Feeling like monday but someday I'll be saturday night

O que é o tempo, senão a contagem dos dias e o que fazemos para preencher a contínua necessidade de construir algo, significar algo, deixar um legado? O que é o tempo senão continuamente compararmos o sucesso alheio ao nosso, competirmos para sempre sermos os melhores em qualquer área que atuemos ou que queiramos deixar a nossa marca? O que é o tempo senão um preenchimento contínuo de suposta sabedoria, felicidade e contribuição para o mundo? Supostamente falando.

O vácuo entre meu último aniversário e o próximo pode ser traduzido com tanta coisa. Mas me aterei ao que venho passando nos últimos três meses, com ênfase maior para o último mês:

- morte de uma pessoa da família;
- dermatite agressiva no couro cabeludo;
- virose violenta (a primeira que tive em minha vida);
- saindo (temporariamente) de uma profunda crise de depressão;
- início da pré-menopausa.

Mas ainda não tenho um único fio de cabelo branco à vista. Depois de, no fim do ano passado, passar máquina zero na cabeça, repetir a atitude em meados de março, ainda estou olhando meus cabelos sem corte específico. Olho para mim mesma no espelho e não tenho pensamentos.

Bem, entrando em pormenores a respeito dos itens descritos acima:

1) a burocracia brasileira é generalizada. Ou você é muito rico ou prefira ser muito pobre. O meio-termo, onde jaz a burguesia das classes intermediárias, sofre com tanta coisa para pagar. Vivo ou morto, você paga. E, se você não tiver dinheiro, o governo lhe toma tudo ou lhe empresta a juros altos. Nada é de graça, nenhum documento é emitido gratuitamente e qualquer bem que você possua é sinônimo de imposto a ser pago. A menos, é claro, que você seja muito rico, porque nossos governantes sempre são mais condescendentes.

2) venho enfrentando certos tipos de doenças que nunca tive em minha vida toda. A dermatite creio que seja um resquício da depressão e do estresse. Porém, a virose foi um caso maravilhoso. Sempre ouvi falar de pessoas com viroses e confesso que em todas as vezes sempre olhei com desdém, porque me parecia desculpa para conseguir um atestado ou faltar ao trabalho.
Vivenciei todos as etapas e os sintomas da mais clássica das viroses e da mais violenta também. Tudo começou com dor no corpo, mas eu percebi que não era gripe, porque não tinha febre. Muito mal-estar, moleza e vontade de não fazer nada. No dia seguinte, dores horrorosas no terço final do estômago e na barriga. Muita cólica amenizada com analgésicos. Fiquei assim uns dois dias. Até que no terceiro dia, passei seis horas seguidas indo ao banheiro a cada quinze minutos. Nunca c*gu*i tanto em minha vida e meu c* assou completamente que nem hipoglós dava conta.
Não sei o que é pior, mal-estar físico com enjoo, vômito e dor generalizada ou c*g*neira. Os dois são ruins. Uma experiência que não dedico a ninguém. Espero nunca mais passar por isso outra vez!
Ao final do quinto dia comecei a melhorar. Mas ainda hoje, mais de uma semana depois, meu estômago ainda está meio sensível. E aproveitando o frio também, só tenho me alimentado de sopas.

3) há alguns meses venho notando irregularidade em meu ciclo menstrual. Pesquisei e vi que para muitas mulheres a pré-menopausa (que se divide em três partes até a menopausa em si) começa a partir dos 40. No meu caso, está começando perto dos 41. Meio cedo, mas neste mundo corrido e com a alimentação que temos, tudo adianta, atropela e vai indo na velocidade que tem de ir. Há tempos já faço uso de óleo de prímula e, agora, aumentarei a dosagem.

Eu sempre fiz balanços gerais ao fim do ano e em meus aniversários. Desta vez, não tenho vontade de dizer muito. Há tempos, a minha vontade de dizer as coisas vêm diminuindo com a mesma velocidade que experiências ruins com as poucas pessoas que convivo tem aumentado. Aí é continuamente apertar a mesma tecla e até eu me cansei disso.

