Do que é verdade...

Pessoas que só vivem para a caridade alheia me assustam. Não estou defendendo o egoísmo, eu simplesmente acredito no equilíbrio das ações.

Pessoas que falam e falam e agem tão pouco, ou quase nada. Quando agem, é para deixar a corda estourar no lado mais fraco. Bem, isso não é novidade,  mas é algo que ainda me assusta e me entristece. Coragem não é vociferar aos quatro ventos, mas é agir em silêncio, sem holofotes, sem reconhecimento, sem agradecimento público. Coragem é simplesmente ser.

Pessoas carismáticas me encantam em um nível inenarrável. Pessoas carismáticas e espontâneas então... espontaneidade e carisma são afrodisíaco raro. As pessoas gostam de caras pastéis, sentimentos pastéis, atitudes pastéis... tudo naquele mesmo tom semibege que não agride nem retrai, existe sem se destacar, passa despercebido até do próprio tom pastel em si. Observação: nada tenho contra tons pastéis, acho o azul bebê lindo. Mas confesso que sem o vermelho, o preto e o laranja a vida não teria graça.

O dia está bonito hoje. De um azul puro, pós-chuva, prenúncio de chuva mais tarde, brigadeiro cheio de nuvens salpicadas como torrões de açúcar caídos. Quero este mundo novo (mesmo com gosto de velho) que se reinventa. Esta é a vida. Esta é a verdade. Esta é a vontade. Este é o DESEJO.

A verdadeira habilidade de viver sem perder as esperanças, a crença, a singularidade, a honestidade, a inocência e a ingenuidade. Estou voltando a viver, simplesmente, outra vez.