Paciência, resiliência e tolice

Qual a diferença entre estas três palavras: paciência, resiliência e tolice?

Tentar compreender a REAL diferença entre elas está sendo um verdadeiro teste (ainda!) para mim. E, de acordo com o meu balanço pessoal, eu errei bastante. Diria que errei DEMAIS. E, atualmente, dadas as circunstâncias, ainda posso errar MUITO!

Porque é paciência não desistir depois da primeira, segunda, terceira.. quarta tentativa. É paciência olhar para o mesmo cenário e ver que existem pontas que precisam ser cortadas e pensar "não fomos por ali. Que tal?". E ir, com fé.

Porque é resiliência depois de ter tentado TUDO e ir apenas com fé. Já que a paciência ficou perdida e gasta em algum estrada, em uma milionésima tentativa. É um pulo no escuro. É um tiro cego. É um ato de fé pura dizer "eu sinto que apenas não deu certo porque não acreditamos o suficiente."

Porque é tolice creditar a mandingas, oráculos e sorte para algo dar certo. Quando chega nesse ponto, quando não há mais paciência nem resiliência e somente resta sorte, isso quer dizer, meu amigo, que você é um tolo. Quando chegar nesse ponto, tome apenas cuidado para não magoar demais seu próprio coração, porque você pode estar criando feridas que demorarão muito tempo para cicatrizar.

Este é o estado em que me encontro: nua, ferida e diante de um espelho, em um quarto vazio, com apenas uma luz direcionada para mim. Se a metáfora é muito cruel, desculpe, não consigo desenhar outro quadro. Porque estou ali, vendo as minhas feridas, vendo tudo que fiz. E não consigo me perdoar pela minha parte. A parte do outro, das diversas "pessoas" que passaram pela minha vida e erraram tanto quanto eu também estão ali: nas mágoas, nas respostas que esperei e nunca obtive, nas lágrimas de desespero.

A minha parte está neste quarto solitário, onde preciso ficar agora. Se você que leu este texto até aqui acha fácil a diferença entre dar um pontapé em alguém que te machuca em 95% do tempo, parabéns. Tua bússola interna talvez esteja mais calibrada que a minha. Eu, que sempre brado sobre o livre-arbítrio, tenho plena ciência de que fiz uso dela. Foi tudo escolha minha -- certa ou errada. E tenho plena ciência de que errei.

Sei, por exemplo, que se na primeira vez que ouvi minha intuição me dizer: "Não vá por ali, Cris, você já conhece essa estrada. Este sinal está te dizendo que essa estrada será apenas de dor para você." eu tivesse ouvido, teria evitado tudo e nem estaria escrevendo este post. Mas não sei porquê fazemos certas escolhas em detrimento de outras.

Este momento é único... e, não se preocupe, esta não é uma carta pública de suicídio. Mas mesmo me sentindo à beira do precipício sentindo o prazer do vento frio em meu rosto e a liberdade a um passo... eu nunca deixei de escolher a vida e viver, mesmo com toda a dor que isso possa ser para mim, em muitas vezes.