Crítica: Gordon Ramsay - Chocolate Amargo

Então, caros leitores deste blogue, terminei ontem de ler a autobiografia de Gordon Ramsay: Chocolate Amargo. Durante a leitura fiz várias notas mentais do que queria comentar aqui, mas esta frase é imprescindível para começar este post:

"Quem é Gordon Ramsay, afinal de contas?"

Bom, se vocês não sabem, Gordon Ramsay é um conceituado chef de cozinha inglês. Atualmente, ele tem alguns reality shows que passam no canal americano Fox como Hell's Kitchen, Kitchen Nightmares, MasterChef, The F Word, Hotel Hell, dentre outros -- muitos deles são conhecidos e vistos aqui no Brasil.

Eu conheci Gordon na série Kitchen Nightmares. E me encantei (mesmo!) com o seu sotaque britânico, com seu temperamento explosivo, mas, e especialmente, com sua habilidade descomunal em transformar pessoas, extrair o melhor delas e enxergar o diamante escondido mesmo nas pedras mais obtusas e obscuras.

Recentemente, apenas, descobri esse autobiografia escrita por ele. E a devorei em questão de dias. Conheci o lado obscuro que toda personagem inspiradora tem. A crueza com que Gordon fala de sua própria realidade é a mesma com que ele fala com as pessoas nas cozinhas por onde ele passou. Gordon é o seguinte: ou você ama, ou você odeia. Eu sempre prefiro ficar com o lado bom inerente a cada ser humano. E Gordon Ramsay, admito, me inspirou e continuará sempre me inspirando!

O livro é uma leitura fácil, rápida através de todos os labirintos da vida dele. Se hoje em dia ele é famoso, ele fez e traçou todos os caminhos. Nunca vi uma pessoa tão obstinada em não perder o foco. Ele nunca desistiu em nenhuma de suas empreitadas! Erros muitas vezes, mas nunca desistiu!!!

Indico a leitura para quem gosta de gastronomia/culinária e, provavelmente, conhece ele. Também é indicado para quem gosta de autobiografias/biografias. E, principalmente, é indicado para quem gosta -- como eu -- daquelas histórias maravailhosas de superação. Esta é uma daquelas histórias de inspirar até o mais passivo e alienado dos seres. E a observação final que deixo é: Gordon é um grosso, chato e perfeccionista? Sim. Mas foi por ser assim que ele sobreviveu no acirrado e insano mundo da gastronomia para mostrar verdadeiramente ao mundo a que veio. 

Nenhum comentário: