Angústia


Chegou esta hora
como em tantas vezes repetidas antes
de sentir o gosto amargo de existir
no vácuo de uma outra existência,
de amar os amores como uma obrigação
de exigir tanto dos outros
uma perfeição imposta
que não é mais defeito, e sim, virtude.

E no vazio existencial desta hora,

eu queria me vomitar de mim mesma
por Deus, eu apenas queria saber
que eu poderia desistir de mim
como descartar embalagens no lixo
mas cada cicatriz adquirida não desaparece
ela subsiste como uma doença incurável.

Nesta hora, eu contabilizo as horas idas e vindouras

eu tomo café, eu fumo, eu rôo as unhas
se eu pudesse eu cortaria as veias
se eu pudesse eu teria um orgasmo
se eu pudesse eu pularia 30 andares
mas eu existo em mim mesma, uma coexistência horrenda,
eu me sinto saturada
eu apenas queria pôr para fora
todo este pus podre que corre dentro de mim.

Mas, eu durmo, eu acordo, eu trabalho, eu converso

eu digo que sei, eu presumo que sei, e eu não sei
eu sorrio para as pessoas porque não posso ser eu mesma
eu sorrio para as pessoas porque não posso matá-las
eu sorrio para as pessoas porque a lei da vida
é a lei da falsidade
esta é a maior virtude não divulgada pelo ser humano.

Pois tudo o que as pessoas dizem sobre serem sinceras…

é mentira.
Pois tudo o que as pessoas dizem sobre gostarem de pessoas sinceras…
é mentira.
Pois tudo que todos dizem sobre tantas coisas…
é mentira.
A vida é esta, quase uma falsidade, de tanta mentira.

Eu simplesmente tento entorpecer os meus sentidos

com as drogas da auto-ajuda e do autoconhecimento
para voltar para a vida e para as pessoas que convivo
e tentar compreender que os seres humanos são falhos
que a vida é falha em cada segundo de sua existência
que ninguém assume seu egocentrismo egoístico
para sorrir para os outros com a bondade putrefata
de uma alma vazia e ignorante.

Pois, esta sou eu.

Sim, esta sou eu. Eu faço parte deste teatro diário
que é viver a vida entre outros seres humanos.
Sorrir e enganar a si próprio. Sorrir e enganar os outros.
Blá–blá–blá… não é isso o que realmente importa?
Aí, eu virei com aquele discurso ridículo
“eu tentei, tentei e tentei…”
para comprar uma arma e sair matando meia dúzia
um sonho real sem remorsos
por que todos merecem uma chance
se ninguém compartilha essa chance com ninguém?

A vida amontoa um monte de perguntas…

que vão criando pó no canto obscuro da sua mente
até chegar uma hora, qualquer,
que as perguntas são revolvidas
por causa, sempre, de um ser humano idiota
que faz pré-julgamento de você
ou que te julga por coisas que você fez séculos atrás
ou por aquele ser humano que diz que confia
mas vira as coisas sem lhe dizer adeus
ou que olha em seus olhos, para rir sarcasticamente,
para jogar toda a culpa dos problemas do mundo em você.

A vida não é um espetáculo ridiculamente imbecil

de gente que se diz preocupada com outro
mas quer apenas comprar o próprio lugar
no panteão suposto de um paraíso de um deus qualquer,
a vida em sociedade é uma novela indigesta
cheia de personagens ignorantes não por burrice
mas por pobreza espiritual… ou dos idiotas
que se dizem autoconhecedores mas se valem dos outros
para testar seus supostos conhecimentos
e espalhar testes ridículos, quando, na verdade,
estão agindo como aqueles médicos
que matam uns mil para salvar uns milhares depois.

Esta é a minha hora de angústia,

em que eu me sento em qualquer lugar
para pensar em uma coisa, mas acabo retornando
ao velho fardo que deixei para trás…
ao espelho que abandonei numa curva…
aos erros e aos acertos que nunca se equilibram na balança
às pessoas que conheço que eu fiz chorar
e a todas as inúmeras que apenas me condenam sem justificar
esta é a minha vida.

Nada faz sentido e, ainda assim, assume sentido

irreal sentido
de se apresentar assim, semi-pronto para a vida
apenas para dizer que fez alguma coisa
apenas para deixar uma marca indelével na vida de alguém.

Eu juro que estou tentando… eu juro que nunca cansei de tentar

mas eu juro que estou cansada
se eu ficar cansada de dizer que estou cansada
posso amargar o limbo dos suicidas
o que não vai ser nenhum peso
para um coração tão vazio
para uma alma tão solitária
para um espírito cansado de tentar entender
e ficar sem nenhuma resposta.

As perguntas me consomem…

e as pessoas com quem convivo me desesperam
a hipocrisia ao redor me desidrata
e a falsidade temperada com toques de doçura
simplesmente me dá câncer.

A angústia de ser quem eu sou me consome

e de carregar as perguntas que carrego
e de sentir as coisas que sinto
e de ver as coisas que vejo.
Pois, sempre pressupus que o conhecimento
seria um sedativo. Ele é ácido nas veias.

E chega esta hora

esta maldita hora do zero, hora do nada
hora contínua que salta aos olhos
eu me lembro das pessoas que conheci
ultimamente
– tão patéticas.
Eu me lembro dos amores que amei
ultimamente
– tão ridículos.
Eu me lembro dos amigos que supus assim
– tão imbecis.

E chega esta hora de decidir entre dois caminhos
o da loucura assumida e o da loucura camuflada
eu ando no ínterim da loucura
eu sou a loucura.
Eu caminharei entre a loucura dos loucos
e eu caminharei entre os mortos ainda vivos
eu estarei com peso nos ombros por viver
e por não poder me cuspir para fora de mim.
A hora da loucura é a hora da angústia
e eu sei que agora realmente vou viver
todas estas horas, sem fim.
Sem fim.
Sem fim…


(20 de abril de 2008)





Nenhum comentário: