Visitando o passado - I

Hoje em dia, com certa razão - mas não total - é muito defendido que as pessoas vivam o presente! O momento de agora, o hoje. Não anseie o amanhã e não se prenda ao passado, porque ambos são tempos que não existem.

O que também não deixa de ser um certo paradoxo, porque o texto que eu acabei de escrever já é passado, o que estou pensando já deixou de ser futuro, se tornou presente e virando passado. Em fração de segundos.

O tempo sempre foi uma matéria lisa, impalpável e, simultaneamente, bússola da vida de cada um de nós. Não vou filosofar a respeito porque não tenho gabarito suficiente para isso, não me atreveria. Escrevo minhas impressões, observações -- como sempre, baseadas em minhas experiências pessoais.

Eu sou uma pessoa que cultiva muito o passado, admito. Não nego. Para mim, essa coisa de desapego de futuro e passado é quase um passo extremista em falso, óbvio. Não conseguimos viver sem um planejamento mínimo e tudo que somos é resultado de tudo que vivemos até hoje - coisas boas e ruins. Do mesmo radicalismo que se combate ao dizer que devemos viver o presente, se baseia o argumento de que passado e futuro são ruins. 

Oras, tudo em excesso é ruim. Tudo que é extremista, idem. Eu creio, para mim, que esta é a melhor lição que tenho aprendido nesta vida: caminhar no meio termo. E isso não significa que serei uma indecisa. O caminho do termo só existe porque existe uma ponta em cada lado. É ingênuo acreditar, também, que estaremos sempre no meio. Um momento estaremos em um lado, outrora em outro. E isso também constitui o meio!

Contudo, sei que muitas pessoas vivem o extremo de apenas se apegarem ao passado, ou apenas vislumbrando o futuro, deixando totalmente de curtir o momento presente. Para mim, o que poderia ser mais esclarecido como "momento presente" é a variável indefinida de que qualquer coisa pode acontecer e você não vai ter controle absoluto nenhum sobre isso! Ninguém pode prever uma surpresa em sua vida, positiva ou negativa. 

Então, eu acredito que o mote deveria ser: quer ser um "passadista", que seja! Quer ser um "futurista", viva isso. Mas não deixe de observar. O que falta nas pessoas - e isso eu defendo firmemente - é que somos tão bombardeados com informações que deixamos de observar os detalhes. A vida é feita nos detalhes que passam despercebido. Claro, nem todos tem essa capacidade naturalmente desenvolvida, conheço gente distraída para tudo! rs - mas como qualquer habilidade, ela pode e deveria ser aprendida. 

Observar os detalhes de cada momento que você vive poderá trazer muito mais cores, opções, experiências, sensações. Tente isso.

Batendo à porta dos 40

(In)felizmente, este blogue sempre abrigou todas as palavras do meu coração: tristes, alegres, reflexivas, finais, decisivas... cada palavra dita e digitada sempre foi (e sempre será) reflexo puro do meu ser humano - espiritual e físico.

Este ano completarei 40 anos de idade. Não estarei mais na casa do trinta e poucos, agora será dos "-enta" em diante. Eu gosto de marcos. Aprecio datas decisivas. Elas têm o sabor de efemérides pessoais, algo que a maioria não leva muito a sério. 

As primeiras reflexões que me vêm à cabeça pensando nesses 40 quase chegando dizem respeito às convicções que sempre tive e que sempre defendi veementemente. Não é clichê afirmar que pouco resta daquilo tudo que sempre acreditei. Precisamos nos pautar e nos orientar sempre a partir de alguma crença, mas como acreditar numa crença mesmo sabendo de sua fragilidade e que ela pode cair a qualquer momento? Você, ainda assim, acreditaria nela?

Eu ainda tenho minhas crenças e convicções, isso não mudou. O que mudou foi a maneira como eu lido com elas. Aprendi deixar ir, quando algo ou alguém precisa ir. Parece fácil, mas não é. Temos nossos apegos, nossas carências e a sensação de vazio e casa sem estrutura quando algo (ou alguém) que sempre pareceu certo em nossa vida, de repente (mas nem tão repentinamente assim) se vai. E foi. Para nunca mais voltar.

Aprendi também a lidar sozinha com minha saudade de tudo que se foi. Pois se foi, não mais voltará. Restam as lembranças boas de um momento único que nunca mais voltará. É aquele momento ido, específico, daquele dia, daquele ano... que não voltarão mais. Você pode desejar ardentemente reconstruir aquele instante, mas ele não existirá mais além de suas lembranças.

Aprendi também a não insistir onde não há fio de resistência. As coisas e as pessoas não são descartáveis mas quando vivemos num mundo onde tudo é descartável, ser acumulador é um risco desnecessário e o preço a ser pago muito ser alto para viver entre a sanidade e a loucura. Então. eu digo, 'live and let live'.

E a gente segue aprendendo a viver a vida sem os parâmetros e clichês da sociedade, em sua maioria, capitalistas e católico-cristão: casar, ter filhos, ter casa, comprar carro, tirar férias uma vez por ano, discutir os detalhes minimalistas de viver a vida da família doriana. Ninguém nos diz que devemos falar menos e agir mais, desenvolver empatia, sermos mais humanizados, diminuir a diferença preconceituosa que existe em cada um de nós, valorizar mais o espiritual e menos o material.

