O poder da comunicação - parte 1

Uma das coisas que mais fiz no meu período de silêncio foi observar as pessoas conversando. E com uma tristeza -- menos surpresa, ainda -- constatei que as pessoas não gostam de conversar. Elas gostam de ter razão.

Qual é a sua concepção de conversa? Para muitos, penso eu, deva ser uma espécie de luta de arena com palavras. Quem tem o melhor argumento? Quem consegue dar um exemplo mais impensado? Quem consegue falar mais? Quem consegue falar mais alto? Ficar em silêncio, nesse caso, é sinônimo de fazer de seus ouvidos um belo pinico.

Aí fiquei pensando por que as pessoas precisam tanto ter razão? Qual é a necessidade de fazer o outro de pinico? Qual é a real necessidade de falar mais que o necessário? De chamar atenção? De precisar tanto ter razão? De fornecer todas as respostas para as perguntas que ainda nem foram feitas?

Fiquei pensando... e continuei observando. Pois, para mim, se uma pessoa quer ter razão, ela que converse sozinha. Gosto da ideia de conversa como sinônimo de troca saudável. Você pode até saber mais de um determinado assunto que o outro e pode nem ter a vontade consciente de querer mostrar isso para ele. Mas vai acabar dizendo -- de uma maneira ou de outra -- que você, sim, sabe mais e quer, sim, se sobressair em relação ao seu interlocutor.

Por que as pessoas não podem simplesmente discorrer como se não fosse o último minuto da face da Terra? Por que as pessoas não sabem mais ouvir e calar?

Por exemplo, pessoalmente, não consigo conviver com quem fala e não sabe ouvir. Na minha modesta opinião, as duas coisas têm o mesmo peso e a mesma medida. Me diga que amigo você acredita que alguém possa ser se a pessoa não te ouve? Que tipo de relacionamento você acha que é criado num quadro em que uma das partes fala mais que a outra? Como você chamaria isso?

Então, arrisco dizer que o grande problema da humanidade (em relação a isso) é carência. SIM! CARÊNCIA. As pessoas são carentes. Uns mais, outros menos. E o que seria ser carente? Também temos vários tipos mas, em suma, um carente é um frustrado. Frustrado porque queria ter algo e não tem. Por não ter, fica uma "lacuna". E essa lacuna, na maior parte das vezes, é preenchida da pior maneira possível...

Mas somos frustrados porque escolhemos? Claro que não! Somos esmagados por uma demanda social impetuosa que não tem compaixão com os fracos, com os que erram, com os que têm dúvidas. Ela se blinda de gentil mas te dilacera. Há exceções? CLARO, ainda bem! Mas aqui não falarei das exceções.

Não é nos permitido correr atrás dos sonhos como escolha própria. Temos, sempre, todas as outras prioridades na frente. A vida financeira. A vida material. A vida amorosa. Fazer aquilo que gostamos ou sentimos vontade de fazer é sempre corrompido pelo que os outros esperam que a gente faça. E aí, nos frustramos. E aí, ficamos carentes. E imagina, então, uma massa gigantesca gerando uma energia de carência uns sobre os outros? LOUCURA.

Quero falar mais, mas deixarei o resto para a segunda parte, que escrevo amanhã. Por enquanto, reflitam comigo: que tal se não despejássemos nossas carências no outro e, ao contrário, fizéssemos o teste de ouvir nosso silêncio interior. Ele sempre tem MUITO a dizer.

Um comentário:

Cristina Kok disse...

Sem querer convencer, não haveria um tanto de vaidade nessa receita?

beijos