Ame o próximo

Esta é a semana derradeira antes do meu aniversário. É aquela semana que todos os pensamentos correm, juntos com as energias que se renovam e se recriam. Meus sentidos andam mais do que nunca à flor da pele. Agora, me parece, que de verdade, eu cada vez mais deixo de ser aquela pessoa que sempre fui para me tornar naquela que realmente devo ser.

Brevemente, queria comentar sobre a raiva e o ódio. Lembro que minha amiga querida Gabitchs me disse que eu deveria escrever a respeito e, àquela época, não me achei pronta para falar qualquer coisa que fosse a respeito. Acho que hoje, agora, posso tentar.

Então, Gabitchs, sabe o que acho do ódio? Vou pensar nas pessoas próximas a mim que vociferam ódio aos quatro cantos. Pessoas comuns do nosso dia a dia. Eu me lembro da pessoa que fui um dia. E lembro com tristeza de como isso ficou grafado na memória das pessoas com quem convivi nesse período.

O ódio que vemos no nosso cotidiano nada mais do que aquilo que revelamos que há dentro de cada um de nós. Enquanto não aprendermos a transmutar esse sentimento tão próximo e tão oposto ao amor, não conseguiremos deixar de classificar as coisas. Não deixaremos de sentir ódio quando podíamos sentir mais amor. O amor puro que ainda não aprendemos a sentir de verdade e que parece tão utópico.

Essas pessoas próximas a mim sentem raiva e ódio por tudo! Pelos atendentes, pelas pessoas que andam na rua, pelas coisas mínimas, pelos acontecimentos mínimos, pela causas mínimas! Eu sei, como sei, porque eu já fui assim. É o nosso lado instintivo-animal mais fácil de ser. Somos reativos quando reclamos de tudo que passamos e que não gostamos de passar.

Essas pessoas próximas a mim, Gabitchs, sentem ódio por tudo que lhes acontece, porque na minha modesta opinião, é esse ódio preso dentro delas. Todos nós temos todos esses sentimentos e todos nós precisamos aprender a lidar com eles. Os caminhos são vários e as formas de demonstrá-los, idem.

Acredito, ainda, que as pessoas do ódio são as pessoas que mais sentem amor. Mas elas ainda não sabem disso. E eu sei que tudo isso pode parecer bem um blá-blá-blá de autoajuda, mas isso é tudo do mais sincero que posso dizer. O meu ódio interno ainda me atenta, como um velho hábito persistente, a fazer com que eu seja instintiva-reativa: mas tenho cada vez escolhido o caminho do meio -- aquele que acho que todos deveriam ao menos tentar seguir.