Aquela que me conhece mais do que a mim mesma

Finalmente, depois de quase sete anos de amizade, temos uma foto juntas! hahaha Aposto que uma história assim, ninguém tem...

Pois é, somos duas exigentes com fotos e adia daqui e dali... eu disse a ela, ontem, que de hoje não podia passar, porque não tínhamos uma foto sequer juntas! Como assim? Argumento impossível de ser batido.

O finde ao lado dela foi algo que precisava muito. Para ajudar a curar minhas feridas, para ajudar a lembrar quem eu sou, para filosofar sobre a vida -- e TODOS os seus aspectos. Obrigada, filha, por ser a amiga que é na minha vida.

Uma noite, um sábado qualquer

Este fim de semana tem sido mais do que especial. Estou compartilhando as horas com a minha querida filha Poliana. Como sempre digo aqui, aquela que me conhece mais do que a mim mesma.

Essa proximidade tem me feito muito bem. Passamos um bom tempo bem distantes uma da outra. Então, de repente, é bom lembrar de tudo que somos quando estamos juntas. A cumplicidade de pensamentos. A capacidade de filosofar sobre os mais diferentes assuntos. A capacidade dela de entender minha intensidade e minha água. E eu olho para ela e ela simplesmente É a minha melhor amiga.

Os filmes que assistimos hoje da Mostra Internacional foram escolhidos por ela. Perfeitamente escolhidos, diga-se de passagem. Mas devo dizer que Cavet e Las Acacias merecerão posts exclusivos, porque... mexeram tanto comigo, mas tanto!!! Adoro esses filmes, estava com saudades de ver filmes assim.

O dia foi quente. Almoçamos num restaurante indiano lacto-vegetariano chamado Gopala Madhava. Meus deuses... que comida divina!!! Fazia muito tempo que não comia uma refeição tão completa, tão perfeita, tão cheia de boas energias...

Comprei dois cds numa loja também divinamente perfeita, que fica dentro de uma galeria da Rua Augusta, chamada Compact Blue. Tem todas as raridades inimaginadas. Achei vários cds da Melissa Etheridge, mas comprei o Skin, álbum de 2001, que contém a famigerada "Walking on water". Corta pulsos, mas adorei. Também achei o álbum ao vivo da Isabella Taviani. Em breve espero poder ter o autógrafo da própria nele... rs.

À noite, começou a chover, como é típico de São Paulo ter as quatro estações do ano num mesmo dia. E enquanto esperávamos o ônibus para voltar, e enquanto falávamos do vazio do meu coração (como se isso pudesse ser conversado feito conversa e filosofia de bar), parou um carro antiquíssimo, desses de colecionador, bem na frente do ponto de ônibus, em plena Avenida Paulista. Eu não tinha me dado conta de que dentro do carro haviam um noivo e uma noiva. Quando reparei, sorri. E eles, lá de dentro, acenaram para mim e para a Poliana. Sorri mais ainda e acenei alegremente para eles... que cena maluca e inusitada!!! Naquele único instante, eu fui apenas felicidade. Eu senti a felicidade deles... eu compartilhei a felicidade com eles. Um rapaz no ponto também compartilhou isso com a gente. O carro se foi e eu apenas pensei... "isso é alegria". Mesmo que eles se separem daqui a uma semana, essa cena nunca se apagará da minha mente.

E enquanto a noite se esvaía em chuva, frio e conversas profundas... ficou a frase: "Não tenha vergonha de errar. Se você erra, é sinal de que você está tentando." >> perfeito para mim, que achava que andava errando tanto, ao arriscar tanto, ao ser tanto... eu. Pode ser erro. Mas também -- e principalmente -- foi tentativa. Boa lição para hoje!