lição para a vida

Acabei de ler no twitter do Paulo Coelho. Sim, ele mesmo! E não me interessa saber o que ele escolhe fazer da vida dele... o que me interessa é ler o que li, e aqui compartilho com vocês:
"It is easy to be hater. Go for the difficult task: to be a lover."

frase do momento

Alguns homens veem as coisas como são e dizem 'Por quê?' Eu sonho com as coisas que nunca foram e digo 'Por quê não?'-- George Bernard Shaw

Isabella Taviani no Teatro Abril - má-gi-co

Faz apenas algumas horas desde o show da minha ídola Isabella Taviani, no Teatro Abril. Mas eu precisava escrever tudo isso antes de ir dormir. Não estou com adrenalina, estou com uma sensação que há muito não sentia... e ainda não sei descrever.




Minha opinião, mas este show foi o melhor dela, neste ano. Por que? Porque, pela primeira vez, não tinha fãs afoitos (o que é compreensível, mas nem sempre admissível) gritando por toalhas, palhetas, etc etc etc... Havia uma plateia que queria ver a cantora cantar: o essencial, certo? Mas, na opinião desta modesta pessoa, esse essencial estava perdido em algum lugar...

Isabella não estava 100% bem. Era nítida a sua concentração para não perder a voz, não desafinar... (tossiu algumas vezes e confesso que fiquei com medo dela estourar a garganta, tal qual aconteceu com Adele [história contada pela Jeane]). Nesse momento, confesso ter ficado tensa. Ela moderava a voz para dar um agudo que ninguém diria que ela conseguia. Mas, IT é IT, certo?

O repertório seguiu praticamente as mesmas músicas desde o primeiro show da turnê EU RAIO X, mas desta vez, Myllena não esteve presente e IT não cantou "A Imperatriz e a Princesa". No lugar, a clássica, e não menos imprescindível, "Iguais".

O Teatro Abril é uma casa maravilhosa para shows. Confortável, bem localizada, com ar-condicionado que funciona e seguranças com caras feias, mas educados. Sentei na primeira fila, ali no meiozinho de tudo, e confesso aqui algo que nunca tinha vivido: toda vez que a Isabella se aproximava da beira do palco, eu sentia o seu perfume. Perfume esse que ela disse que nunca irá revelar qual é, mas que eu já senti inúmeras vezes quando ela nos recebia no camarim. Essa coisa cinestésica, confesso, me envolveu de forma única!

Desta vez não pude ficar para a tradicional foto com abraço no camarim. É claro que eu gostaria muito... quem sabe no Rival? Mas ela sabe que eu estive lá. Fiz fotos maravilhosas... pude ser testemunha de um show onde as pessoas queriam vê-la cantar unicamente, com educação e respeito aos outros... que mais posso dizer? Obrigada, IT, por mais este presente para esta sua eterna fã!

Crítica: Gordon Ramsay - Chocolate Amargo

Então, caros leitores deste blogue, terminei ontem de ler a autobiografia de Gordon Ramsay: Chocolate Amargo. Durante a leitura fiz várias notas mentais do que queria comentar aqui, mas esta frase é imprescindível para começar este post:

"Quem é Gordon Ramsay, afinal de contas?"

Bom, se vocês não sabem, Gordon Ramsay é um conceituado chef de cozinha inglês. Atualmente, ele tem alguns reality shows que passam no canal americano Fox como Hell's Kitchen, Kitchen Nightmares, MasterChef, The F Word, Hotel Hell, dentre outros -- muitos deles são conhecidos e vistos aqui no Brasil.

Eu conheci Gordon na série Kitchen Nightmares. E me encantei (mesmo!) com o seu sotaque britânico, com seu temperamento explosivo, mas, e especialmente, com sua habilidade descomunal em transformar pessoas, extrair o melhor delas e enxergar o diamante escondido mesmo nas pedras mais obtusas e obscuras.

Recentemente, apenas, descobri esse autobiografia escrita por ele. E a devorei em questão de dias. Conheci o lado obscuro que toda personagem inspiradora tem. A crueza com que Gordon fala de sua própria realidade é a mesma com que ele fala com as pessoas nas cozinhas por onde ele passou. Gordon é o seguinte: ou você ama, ou você odeia. Eu sempre prefiro ficar com o lado bom inerente a cada ser humano. E Gordon Ramsay, admito, me inspirou e continuará sempre me inspirando!

O livro é uma leitura fácil, rápida através de todos os labirintos da vida dele. Se hoje em dia ele é famoso, ele fez e traçou todos os caminhos. Nunca vi uma pessoa tão obstinada em não perder o foco. Ele nunca desistiu em nenhuma de suas empreitadas! Erros muitas vezes, mas nunca desistiu!!!

Indico a leitura para quem gosta de gastronomia/culinária e, provavelmente, conhece ele. Também é indicado para quem gosta de autobiografias/biografias. E, principalmente, é indicado para quem gosta -- como eu -- daquelas histórias maravailhosas de superação. Esta é uma daquelas histórias de inspirar até o mais passivo e alienado dos seres. E a observação final que deixo é: Gordon é um grosso, chato e perfeccionista? Sim. Mas foi por ser assim que ele sobreviveu no acirrado e insano mundo da gastronomia para mostrar verdadeiramente ao mundo a que veio. 

Trilha sonora do momento - We Weren't Born to Follow

Bon Jovi - We weren't born to follow. Porque não sei vocês, mas eu não nasci pra seguir ninguém!!!




