O poema dos poemas

Tem algo que eu vejo quando olho seus olhos
que me faz lembrar todas as palavras que eu já disse
e me faz sentir todas as saudades vividas
todas as pessoas, todos os amores,
meus desejos mais secretos e minhas ânsias mais tímidas
e num instante ínfimo e grandioso, amplo e silencioso
tudo faz sentido.

Tem algo em você que eu sinto sem te tocar
que eu compreendo sem você perceber
são todas as palavras que eu nunca disse
querendo ser vociferadas
são todos os sentimentos que eu já senti
banhados no calor de sua alma pura, e eles me invadem
eles me completam, eles me curam
e nesse instante, eterno e fabuloso, mítico e mágico
tudo faz sentido.

Então, me toque e me deixe olhar você,
estas mãos duras e calejadas, estes olhos que tanto choraram
invada a minha vida, seja o meu bálsamo,
seja o princípio e desenhe o futuro comigo
pois com você eu enxergo a essência em tudo
eu retraço palavras repetidas e reinvento meus passos
pois em cada instante que nos conectamos
tudo faz sentido.

Então, me abrace e não me deixe partir,
pois este é o lugar que eu sempre procurei, que sempre quis estar,
o lugar onde meus medos não se ressentem mais
o lugar onde meus sonhos são a miríade das estrelas
e meu amor tem a força de mil dragões
e a delicadeza da mais singela e pequena flor,
esteja ao meu lado e transforme cada instante fugaz
em um eterno tempo presente
pois, com você, tudo faz sentido.

s2016e01

E começamos mais um ano: season 2016, episode 01.

Na última semana, tive o privilégio de viver cem milhões de sentimentos em um dia, em dois dias, em três dias. Como aquele game que você tanto joga e você não consegue mais ficar no nível fácil, você precisa ir pro mais difícil, só pra saber se vai conseguir ir até o fim.

A vida é meio assim. Não para todos, mas apenas para aqueles corações corajosos. Não podemos dar reset na vida e começar tudo de novo na hora que quisermos. Não podemos amassar o rascunho e começar uma folha nova. Mas podemos -- e devemos -- aproveitar cada situação: boa ou ruim, se esta é a vida que se apresenta diante de nós, de quê adianta fugir, deixar para depois ou mesmo fingir?

Creio que, pela primeira vez em muitos, muitos, muitos anos, eu me perdoei de verdade. Me perdoei pelas expectativas que criei de mim para mim mesma. Me perdoei pela perfeição que exigi de mim mesma. Me perdoei por errar e errar e continuar errando as mesmas coisas, sem saber os motivos, sem saber se havia objetivo, apenas tocando o barco adiante porque esse é o único movimento que as pessoas esperam, mesmo que estejamos nadando de um poço fundo e escuro.

Creio que, pela primeira vez, em muitos e muitos e muitos anos... eu entendi mais e julguei menos. Eu me deixei machucar sem revidar, eu me machuquei a ponto de quase não querer mais viver, eu joguei a toalha por não ter mais forças para lutar contra o meu próprio demônio -- eu mesma. A espiral para o fundo do poço é tão infinita quanto a espiral para sair dele. Os dois caminhos estão sempre diante de você, à sua disposição para você fazer o que quiser.

Não sei do meu futuro e não estou mais preocupada com aquilo que não posso nem nunca pude controlar. Não me preocupo se terei mais amigos que inimigos. Não me preocupo com que esperam de mim. Nada disso... a vida é um eterno jogo de liga pontos. E eu quero apenas continuar unindo pontinhos aparentemente sem conexão alguma e criar algo. Criação. A vida é criação!

A todos os meus leitores deste blogue, antigos ou novos, apenas desejo um ano de 2016 com mudança, reestruturação e coragem... muita coragem, muita ação, muita paixão em suas atitudes, muita força e objetivos concretos. 

Quero estar mais presente aqui, não importa o que esteja escrevendo. Estarei aqui. Firme, forte, feliz, positiva e cheia de ideias e ideais: o que sempre fui e sempre serei!

beijos a todos. Até breve!