As pessoas são estranhas...

Ultimamente, o silêncio tem sido minha palavra de ordem. Por diversos motivos, tenho achado melhor ficar quieta a falar besteira, a falar sem necessidade, a gastar boa vontade -- essa, em geral, sempre desperdiçada.

Isso não é uma crítica direcionada a alguém específico da minha vida. Seria muito restrito e muito simples fazer isso. Mas fato é que poucas situações, poucos contextos e poucas pessoas me fazem ficar com vontade de verdade.

Quando você traz uma ideia nova, ela imediatamente é refutada. Quando você comenta algo que te anima, logo a seguir as pessoas te põe para baixo. Tem sido complicado criar uma simples conexão com as pessoas.

Tenho observado que as pessoas estão cada vez mais confusas, mais ciumentas, mais julgadoras do que nunca. Talvez seja um sinal dos tempos... a polaridade aumentou em níveis em que parece não haver nem mais amor, apenas ódio. É fácil odiar como ouvimos que costumava ser em tempos primitivos.

As pessoas, atualmente, parecem se relacionar cada vez mais por causa da parte "doentia" de suas consciências. O descartável está cada vez mais sendo aplicado aos relacionamentos humanos. Então, nos deparamos com algo, julgamos, condenamos, descartamos e aplicamos uma pena. Acabou aí. Ideologia é para poucos. E quando existe, é tão distorcida que assusta.

Não sei, exatamente, como lidar com esses tipos. Um dia a pessoa lhe fala como amiga mais íntima, depois, sequer te cumprimenta. Você precisa aprender a dançar entre a tênue linha das necessidades da sociedade e as suas necessidades. Você é obrigado a conviver com pessoas com as quais não têm assuntos em comum para conversar, mas mesmo assim, precisa criar um mínimo vínculo de coexistência. Você concorda com tudo o que dizem, porque se for contradizer, as discussões não são saudáveis, elas são disputas para ver quem está certo ou não.

Estou tão cansada de tudo isso... e tenho focado e apostado naquelas companhias que antes pareciam tão improváveis. Ou pessoas que incrivelmente continuam ao meu lado mesmo depois de ter visto meu pior lado. Isso é uma aposta que dá certo. O amor, a amizade, os sentimentos puros e reais são uma aposta que tudo pode dar certo.

Bem, escrevi mais um pequeno desabafo do que um post reflexivo sobre o assunto. Talvez reflita mais no futuro... ou não. Por hoje, é isso. Não estou triste... apenas me sentindo estranhamente estranha dentre tantas pessoas estranhas.