Comparação

Somos pequenos, porque nos comparamos uns aos outros de acordo com o dinheiro que ganhamos; com coisas que compramos -- ou deixamos de comprar; com família e amores que temos -- ou nunca conseguimos ter. Por que não nos comparamos de acordo com a transmutação interna que somos capazes de realizar. Ou melhor: por que nos comparamos?

O poder da comunicação - parte 1

Uma das coisas que mais fiz no meu período de silêncio foi observar as pessoas conversando. E com uma tristeza -- menos surpresa, ainda -- constatei que as pessoas não gostam de conversar. Elas gostam de ter razão.

Qual é a sua concepção de conversa? Para muitos, penso eu, deva ser uma espécie de luta de arena com palavras. Quem tem o melhor argumento? Quem consegue dar um exemplo mais impensado? Quem consegue falar mais? Quem consegue falar mais alto? Ficar em silêncio, nesse caso, é sinônimo de fazer de seus ouvidos um belo pinico.

Aí fiquei pensando por que as pessoas precisam tanto ter razão? Qual é a necessidade de fazer o outro de pinico? Qual é a real necessidade de falar mais que o necessário? De chamar atenção? De precisar tanto ter razão? De fornecer todas as respostas para as perguntas que ainda nem foram feitas?

Fiquei pensando... e continuei observando. Pois, para mim, se uma pessoa quer ter razão, ela que converse sozinha. Gosto da ideia de conversa como sinônimo de troca saudável. Você pode até saber mais de um determinado assunto que o outro e pode nem ter a vontade consciente de querer mostrar isso para ele. Mas vai acabar dizendo -- de uma maneira ou de outra -- que você, sim, sabe mais e quer, sim, se sobressair em relação ao seu interlocutor.

Por que as pessoas não podem simplesmente discorrer como se não fosse o último minuto da face da Terra? Por que as pessoas não sabem mais ouvir e calar?

Por exemplo, pessoalmente, não consigo conviver com quem fala e não sabe ouvir. Na minha modesta opinião, as duas coisas têm o mesmo peso e a mesma medida. Me diga que amigo você acredita que alguém possa ser se a pessoa não te ouve? Que tipo de relacionamento você acha que é criado num quadro em que uma das partes fala mais que a outra? Como você chamaria isso?

Então, arrisco dizer que o grande problema da humanidade (em relação a isso) é carência. SIM! CARÊNCIA. As pessoas são carentes. Uns mais, outros menos. E o que seria ser carente? Também temos vários tipos mas, em suma, um carente é um frustrado. Frustrado porque queria ter algo e não tem. Por não ter, fica uma "lacuna". E essa lacuna, na maior parte das vezes, é preenchida da pior maneira possível...

Mas somos frustrados porque escolhemos? Claro que não! Somos esmagados por uma demanda social impetuosa que não tem compaixão com os fracos, com os que erram, com os que têm dúvidas. Ela se blinda de gentil mas te dilacera. Há exceções? CLARO, ainda bem! Mas aqui não falarei das exceções.

Não é nos permitido correr atrás dos sonhos como escolha própria. Temos, sempre, todas as outras prioridades na frente. A vida financeira. A vida material. A vida amorosa. Fazer aquilo que gostamos ou sentimos vontade de fazer é sempre corrompido pelo que os outros esperam que a gente faça. E aí, nos frustramos. E aí, ficamos carentes. E imagina, então, uma massa gigantesca gerando uma energia de carência uns sobre os outros? LOUCURA.

Quero falar mais, mas deixarei o resto para a segunda parte, que escrevo amanhã. Por enquanto, reflitam comigo: que tal se não despejássemos nossas carências no outro e, ao contrário, fizéssemos o teste de ouvir nosso silêncio interior. Ele sempre tem MUITO a dizer.

Crisantemus: o retorno

Muito tempo de silêncio... e eu já nem sabia mais o porquê. Talvez, sim, soubesse que precisava me calar para  ouvir a voz interior. O velho papo de sempre. Papo PERFEITO, aliás.

Nesse meio tempo, algumas pouquíssimas pessoas souberam me compreender. Não porque eu exigisse alguma compreensão.. mas você percebe quando a água suja decanta. Eu era uma água suja que, decantada, vem aqui comentar a amizade sincera desse momento específico que passei.

Claudia Bertrani, Maria Helena, Barufi, Fafá Barbalho... Jana -- sempre! Essa fase foi mais agradável porque vocês estiveram presentes... obrigada.

E pensando em novos posts.. aguardem!

E que o outono traga temperaturas mais amenas!

A canção que faltava (NOVA MÚSICA) - Isabella Taviani

Se você, leitor querido, ainda não teve a oportunidade de sintonizar na rádio carioca JB FM e ouvir o primeiro single do mais novo cd da queridona Isabella Taviani, tem duas opções: ou sintoniza na rádio para ouvir essa belíssima canção, ou clica no link abaixo para conferir a versão para mp3 que eu fiz do meu próprio vídeo feito no show em Niterói, quando ela cantou essa música pela primeira vez, em um show.
O novo cd será lançado no fim deste mês. A previsão é de muitos pockets no Brasil inteiro para divulgação do trabalho. O show de lançamento do cd será em 26 de maio, no Citibank Hall, no Rio de Janeiro.
Ansiedade batendo forte! :)
"> A canção que faltava by Isabella Taviani on Grooveshark


Refletindo...


