E esta solidão?

Andei reparando -- com um olhar bem menos julgador que d'antes -- que as pessoas têm se sentido muito solitárias. Mesmo envoltas num agitado mundo virtual -- ou num agitado mundo real, elas estão se sentindo solitárias.

Aos quatro cantos (principalmente virtuais) vociferam essa solidão. Não há música, não há livro, não dá companhia: simplesmente não há nada que as façam se sentir menos sozinhas. Eu mesma tenho esses ímpetos de solidão. É quase como se um buraco negro nos consumisse de dentro para fora, exigindo tudo que você tem mais aquilo que você não tem, com juros e correção monetária.

E algumas pessoas se alimentam dessa solidão alheia. Outras, se deixam doar, como se esse tipo de doação resultasse em alguma ação efetiva. E vamos compartilhando esse sentimento sem saber de onde ele veio. Nos preenchemos com vícios dos mais variados concluindo que assim nos salvaremos. Não estamos fazendo nada de efetivo...

Estamos cada vez mais distantes de nós mesmos. Nosso olhar apenas se volta para o exterior. Olhamos o que os outros estão fazendo... olhamos o que o outro tem que não temos... olhamos os passos errados e os tropeços que os outros dão... e esquecemos de olhar para nós mesmos. Esquecemos de olhar para nosso interior, para a riqueza que se esconde no silêncio interior.

As pessoas esperam chaves mágicas, prontas para abrir as portas. Não há segredo, não há mistério. E o primeiro passo de tudo isso é acreditar na verdade, não na ilusão.