This one goes out to the man who mines for miracles
This one goes out to the ones in need
This one goes out to the sinner and the cynical
This ain't about no apology
This road was paved by the hopeless and the hungry
This road was paved by the winds of change
Walkin' beside the guilty and the innocent
How will you raise your hand when they call your name?
Yeah, yeah, yeah

We weren't born to follow
Come on and get up off your knees
When life is a bitter pill to swallow
You gotta hold on to what you believe
Believe that the sun will shine tomorrow
And that your saints and sinners bleed
We weren't born to follow
You gotta stand up for what you believe
Let me hear you say yeah, yeah, yeah, oh yeah

This one's about anyone who does it differently
This one's about the one who curses and spits
This ain't about our livin' in a fantasy
This ain't about givin' up or givin' in
Yeah, yeah, yeah

We weren't born to follow
Come on and get up off your knees
When life is a bitter pill to swallow
You gotta hold on to what you believe
Believe that the sun will shine tomorrow
And that your saints and sinners bleed
We weren't born to follow
You gotta stand up for what you believe
Let me hear you say yeah, yeah, yeah, oh yeah
Let me hear you say yeah, yeah, yeah, oh yeah
Guitar!

We weren't born to follow
Come on and get up off your knees
When life is a bitter pill to swallow
You gotta hold on to what you believe
Believe that the sun will shine tomorrow
And that your saints and sinners bleed
We weren't born to follow
You gotta stand up for what you believe
Let me hear you say yeah, yeah, yeah, oh yeah
Let me hear you say yeah, yeah, yeah, oh yeah
We weren't born to follow, oh yeah
We weren't born to follow, oh yeah

Feliz Aniversário, Isabella Taviani!

Hoje é 08 de outubro, dia em que muitas pessoas de libra nasceram no mundo... mas, em especial, a minha cantora favorita, especial, ídola-mor no Brasil: Isabella Taviani.

Não vou dizer nada de novo que nenhum fã já não deva ter dito. Não me atreverei a querer ser ousada... porque o que importa é a energia positiva reunida de tantas e tantas partes do Brasil... do mundo.

Aqui, o que posso desejar é que a sua alma artística nunca deixe de se manifestar. Que continue escrevendo canções lindas que nos emocionam das mais diferentes formas. Que continue sendo forte para enfrentar todas as energias contrárias. Que continue, assim, magnânima e humilde... e que nunca deixe de cuidar tão bem de seus fãs.

FELIZ ANIVERSÁRIO, IT! Que o Universo sempre conspire para que todos os seus sonhos se tornem realidade. E que você NUNCA deixe de ouvir seu coração e seu intuição.

beijo desta fã que nunca te abandonará.

Há um ano atrás...

Gosto de dar um passo no passado, como faço agora, para poder vislumbrar melhor o presente e projetar o futuro.

Há um ano atrás... quanta coisa... quanta coisa aconteceu. Quanta coisa acontecia numa velocidade inimaginada. Se eu soubesse tudo que viria depois, me pergunto, teria me atirado em tanta dor? Teria me testado tanto a ponto de começar a pensar em desistir da vida? Teria feito as escolhas que fiz?

Não dá para saber. Àquela época, eu vivi o que achei que dava para viver. Escolhi mesmo sem saber como escolher. Tomei decisões... certas ou erradas, não importa. Agora sou o resultado de tudo que vivi... há um ano atrás.

Terminei amizades que achei que seriam eternas, porque afinal, achava que amizade era amizade. Mas, com o tempo você aprende que mesmo as amizades mais amigas um dia precisam partir. Não interessa saber o porquê ou tentar justificar a ida: ir, em muitas vezes, é a melhor maneira.

Meu relacionamento terminou conturbado: desestruturou minha vida. Fui obrigada a criar novos horizontes. Tive de retornar a coisas impensadas. Foi a mais dura e triste situação que tive de encarar.

Mas...

Hoje, um ano depois, nem em sonhos mais insanos eu poderia prever que estaria aqui escrevendo para vocês.

Sempre fui uma sobrevivente... e acima de tudo, uma lutadora. Enfrentei minhas próprias intempéries trazendo um foco e uma força que não sei de onde vieram. Quer dizer, eu sei. Vieram de mim mesma.

Enfrentei os meus fantasmas, os meus monstros, os meus medos... e ainda tenho vários deles aqui, querendo pregar peças em mim. Mas sempre procurei ouvir minha intuição, meu coração, minha alma. Estando à margem de meu abismo, escolhi sempre o caminho oposto. Não é fácil... mas é a única opção que devemos desejar, mesmo quando não tivermos mais força para mais nada.

Cresci e amadureci muito nesse processo. Os amigos se foram, outros amigos vieram. Muitos amigos ratificaram o sentido único da palavra amizade. Voltei com o meu amor e redescobrimos juntas que, juntas, encontramos mais sentido do que separadas. Voltei e redescubro a cada segundo os motivos de nosso amor se fortalecer a cada dia que se passa. Voltamos e a cada desafio que superamos, entendo que tudo que vivi o ano passado foi o mais valioso aprendizado que precisava viver.

Então, para você leitor, caso esteja vivendo um momento ruim, eis a dica: tudo é aprendizado. Mesmo que você relute em aceitar, essa é a maior e máxima verdade que teimamos em não aceitar. Cada escolha, cada dor, cada alegria, cada frustração, cada sorriso, cada lágrima, cada segundo parado, cada surpresa... tudo é lição que vai te levar a um outro caminho, a uma outra lição.

Não vai ser fácil, em muitos momentos você vai desejar jogar a toalha, simplesmente desistir. Mas pense nisso: qual outra razão de viver, senão o desafio constante de você se reconhecer em quem você é. Aprender com isso. Desprender-se do que não presta. Terminar, partir para outra. E voltar a aquilo que é mais importante: ser quem você é, quem você nasceu para ser e aquilo que fará para o mundo.