Coisa boa: ver pessoas jogando polêmicas, esbravejando opiniões tácitas e contundentes... e eu plácida, observando. Pensando: "como já fui assim" e refletindo: "como ser assim não tem serventia nenhuma no mundo."


A gente sofre pra ter razão nas conversas, em geral, das mais comuns. Razão pra quê? Julgar e achar culpados é tão fácil. Colocar-se de verdade no lugar do outro... ah! Isso ninguém quer fazer.

A necessidade da culpa

De uns dias para cá, me peguei pensando no lance da culpa que as pessoas precisam sentir. Elas propagam a culpa. Todos somos culpados por alguma coisa, direta ou indiretamente. Fora as culpas que jogamos nas pessoas para aliviar as nossas próprias e, assim, ignorantemente, pensar que estamos numa corrida com revezamento, em que passamos o "bastão" da culpa para outra pessoa para chegar na frente de outras pessoas? Como assim? Pára... e pensa um pouco.

Nossa sociedade tem muito incutida na cabeça a ideia generalizada e mal-interpretada da ação e reação.  E, se você erra, seja cometendo um erro para si próprio ou em detrimento de outrem, carregar "a culpa" parece uma forma muito manquitola de falsa caridade querendo mostrar às pessoas que "sim, sou culpado, me chicoteiem, porque pequei."

Esse "culpado" sente prazer em sentir culpa. Claro que ele não raciocina dessa forma, mas em suma é assim que ele pensa. Lembrar com lamúria das coisas erradas que ele fez e não consegue fazer diferente. Pedir constantemente desculpas e perdão (outra atitude manquitola) mas sem -- de fato -- transformar o sentimento em ação. Ou, se agir, pensar que agindo assim, as pessoas têm a obrigação de dar-lhe o óleo do perdão, porque ele é humildemente assumiu seus erros.

As pessoas, cada vez mais, estão perdidas em seus pensamentos. Envoltas em muitas névoas de confusão, pré-conceito, preconceito, autojulgamento e falsa caridade.

Estou dizendo isso, porque tenho convivido muito com a questão da "culpa". E, conversando com as pessoas, não consigo simplesmente expor a ideia de que culpa não serve para nada, nem como cicatriz para te lembrar do que aconteceu um dia. A culpa é um veneno poderoso e perigoso, que mata silenciosamente. O ideal é transformar a "culpa" em ação direta. Primeiro -- antes de TUDO -- para si mesmo. Porque quem não se perdoa, não é capaz de perdoar a ninguém. Segundo, lembrar-se de que todos somos seres errôneos, aprendendo na mesma escola. Ninguém é melhor que ninguém, em nenhum sentido, NUNCA.

Portanto, querido leitor, antes de culpar alguém ou de se autoculpar, pense: ninguém é melhor que ninguém, isso é coisa da SUA cabeça. Reflita com o coração.

A lição do julgamento

Olá queridos leitores deste (NÃO) esquecido blogue! :)

Um longo tempo de ausência se fez. Não tive motivos específicos. Apenas um desejo de ficar em silêncio. De medir as poucas palavras que proferia. De escolher quem ouvir. Essas coisas básicas minimamente necessárias ao ser humano.

Já venho a algum tempo refletindo sobre a questão do julgamento. Sobre como somos ignorantes ao apontar o dedo, ao apontar os defeitos. Aqui, diante deste blogue, diante de cada um dos meus leitores, eu venho admitir: eu sempre fui uma IMENSA julgadora. Daquela que sempre acreditou ter o poder da balança vendada em minhas mãos.

Quantos erros cometi... perdi as contas. Errei muito.E fiz coisas muito feias ao julgar, ao me colocar em posição de suposta superioridade. Ao selar tantas palavras, tantos sentimentos. Tenho plena ciência de tudo o que cometi no passado.

Ao mesmo tempo sei que tenho alguns resgates a cumprir e alguns julgamentos para passar. Aceito-os de coração aberto. Peço perdão a quem magoei. E caminho de braços abertos, sem temer e aceito a colheita daquilo que plantei um dia.

O que somos? Somos seres humanos... vivendo, aprendendo, errando, aprendendo, errando de novo. Eu já errei muito e me policio diariamente para não cometer os mesmos erros.

Mas há uma verdade, infelizmente, muito real para os dias de hoje. Fica aqui como frase de reflexão para vocês: você pode ter mil maneiras de falar A. Se a pessoa não quiser (ou conseguir) entender, ela vai interpretar o alfabeto inteiro, mas sem nunca entender o A que você disse o tempo todo. O que fazer diante disso? Recuar humildemente, calar-se e esperar o tempo. Pois esta decisão não cabe mais a você.