A arte de não julgar

Tô devendo post, eu sei. Mas os novos dias estão me deixando tão ocupada (e aérea) com tantas coisas, que não sobra tempo para escrever um post do jeito que eu gostaria.

Já parei para escrever este post várias vezes. Desisti. Amassei e joguei fora o papel virtual. Recomecei. Será que agora vai?

Estes dias, ouvi "o avanço da idade precisa trazer algo de bom". Já pensava isso mesmo quando eu tinha menos idade, muita palavra e ainda muita coisa para viver. E ainda tenho muita coisa para viver. No entanto, no auge destes 35 anos de idade bem vividos, devo dizer que tem alguma diferente nos meus olhos, na minha forma de encarar o mundo. A minha alma e mesmo esta carcaça terrestre estão -- definitivamente -- diferentes.

Não é prepotência, mas eu não consigo mais ver as coisas como são. Dizem que alguém fala mal de outro para você, essa pessoa falará mal de você para outrem. Dizem que se você olha, julga e condena; você será analisado e julgado da mesma forma. Dizem que cada um planta o que colhe. Dizem que em boca fechada não entra mosquito. Jesus disse para amar os outros como a si mesmo.

Eu tenho sido espectadora da vida, do cotidiano, das pessoas. Vejo pedaços de mim mesma em cada uma delas, todas as pessoas complexas que já fui. Vejo o irascível, o sincero, o explosivo, o espontâneo, o palhaço, o ambíguo, o julgador e aquele que se acha dono da verdade. Já me achei muito dona da verdade. Mas a grande verdade é que não somos donos de nada. O máximo que podemos é ser donos do nosso livre arbítrio -- e olhe lá.  Bom, mas aí é tema para outro post.

Fato agora é que não me importo mais tanto em dar a minha opinião. Os conceitos de certo e errado nunca tiveram barreiras tão tênues para mim, como agora.  Não me interessa saber os erros do passado de qualquer pessoa que eu conheça ou desconheça. Não sei se este é o ápice de sentimento misericordioso (no significado mais real da etimologia da palavra), mas certamente é o mais ausente de julgamentos que já tive na minha vida. Acreditem: é mais agradável viver assim, porque você não precisa ficar escolhendo lados e justificando constantemente suas escolhas. Não precisa ficar buscando retóricas complexas para dizer porque alguém é mau por natureza ou porque alguém nunca aprende uma lição. Isso lhe interessa?

Se te interessar, deve ser apenas como exemplo e lição de vida, nada mais. E assim a estrada segue. Acho que perdemos muito tempo analisando os outros. Que tal gastarmos mais tempo analisando nossa própria consciência? ;)