"Bambu que verga mas não quebra"

Outro longo intervalo antes de um novo post... pois é. Acho que é momento de começar minha retrospectiva de fim de ano!

Um turbilhão de coisas têm passado pela minha cabeça. Mudei de cidade, mudei de emprego, fiz novos amigos, tantos outros foram embora. Tantas decepções e tantas surpresas.

Eu nunca fui uma pessoa com mania de perseguição. Não acho que exista uma conspiração secreta de pessoas que estarão lá perdendo (ou investindo) seu tempo para me prejudicar de alguma maneira. Sério: não tenho esse perfil.

Mas devo admitir que quando a mesma coisa ainda acontece com uma certa persistência, há de se pensar, minimamente, que tem... algo acontecendo. Quando essa mesma coisa perdura por um tempo maior que um ano, você começa a procurar motivos. Quando perdura por mais de dois anos, você se dá conta de que algo sério está acontecendo. Serei eu a culpada? Estou com depressão? Bem, eu sei que estive em depressão por pelo menos dois anos.

Aí, estamos em 2014 e você acredita que já expurgou tudo que poderia ter expurgado. Que o ato de revirar o seu poço interno de negatividade acumulada já foi feito e você lavou tudo. Você já se renovou. Você é uma nova pessoa. Nem depressão mais você tem!

Aí, eis que 2014 entra solando na sua vida com os dois pés na sua cara!!!

Já não sei nem dizer qual foi o pior ano da minha vida: 2011? 2012?? 2013??? 2014???

Há uma característica comum a todos esses anos: foram os anos em que mais amigos saíram da minha vida. Alguns de maneira indolor, outros de maneira cirúrgica, outros da maneira mais dolorosa possível.

Na imensa maioria das vezes, fui pega de surpresa. Surpresa bem surpresa.

Em 2014, a coisa foi mais funda ainda (se é que seria possível): pessoas específicas do meu círculo familiar me surpreenderam negativamente (ou mostrando quem realmente são...). E, novamente, fui testada. Gente, mas não tinha acabado?

Que nada. Engano seu.

Este ano, outra vez, fui surpreendida. Chorei e sofri muito. Foram pessoas muito próximas. Isso no primeiro semestre. Quando achei que nada mais me pegaria de surpresa... eis que pessoas distantes resolveram "atirar o pau no gato". O que é mais engraçado nisso tudo (porque precisamos ver graça na desgraça) é que são pessoas que não tinha contato direto há muito tempo. Do nada, assim, DO NADA, vieram me destroçar em público por motivos que nem vou tentar entender. (Nem é porque não vale a pena... mas é porque não vou chegar a lugar nenhum)

Aí fiquei pensando: cara, quieta ou falando, as coisas simplesmente acontecem. Não há explicação lógica para isso. Talvez haja alguma explicação cármica. Talvez haja alguma explicação de lei da atração. Talvez possam ser tantas coisas.

Nesse momento, me agarro à única coisa que posso me agarrar: Astrologia. Com o software, podemos analisar os trânsitos dos planetas voltando ou adiantando o tempo. Astrologicamente, há explicação dessa situação tensa toda que começou no ano de 2011 cujo período mais intenso está terminando... com seus pequenos ápices aqui e ali.

Me entristece profundamente porque já vivo um momento muito recluso. E tenho poucas pessoas ao meu redor. Amizade, para mim, (casa 7 em virgem e casa 11 em capricórnio) é e sempre foi algo sagrado, construído ao longo de muitos e muitos anos. Não gosto de perder (acho que ninguém gosta), gosto de construir e fortalecer. Mas a vida é assim, não é? Talvez os alicerces não tenham sido bem estruturados... ou as bases foram muito ilusórias. Quem poderá dizer?

Eu já julguei muito as pessoas no passado, hoje bem menos. Receber um julgamento determinado de alguém sem direito a réplica e, pior, quando você responde e é simplesmente deixado no vácuo (todos os casos deste ano foram assim, respostas sem retorno) é um sinal claro de que as amizades não eram tão amigas assim, e eu preciso mesmo rever meu conceito de amizade e pensar no que eu quero de verdade para mim para os próximos anos.

O trânsito do planeta Plutão na minha casa 11 está me ensinando isso e eu quero aprender. Mas, devo dizer: dói.