Por um tempo, acreditei que em carma e que recebia muita coisa de volta de tanto que já fiz por aí. Talvez seja isso, mas atualmente eu apenas penso que esta é a maior de todas as lições que tenho de aprender. Ela envolve um pouco de tudo que sempre questionei e um pouco de tudo que sempre me incomodou. Um pouco de tudo que sempre acreditei e defendi. Um pouco de tudo que sempre entendi como certo e eterno.

No momento, estou cética e pessimista. Não é que não acredito mais nas pessoas, mas me parece que há um precipício entre o que as pessoas são, o que aparentam e o que elas mostram. Aqueles que mantém essas linhas limítrofes menores podem ser consideradas pessoas melhores que outras? Não. Mas, definitivamente, imagino que sejam pessoas um pouco mais fáceis de entender.

O fato é que quando você sofre depressão as pessoas se afastam. É silencioso e quase involuntário mas quem deseja estar perto de alguém assim? Por isso me surpreende sempre ler quando um artista famoso cometeu suicídio "mas ele tinha depressão? Como assim? Sempre sorridente, fazendo o que mais queria fazer, cheio de amigos, não passava por dificuldades financeiras". É mais interessante conviver com um depressivo mascarado do que com um depressivo assumido. Porque até para ter doença mental, as pessoas precisam disfarçar.

Então, é isso aí, a vida segue. Para compartilhar algo novo que descobri e não terminar este post tão triste e melancolicamente, digo: o incenso - in natura - de palo santo é uma descoberta que eu deveria ter feito antes. O aroma é adocicado, amadeirado e lembra uma mistura de cominho, noz-moscada e pimenta. Quem quiser, aceito como presente

Outro blogue qualquer por aí

Este blogue já foi de tudo: espaço para falar de Isabella Taviani, espaço para falar o que me desse na telha, escrever sobre astrologia, compartilhar qualquer coisa de um dia qualquer.

Mas ele não começou assim: ele nasceu com o propósito de eu me dedicar à prosa, já que tinha fechado a fonte da poesia. Engraçado que as coisas não deveriam ser assim, preto no branco, no entanto, comigo foram.

Treinei e aperfeiçoei muito a minha escrita aqui. Honestamente, gostaria que fosse um espaço mais voltado para crônicas e textos leves... como supostamente deve ser um blogue.

Porém, este canto acabou se tornando o cantinho da lamúria e da tristeza. É com muito pesar que acabei detectando que só falava de problemas, decepções. E mais decepções. E mais e mais decepções.

Por que a vida é uma eterna decepção? Se alguém aí souber me responder...

Li várias retrospectivas e todas elas falam a mesma coisa: solidão, decepção, amigos preocupados com suas próprias vidas. Já disse decepção?

Há uma luta interna, em mim, para não desistir de tudo. E percebi, lendo rapidamente alguns posts, que essa luta se iniciou há muito tempo... 

Por isso, criei um blogue anônimo, que obviamente não divulgarei aqui. Uma última tentativa de poder falar realmente o que quisesse sem perturbar aqui.

Triste esta vida de constantes decepções... fico pensando e refletindo e não chego a um bom lugar. Também penso no quanto decepcionei e nem sei sobre isso.

A vida segue. Até que não vá mais adiante. Enquanto isso...

Hard reset na vida

"Hard reset" é um procedimento utilizado quando um smartphone está com problemas em seu sistema operacional e precisa voltar às configurações de fábrica. Esses problemas podem ter origens diversas, como vírus, pouca memória, aplicativos que não funcionam direito. Aí você aperta uns botões, segue uns dos incontáveis tutoriais (não se esqueça de escolher aquele que específico para o modelo do seu celular) e pronto: seu aparelho está novinho, como no dia em que você o tirou da caixa.

Eu precisei dar um hard reset no meu Motorola porque ele não atualizava mais os aplicativos da PlayStore. Engraçado que mesmo depois de ter repetido o procedimento três vezes, o erro ainda não tinha sido corrigido. Eis que resolvi fazer diferente na última tentativa: ao invés de restaurar as configurações prévias (que o celular salva como um espécie de backup), optei por zerar tudo mesmo, sem qualquer menção ao passado do celular.

