O ontem, o hoje e o amanhã

O tempo é um cavalo selvagem, indomável e inatingível na minha vida. O momento, um filho gêmeo parido de um eco, é outro ser vivo que corre ao meu redor como uma criança rebelde pedindo atenção. As nuances dos segundos são cores vibrantes que apenas meus olhos podem tocar. Não sou nada além de uma mera espectadora de tudo esse tempo que se prostra diante de mim, impetuoso, irritadiço, pungente e paradoxal.

O sofrimento é uma cor primária que se desdobra em secundárias, terciárias... até formar cores imperceptíveis. Mas sabemos de onde ela surgiu. Não podemos desfazer a mistura que, como lágrima e chuva, é tudo mas ainda é apenas água. O sofrimento é uma água congelada que punge mais dor que uma pedra fria. Porque fora água e ainda é apenas água. O sofrimento cega os olhos da alma, da mente e do coração. Pensam que o sofrimento é um meio. Na verdade, ele é apenas um acessório dispensável. Um enfeite de mal-gosto.

A alegria é um desejo perigoso. A alegria existe em seu coração e transborda de suas mãos como água de uma cachoeira. Mas é intenso e é revolto. Mesmo sem saber sua origem, é um bálsamo que poucas pessoas aprenderam a manipular. Pois somos treinados a viver sob tristeza para compensá-la com tanto materialismo que acabamos nos esquecendo de quem sempre fomos apenas para ficarmos socialmente parecidos uns com os outros.

O desejo é um desejo. A vontade é uma vontade. A mágica sempre será mágica. As verdades apenas são verdadeiros para o seu portador. A necessidade de outro é um eterno mistério que palavra nenhuma decifra. O amor... não conhecemos o verdadeiro amor, mas estamos acostumados a um amor egoísta que não dá sem esperar nada de volta. Ele precisa ter algo de volta. O egoísmo é um sinônimo de felicidade em algumas vezes. A perfeição? Essa nunca existiu nem nunca existirá.

Acho que conheço bastante de tudo aquilo que passou por mim. Acho que estou sobrevivendo bem ao hoje. O amanhã? O amanhã  não é um quadro em branco, não é uma folha que a gente sabe que vai cair, não é a continuação do hoje. O amanhã é o meu sonho que sonhei sem ter sonhado. Um misto de verdade e mentira, realidade e ficção que estas mãos e este coração tentam desvendar. Vou sorrir enquanto o presente ainda é eterno presente.