E que o 2013...


Seja como nesta mensagem que li, de Jon Bon Jovi, uma vez. UM FELIZ 2013 a todos os leitores deste blogue! :)


"May your ship always sail
May your stars always shine
May your dreams all come true
With someone by your side
May your smile never fade
And your battles be won
May you stay young forever
And never give up
Live each day
What more can I say..."

Isabella Taviani e o último raio X de 2012: Teatro Rival

Demorou para eu escrever este post (o maior motivo deles: Corinthians campeão mundial 2012! rs) mas cá estou para deixar aqui registrado como foi a revelação do último raio X de Isabella Taviani neste ano. 

Dois dias de shows: 14 e 15 de dezembro. Cenário: Teatro Rival BR. Show de banda NOVA e completa e cenário completo. Tinha tudo para ser maravilhoso. Madrugada adentro do dia 14/12 só se lia no facebook a euforia dos fãs de como tinha sido o show. Eu iria conferi-lo apenas no dia seguinte.

Quando pisei no Rival, lembrei de como essa casa de show é maravilhosa. Agora, recordo, que a última vez que tinha estado lá foi em março de 2011, muito tempo! Nesse show, para quem não se lembra, teve a participação de Frejat formando um maravilhoso com IT. No dia seguinte, participação de Luiza Possi e Myllena

Nesta vez, foi a primeira apresentação do EU RAIO X no Rival. E ao entrar, eu já sabia porque seria lindo: ingressos totalmente vendidos para os dois dias. Muita gente ali querendo ter o privilégio de ver a Isabella como presente de Natal!

Primeiro destaque para o cenário menor, compacto, com as paredes totalmente forradas com os raios X enviados pelos fãs. Lindo. Segundo destaque: a banda nova. Que p*ta banda, que energia! Eis a banda nova: Felipe Melanio (ou Milenium, segundo a IT... rs), Lúcio Vieira (participação apenas nos dois shows do Rival), Arthur de Palla e Sérgio Morel. Deram a base para um IT rockeira nos apresentar o mais rock de todos os shows que já vi até hoje! :)

Todos cantaram intensamente, participaram ativamente... e a Isabella mais uma vez se entregou, se doou, lavou a alma e expurgou seus fantasmas e suas dores. Ela olhou para todos os cantos do Rival, cantando para cada um dos fãs ali presentes. Mais uma vez cantou "Castelo de Farsa" para a minha alegria! E aqui fica a pergunta: "Não vai mais cantar Mulher Sábia"? rs

 Cada vez que vou a um show de IT vejo que NENHUM é igual ao outro. Há um roteiro a ser seguido, mas Isabella é espontânea demais para se repetir. E os fãs reconhecem isso. Aplausos e mais aplausos para reconhecer essa artista única. Pois cada vez que vou a um show, vejo quadros e quadros pintados diante de meus olhos. E vejo mais um capítulo da história sendo escrito, ali, ao vivo.


Isabella, obrigada por sua entrega no palco, por seu amor, por sua energia, por suas canções. Obrigada por este maravilhoso 2012!!! Que o próximo ano seja coroado com mais shows esgotados, com parcerias novas, com releituras de canções inimaginadas e... com dvd! Tomara!

Para quem perdeu estes dois shows no Rival, nos dias 22 e 23 de fevereiro tem mais! Nos veremos, até lá! Compre no local ou no site do Ingresso.com. Meu álbum completo do show de sábado, no Rival, está aqui.

As pessoas são estranhas...

Ultimamente, o silêncio tem sido minha palavra de ordem. Por diversos motivos, tenho achado melhor ficar quieta a falar besteira, a falar sem necessidade, a gastar boa vontade -- essa, em geral, sempre desperdiçada.

Isso não é uma crítica direcionada a alguém específico da minha vida. Seria muito restrito e muito simples fazer isso. Mas fato é que poucas situações, poucos contextos e poucas pessoas me fazem ficar com vontade de verdade.

Quando você traz uma ideia nova, ela imediatamente é refutada. Quando você comenta algo que te anima, logo a seguir as pessoas te põe para baixo. Tem sido complicado criar uma simples conexão com as pessoas.

Tenho observado que as pessoas estão cada vez mais confusas, mais ciumentas, mais julgadoras do que nunca. Talvez seja um sinal dos tempos... a polaridade aumentou em níveis em que parece não haver nem mais amor, apenas ódio. É fácil odiar como ouvimos que costumava ser em tempos primitivos.

As pessoas, atualmente, parecem se relacionar cada vez mais por causa da parte "doentia" de suas consciências. O descartável está cada vez mais sendo aplicado aos relacionamentos humanos. Então, nos deparamos com algo, julgamos, condenamos, descartamos e aplicamos uma pena. Acabou aí. Ideologia é para poucos. E quando existe, é tão distorcida que assusta.

Não sei, exatamente, como lidar com esses tipos. Um dia a pessoa lhe fala como amiga mais íntima, depois, sequer te cumprimenta. Você precisa aprender a dançar entre a tênue linha das necessidades da sociedade e as suas necessidades. Você é obrigado a conviver com pessoas com as quais não têm assuntos em comum para conversar, mas mesmo assim, precisa criar um mínimo vínculo de coexistência. Você concorda com tudo o que dizem, porque se for contradizer, as discussões não são saudáveis, elas são disputas para ver quem está certo ou não.

