET, o filme: a intensidade e a loucura

Sina de escritor é essa: a ideia surgir em muitos momentos, naquelas horas inapropriadas, quando não há o alcance de nenhuma caneta ou um pedaço de um verso de um papel qualquer. Guardar o pensamento na memória e torcer para que ela cresça o suficiente para virar um verso, um capítulo qualquer.

Eu vi Calvet - documentário sobre o artista plástico Jean-Marc Calvet -, semana passada, na Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. E pensei numa das frases que ele mais repete: "vomitar tudo para fora". Ele é intenso e maluco num nível tão assustadoramente genuíno, real que não tinha como pensar nele como alguém parecido comigo.

Porque quando vc se dá conta da própria intensidade, seja ela dita por alguém seja ela descoberta por si própria, vc não tem muitas opções. Vc pode ser inconsequente ou tentar tirar proveito disso. Certamente Calvet foi inconsequente antes de tirar proveito e é isso (mais ou menos) do que o documentário trata.

Vivemos numa sociedade horrorosamente opressora!!! Vivemos numa sociedade que diz o que precisamos ser, o que precisamos dizer, o que precisamos fazer. As regras que determinam o que é correto e o que é esperado. Quando não correspondemos a essa imensa expectativa silenciosa, é praticamente impossível não pirar.

O que mais me tocou no documentário sobre Calvet é a sua coragem inversa em mergulhar fundo, fundo, fundo e apenas mais fundo nos seus próprios tormentos. É alguém que não tem medo de descobrir o que há por trás dos fantasmas (reais e ilusórios) de seu medo. É a coragem (aquilo que mais admiro) de não pensar no que o outro vai pensar, mas fazer aquilo que acredita que precisa ser feito. Calvet é uma alma perturbada e, ainda assim, corajosa e livre.

Seus quadros são retrato de sua intensidade de sentimentos. Sua voz: rápida, agitada e articulada. Sua sinceridade: rasgante, honesta, dolorosa e verdadeira. Como não tinha lido a sinopse direito antes de ver o filme (como sempre digo, faça isso às vezes e vc se surpreenderá!), não sabia ao certo o que me esperava. Achei que fosse ficção... a vida pode ATÉ parecer ficção em muitas vezes. Mas não é. Se o filme repassar na repescagem, veja! Indicadíssimo.