Assim, quando achava que tinha perdido de vez o aparelho e pensava nos passos seguintes... o celular voltou à vida. Novinho, veloz, prontinho para eu configurá-lo do jeito que eu queria (sem repetir os erros e os excessos anteriores) outra vez! Alegria infinita e eu me sentindo uma verdadeira hacker profissional dos smartphones sem pedir ajuda a ninguém e sem gastar nenhum tostão!

Lições: apaguem as fotos e os vídeos que só ocupam memória. Cuidado ao acessar sites duvidosos. Tenham sempre o Clean Master eo adBlock instalado. Não deixem nunca a opção "atualizar aplicativos automaticamente" (essa eu não deixo há anos, dica de um amigo). Não cliquem em arquivos suspeitos (dica velha, mas que sempre vale lembrar). Acho dispensável ter antivírus: só ocupa espaço e não serve para praticamente nada.

Bem, por que eu escrevi quatro parágrafos para dizer que fiz um hard reset no meu celular? Porque na hora eu pensei em como seria fácil se déssemos um hard reset na vida. Gente, seria muito fácil! Seria a solução dos problemas. Não é essa uma das obsessões da nossa vida? Poder ter a chance de recomeçar tudo de novo, apenas com o apertar de um botão?

Na verdade, nós temos essa opção o tempo todo. Porém, a nossa vida não funciona como uma smartphone, graças aos deuses, somos bem mais complexos! E tamanha complexidade tem suas condições, seus procedimentos e suas consequências. Agora, pergunto: se fosse fácil fazer um hard reset na nossa vida, como seria? Todo mundo, na hora em que quisesse, recomeçando literalmente do ponto em que gostaria de recomeçar? Acredito que perderíamos a nossa complexidade em todas as áreas, das relações sociais, dos aprendizados e dos erros, até na evolução genética (rs)!

Existe alguma solução quando a nossa vida está com tantas dificuldades, percalços, problemas, falta de objetividade e falta de forças? Existem muitas soluções, mas, acredito, que hard reset seria um apenas um paliativo para que tudo recomeçasse novamente, como um loop infinito e fantasioso, de que a nossa vida está indo para frente só porque podemos ter a oportunidade de ficar zerando o cronômetro do carro (quando na verdade, toda a quilometragem dele ainda continua lá).

Fato é que viver não é fácil. É tarefa daqueles que têm coragem, não a que conhecemos, mas aquela que une o racional e o emocional, mente e alma, visível e invisível. Viver não é se isolar. Viver não é se privar do erro. Viver é errar e entender que o erro é que nos torna mais capazes de melhores escolhas. E vivemos e erramos até compreender que a ideia do hard reset parece um atalho atraentíssimo mas pouco rentável.

E, finalmente, os 40!

Meu último post aqui ainda falava sobre as minhas reflexões do passado. Àquela época, sentia intensamente uma vontade de lembrar muita coisa vivida, recente ou não. Uma necessidade forte de ficar revirando tudo mesmo.

Os meses se passaram, o foco mudou e as coisas caminharam. Assim segue a vida, quer você queira ou não.

Gosto de fazer aniversário, como as pessoas bem sabem. É um momento de renovação pessoal, renovação e a reafirmação de certezas. Talvez não tão certas, mas o desejo de seguir por um caminho.

Se agora mudei o quadradinho indicativo da idade, ou se acrescentei o sufixo "-enta" à minha idade, ou se a carinha aqui ainda tem algumas linhas mas poucas rugas e nenhum cabelo branco na cabeça (genética! rs) o que sinto de diferente é a diminuição dos meus polos raivosos que sempre determinaram minha personalidade mais exterior.

Quando o mundo parece ir cada vez mais intenso na maré polarizada de paixão e ódio eu quero cada vez mais apaziguamento e o caminho do meio. Estar fora das intrigas. Talvez a maior lição que tenha aprendido é: gosto de ter atenção, porém, a correta atenção.

