Autoconhecimento, autoajuda, discernimento e pensamento crítico


Uma vez, a querida Aline Naomi desceu o pau para falar mal da autoajuda. Confesso, naquela época, que não concordei com os apontamentos dela, apenas alguns. Mas fiquei quieta. Penso que se você não sabe o que vai falar ou se contra-argumenta apenas para ser do contra, melhor ficar quieto!

Já tem uns anos isso... de lá para cá, vivi muita coisa. Passei por muitas outras. Entrei e saí de crises de depressão até me dar conta do que estava acontecendo comigo. Não é um processo simples, porque sempre envolve encarar aquilo que você teima em esconder de si mesmo. Não adianta esconder... um dia vem à tona. Todas as coisas que você colocou no canto, todas as atitudes que você negligenciou. Todas as pessoas que você deveria ter se afastado, mas continuou junto.

Nessa estrada, é inevitável não passar por todo o tipo de ajuda que é ofertado. Em forma de livros, de palavras, de abraços, de silêncios, de ausência. Eu, confesso, sou muito avessa a conselhos. Prefiro sofrer a ficar com alguém me dizendo o tempo todo o que eu tenho de fazer. Sempre tive uma atração por sofrimento como forma de aprendizado. Espero ter passado de vez por essa fase!!! Precisamos aprender por amor... mas isso é tema de outro post!

Todo mundo critica a autoajuda. Uns a travestem de autoconhecimento. Acho que as duas são próximas, muitas vezes é a mesma coisa e em muitas vezes é um mecanismo propulsor de ilusão. Não dá para generalizar nem criticar amplamente. Tudo é uma questão de olhar com discernimento uma situação. Bom... nós deveríamos sempre olhar tudo com discernimento e bom senso! De preferência, não baseado em pensamentos concretos e racionais, porque, ainda que se pense o contrário, é uma forma incompleta de ação. A melhor ação, na minha maneira de pensar, é o pensamento holístico.

Uma conclusão que tiro é: o ser humano tem preguiça de pensar!!! Fomos ensinados desde pequenos a repetir, a reproduzir. Condicionamento da sociedade, da família... não importa. A qualidade do pensar e refletir nos é tolhida desde muito cedo e ficamos mancos, à mercê daquele que pense por nós. Qualquer objeto, ser, entidade pode entrar nesse papel. Não importa, o resultado parece ser sempre o mesmo: robozinhos programados para agir "de acordo" para não causar estranhamento. Para não ser a ovelha negra. Para não ser a peste que sempre faz as perguntas indevidas. Para calar e manter a massa coesa.

Claro, é ingenuidade pensar que seria somente isso. Como é ingenuidade acreditar que mesmo tendo consciência disso, as pessoas são capazes de fazer diferente. Não é simples assim, infelizmente. Se o ser humano fosse simples não haveria tantas ciências a estudá-lo nas mais variadas vertentes como Psicologia, Antropologia, Psiquiatria e Sociologia, por exemplo.

Eu, aqui, não quero nem pretendo dar solução de nada. Tenho pleno consciência de que recebo muitas críticas veladas (outras escancaradas). O que quero, apenas, é compartilhar de minha reflexão -- que não é a certa nem a definitiva. Apenas é o meu modo de pensar HOJE. E, hoje, infelizmente, devo dizer que existe outra massa se formando: a dos espiritualistas fanáticos. E nem me refiro às igrejas evangélicas, hein? É uma nova leva que leva a ferro e fogo conceitos e ditames determinados por alguém. Veja: não estou criticando o bom ato nem essas pessoas que criaram os conceitos. Minha pergunta é: sempre -- REPITO -- sempre devemos questionar tudo! Sem questionamentos, mesmo daquilo que consideramos "corretos" estaremos perpetuando as mesmas atitudes daqueles que condenamos, os "ignorantes". Para tudo precisa haver questionamento, dentro da lógica e desenvolvimento de cada um. Sempre!!!

Mas questionar constantemente nos deixa vulneráveis... mancos. É preciso coragem para acreditar sem ser fanático. É preciso discernimento para acreditar em algo e não se tornar na sua crença. É preciso lucidez para olhar para tudo e ver que o tempo é a única medida que mais queremos prender e não conseguimos sequer mensurar. É preciso mais do que temos aos borbotões para sermos nós mesmos sem estar presos a nada.

ps: espero retomar esse assunto, outro dia, em breve.