Estou tão cansada de tudo isso... e tenho focado e apostado naquelas companhias que antes pareciam tão improváveis. Ou pessoas que incrivelmente continuam ao meu lado mesmo depois de ter visto meu pior lado. Isso é uma aposta que dá certo. O amor, a amizade, os sentimentos puros e reais são uma aposta que tudo pode dar certo.

Bem, escrevi mais um pequeno desabafo do que um post reflexivo sobre o assunto. Talvez reflita mais no futuro... ou não. Por hoje, é isso. Não estou triste... apenas me sentindo estranhamente estranha dentre tantas pessoas estranhas.

Mais uma vez Isabella Taviani... desta vez: Tom Jazz!

Não era para eu ir ao show da Isabella Taviani, no Tom Jazz, em São Paulo. Mas, os bons ventos conspiraram e eu pude estar lá. Graças a Deus!

Casa lotada, ansiedade grande. Tinha esquecido como era bom o clima intimista do Tom Jazz. Vi muitos rostos de muitos fãs que não tinha reparado antes. Vi várias carinhas familiares... e, mais uma vez, fui levada pelo mesma magia que preencheu o TMNIT quando Marcos Moletta começou a introdução, ao violino, de "Digitais".

Foi um show lindo. Foi lindo ficar observando como as pessoas cantam e assistem à IT. Foi o primeiro show em que não peguei na câmera para fazer nenhum registro, foi a minha irmã quem tirou as fotos. E assistir ao show, assim, é outra coisa. É apreciar os detalhes dos artistas no palco. É observar todos os fãs cantando, uns em lágrimas, outros efusivos... todos ali para curtir e apreciar a querida Isabella.

O setlist trouxe algumas surpresinhas reservadas para o dia em que a querida Myllena faria uma participação especial. E, confesso aqui: ver as duas cantando juntas "A imperatriz e a princesa" sempre me traz uma emoção tão grande que não resisto às lágrimas. É uma energia nítida evocada e emanada por elas, que não é uma mera interpretação de uma canção. Arrisco dizer que essa canção é uma pérola que será reconhecida como um ponto de referência no cenário musical brasileiro... um dia!

Queria agradecer à IT pela oportunidade de poder assistir a esse show, de poder ver -- pela primeira vez -- "Castelo de Farsa" ao vivo. Eu simplesmente amo essa música desde a primeira que a ouvi. Por uma noite maravilhosa. Por um show que nunca repete o anterior. Por shows que nunca são iguais uns aos outros. Por essa interpretação vocal em múltiplos ângulos e leituras que deleitam meus ouvidos. Muitos cantores -- com todo o devido respeito -- cantam em um único plano. IT é, no mínimo, 3D. Diria que são múltiplas dimensões.

Semana que vem tem mais. E os cariocas que lerem este post e não souberem do show de IT no Teatro Rival, sábado e domingo (14 e 15/12), por favor, comprem seus ingressos: show com banda completa. Imperdível!

Pequeno álbum completo desse show aqui.

Eu só queria escrever um poema...

Há dias eu quero escrever um poema.
Mas não tenho tema, não tenho rima, não sei o que dizer.
Estes dias estão duros.
Estes dias estão paradoxais.
Estes seres humanos tão egoístas.
Eu nunca vi tanta loucura assim.
Eu que já achei que tinha escrito sobre tudo, me vi nua.
Eu que pretensiosamente me calei.
-- não consigo me calar. Meu coração não se cala. Meus olhos observam. Minha mente voa.

Há dias eu quero escrever um poema.
Porque eu sinto falta da sensibilidade honesta das pessoas.
Sinto falta do perfume natural da primavera.
Não sei mais reconhecer as pessoas.
Nem as próximas, nem as distantes.
Parece tudo uma confusão. E eu me calo.
-- mesmo sem conseguir me calar direito. Algo em mim se silenciou. Serei eu?

Há dias quero escrever um poema.
E eis que no dia 28 de novembro eu leio um poema.
É daquela menina mais doce que conheci recentemente.
Seu nome é Lilian Aquino. E eu lembro. Lembro e sua doçura me toca.
Suas palavras me invadem. Penso e repenso. Me deixo sentir.
Tento voltar a me reconhecer.
Será?

Então, acho que consigo escrever um poema.
Para os dias quase mudos que vivo diariamente.
Não sei mais conversar com as pessoas.
Não sei suprir suas necessidades e carências.
Não sei fingir. Por Deus, isso dói.
Não sei, talvez, agir como a sociedade exige. 
-- seja lá o que isso for.
Não sei. E me calo nessa frase.

Mas, insisto. E eis-me aqui escrevendo. Porque não sei fingir.
Eu não sei fingir a melancolia que não sinto.
Eu não sei fingir a efusão adolescente tardia.
Eu não sei fingir gostar de brincar de vida virtual.
Eu não sei fingir. E isso me faz de mim uma farsante às avessas.
Porque simplesmente não entendo tanta coisa.
Não entendo as redes sociais.
Não entendo a vida social.
Não entendo a necessidade de afagar egos doentios.
Não entendo a necessidade de agradar o outro apenas para não ficar só.

Tentei resistir, não sei se consegui.
São algumas palavras...



(tentativa de poema totalmente dedicada à doce e querida Lilian Aquino).