Batendo à porta dos 40

(In)felizmente, este blogue sempre abrigou todas as palavras do meu coração: tristes, alegres, reflexivas, finais, decisivas... cada palavra dita e digitada sempre foi (e sempre será) reflexo puro do meu ser humano - espiritual e físico.

Este ano completarei 40 anos de idade. Não estarei mais na casa do trinta e poucos, agora será dos "-enta" em diante. Eu gosto de marcos. Aprecio datas decisivas. Elas têm o sabor de efemérides pessoais, algo que a maioria não leva muito a sério. 

As primeiras reflexões que me vêm à cabeça pensando nesses 40 quase chegando dizem respeito às convicções que sempre tive e que sempre defendi veementemente. Não é clichê afirmar que pouco resta daquilo tudo que sempre acreditei. Precisamos nos pautar e nos orientar sempre a partir de alguma crença, mas como acreditar numa crença mesmo sabendo de sua fragilidade e que ela pode cair a qualquer momento? Você, ainda assim, acreditaria nela?

Eu ainda tenho minhas crenças e convicções, isso não mudou. O que mudou foi a maneira como eu lido com elas. Aprendi deixar ir, quando algo ou alguém precisa ir. Parece fácil, mas não é. Temos nossos apegos, nossas carências e a sensação de vazio e casa sem estrutura quando algo (ou alguém) que sempre pareceu certo em nossa vida, de repente (mas nem tão repentinamente assim) se vai. E foi. Para nunca mais voltar.

Aprendi também a lidar sozinha com minha saudade de tudo que se foi. Pois se foi, não mais voltará. Restam as lembranças boas de um momento único que nunca mais voltará. É aquele momento ido, específico, daquele dia, daquele ano... que não voltarão mais. Você pode desejar ardentemente reconstruir aquele instante, mas ele não existirá mais além de suas lembranças.

Aprendi também a não insistir onde não há fio de resistência. As coisas e as pessoas não são descartáveis mas quando vivemos num mundo onde tudo é descartável, ser acumulador é um risco desnecessário e o preço a ser pago muito ser alto para viver entre a sanidade e a loucura. Então. eu digo, 'live and let live'.

E a gente segue aprendendo a viver a vida sem os parâmetros e clichês da sociedade, em sua maioria, capitalistas e católico-cristão: casar, ter filhos, ter casa, comprar carro, tirar férias uma vez por ano, discutir os detalhes minimalistas de viver a vida da família doriana. Ninguém nos diz que devemos falar menos e agir mais, desenvolver empatia, sermos mais humanizados, diminuir a diferença preconceituosa que existe em cada um de nós, valorizar mais o espiritual e menos o material.

Mas continuamos nosso foco nas aparências: ter uma boa aparência asseada é importante mas... já faz um bom tempo que a casca não me importa mais (exceto uma boa casca crocante de pão fresco). Como não somos cebolas ou pães, chegamos ao último ponto de reflexão: estou aprendendo a conviver com tudo que sempre esteve ao meu redor, fazendo as mudanças necessárias (mais internas do que externas) e compreendendo que o mundo anda sombrio e só cabe a mim mesma as minhas escolhas e as consequências delas.

Até breve!