Mas continuamos nosso foco nas aparências: ter uma boa aparência asseada é importante mas... já faz um bom tempo que a casca não me importa mais (exceto uma boa casca crocante de pão fresco). Como não somos cebolas ou pães, chegamos ao último ponto de reflexão: estou aprendendo a conviver com tudo que sempre esteve ao meu redor, fazendo as mudanças necessárias (mais internas do que externas) e compreendendo que o mundo anda sombrio e só cabe a mim mesma as minhas escolhas e as consequências delas.

Até breve!

Crisantemus Infinitus Astrologia

Pois é! Mudanças!

Não sei se deixarei de postar neste blogue, mas é certo que a minha dedicação estará voltada para a minha nova empreitada e nova profissão: astrologia!

Acessem a página: curtam, compartilhem, comentem! Venham fazer um mapa comigo.

No site, tem uma aba para o blog: lá escreverei sobre clichês astrológicos e os erros comumente divulgados. Em seguida, falarei sobre a importância dos signos em nossa vida. Tudo sem astrologuês e sempre respeitando as leis universais, cármicas e energéticas.

Te vejo por lá!

Poema

No vácuo do espaço do tempo
dos desejos das expectativas da pulsação
do passado do presente do futuro
do dito não dito maldito bendito
entre o pensamento a intuição o esquecimento
a dor o amor a ansiedade
aquilo que chamamos de verdade dorme
ninfa adormecida
pedra tolhida
passagem de ida
a quinta dimensão
o amor supremo

o centro.

Reflexão da meia-idade

Aos eventuais leitores que ainda têm força para visitar este blogue esquecido, meus mais sinceros agradecimentos: já faz muito tempo desde minha última postagem e é desnecessário dizer que muita coisa aconteceu.

Mas não vou contar nenhuma história nem compartilhar algum fato. Hoje vou escrever da maneira mais minha possível: refletindo.

Esse negócio de crise pessoal é algo sério. Para algumas pessoas, parece quase um hábito, uma sombra que nunca se dissipa. Lembro com detalhes quando as crises começaram a me afetar de modo a me deixar muito fora do meu próprio eixo: culpei os 29 anos e a revolução de Saturno. Só que os anos se passaram e a crise continuou. E aí você começa a arranjar os bodes expiatórios para tentar justificar por que tanta coisa não dá certo na sua vida.

Do seu próprio ponto de vista, sua vida está uma merda e parece nunca melhorar. Mas o tempo não para e a vida segue, aos trancos e barrancos, por sua própria escolha (ou não).

Aí uma certa ficha -- de que a sua vida é assim e que não adianta querer tapar a eterna inquietação com algo que você não sabe direito o que é -- cai e você sai do eixo outra vez. 

Mas, este post não é sobre crise ou a falta total de percepção do que acontece ao meu redor. Os segundos semestres costumam ser mais fáceis para mim, e eu posso afirmar que o meu ano só começa de verdade quando faço aniversário. De Janeiro a Junho é um inferno, literalmente!

E desde o começo de Agosto percebi umas fichas meio óbvias caindo novamente... e eu fiquei pensativa a respeito. Vários posts foram se escrevendo e sobrescrevendo em minha cabeça. Estava com saudade dessa ânsia de colocar para fora esses sentimentos e pensamentos que me povoaram várias noites insones.

1) As pessoas não podem dar aquilo que elas não possuem
E isso pode ser físico ou emocional.
E isso é um estado passageiro: pode ser uma fase como também pode ser um estilo de vida.
Certamente, convivemos com pessoas assim com mais frequência do que provavelmente temos consciência. Mas é uma escolha você estar ciente de que não pode criar expectativas além da pura realidade.
E você também pode escolher viver sendo vampirizado (ou mesmo sendo vampiro).

2) O amor é o grande desafio da humanidade
E isso é algo atemporal.
É algo que sempre será o grande desafio e a grande demanda.

3) Não faça afirmações convictas sobre uma verdade que parece ser verdade para você
Eu acho que este é o meu grande aprendizado este ano.
Quem me conhece de longa data sabe o quanto eu sempre fui a pessoa categórica com uma lista gigante de afirmações embaixo do braço.
E nessas minhas afirmações, muita convicção. A certeza de que a minha experiência vivida me traria uma sabedoria, uma lei. 

Baboseira.

A vida está aí para constantemente te mostrar de que convicções são boas mas não podem ser tomadas ao pé da letra. E isso praticamente se mistura com o lance da expectativa. 

Você tem uma série de convicções que te orientam em sua vida. E você se norteia baseado em cada uma dessas experiências prévias que te levaram a algum resultado final. Isso não é ruim, afinal, todos nós precisamos de uma bússola para viver, não é?

O perigo está em como você usa essa bússola. No geral, você -- assim como eu -- deve utilizá-la de forma bem errada... 

Porque dessa fórmula: convicção + expectativa + um dose de orgulho = o resultado é catastrófico -- desilusão, decepção, perda da autoestima, sentimento de inadequação no mundo, solidão.

---

Talvez haja algum sentido em tudo isso que acabei de escrever... ou eu mesma estou criando outra convicção para mim mesma na quase vã tentativa de tentar entender o que acontece com o mundo, com as pessoas e comigo. O que você acha?

Espero não demorar até o próximo post!