Também percebi que cada vez mais gosto de conforto (isso não quer dizer usar molecas) e silêncio e paz visual e sonora (repetição do item "silêncio" rs). 

E prestei atenção aos parabéns todos que recebi em todas as mídias sociais: os que enviaram os parabéns pelo WhatsApp são os que mais me emocionaram (claro, tem muitas pessoas que me emocionaram fora do Whats e só não me escreveram lá porque provavelmente não tinham meu número de celular). Os que me escreveram no Whats também são aqueles com quem tenho mais intimidade e são aqueles que não economizaram na digitação.

As mensagens do Facebook e Instagram foram muito bonitas e alguns se repetiram, me parabenizando mais de uma vez - o que é um belo gesto, já que muitas vezes, uma vez é mais do que suficiente. Algumas pessoas, a maioria delas, mora longe de mim, então, o recado foi mais afetuoso. E, claro, as lembranças dos conhecidos de vista.

Claro, muitos se esqueceram, outros provavelmente não quiseram me escrever e tudo isso é perfeitamente normal. Tudo faz parte da vida. No hard feelings!

Assim, espero, a renovação dos meus votos pessoais, a força para continuar a caminhada e cumprir a minha missão pessoal. Agradeço a energia positiva enviada por todos!

E sigamos em frente! 

Visitando o passado - IV

Seguindo com minhas postagens sobre as minhas visitais pessoais ao meu próprio passado, vou dedicar este texto a uma das personalidades que mais marcou presença neste blogue: Isabella Taviani.

Houve um tempo em que este blogue praticamente se tornou um ponto jornalístico que fazia relatos pós-shows: fotos, vídeos e, claro, texto! Era um prazer imensurável poder estar em praticamente todos os shows que a Isabella fez entre 2010 e 2012. Foi uma época em que morei no Rio de Janeiro, tinha liberdade de tempo. Conheci muita, mas muita gente bacana. Vivi muitas situações especiais, inusitadas. Acompanhei o pós-álbum Diga Sim, acompanhei o nascimento e toda a turnê do Meu Coração Não Quer Viver Batendo Devagar e o princípio do Eu Raio X. 

Tenho muitas lembranças irretocáveis desses anos: todas as filas de camarim, pessoas me reconhecendo em público por causa do meu blogue, todas as fotos que tirei com a Isabella, todas as coisas que ela me segredou e eu nunca contei para ninguém! (rs) e a principal delas: quando a IT cantou Pontos Cardeais para mim.

Mas, esse tempo passou... O álbum Eu Raio X veio, mudou a vida da Isabella e a partir desse ano, tudo mudou na minha vida também. De volta a SP, não tinha mais como ir-e-vir e viver de ponte aérea/rodoviária. Não criei mais momentos especiais, só criei saudade. Muitos desejos não realizados. 

E, não sem querer -- diga-se de passagem --, muitas pessoas que conheci nesse período se foram também. Não citarei nenhum nome aqui ou farei qualquer menção que possa lembrar alguém. O fato é que o tempo é o grande mestre da nossa vida: ele traz, ele leva. A você cabe apenas aceitar. E enquanto fatos estranhos aconteciam, coisas ditas e não ditas, as pessoas foram... para nunca mais voltar.

Algumas, obviamente, ficaram. E estão até hoje. Vocês sabem quem são, obrigada por suportarem ao teste do tempo!

E... Isabella. Quanta saudade de te ver ao vivo. Quanta saudade de ouvir a sua voz ao vivo. Saudade de te abraçar, sentir seu perfume maravilhoso (rs), rir com você, fazer perguntas indiscretas, te dar um presente especial que só eu sei comprar (sem falsa modéstia, adoro todos os presentes que dei para IT). A última vez que te vi foi em 23 de julho de 2014. São quase três anos de espaço. Hoje, 04/03/2017, você está mais uma vez aqui em SP e eu não posso ir te ver.

Bem, espero em breve voltar a revê-la pessoalmente! Acho que você não terá se esquecido de mim... rs