O amor



Vira e mexe eu escuto uma bela história de amor. Ontem, conversando com a Elaine (secretária da editora onde trabalho), ela me contou uma das mais belas histórias de amor que já pude testemunhar pessoalmente. Se existe um caso de almas destinadas a se encontrar e ter o privilégio de compartilhar uma existência inteira, é o caso dela e do Marco, seu marido.

****

Já escutei muitas histórias lindas. O cinema produziu também obras primas nesse sentido. A última e mais bela que vi foi Diario de uma paixão (The noteboook, 2004). Eu vi este filme em uma época difícil na minha vida. Enquanto as pessoas do cinema saíam em prantos, eu estava uma pedra de gelo. Apenas achando uma bela história contada, nada mais.

Era uma outra época de minha vida.

Outro filme de amor inesquecível é Em algum lugar do passado (Somewhere in time, 1980). Existem inúmeros e inúmeros outros que poderiam ser citados. Eu fico com esses dois.


****

Recentemente, li um livro chamado Amar ou depender? de Walter Riso. Ele focou um dos meus temas preferidos para os quais, para mim, valeria fazer um curso de Psicologia: pessoas doentias em seus relacionamentos.

http://www.lpm-editores.com.br/v3/artigosnoticias/user_exibir.asp?ID=616619

Como no post de ontem, sempre observei os casais de convívio próximo, buscando um casal "perfeito". Começando em casa e indo para todas as pessoas próximas.

Percebi que uma relação duradoura depende de fatores básicos. Relação de amor, existe bem pouco. As coisas se misturam com o tempo. Sei que é praticamente impossível manter o clima de romance ao longo dos anos de convívio, mas o encanto e a admiração nunca devem desaparecer.

O que eu mais vejo é relação de dependência. E ela pode se manifestar em diversos níveis. Pode ser desde o sentimento de dominação, à dependência afetiva, à dependência financeira, ao simples uso do companheiro como muleta de vida.

Eu devo confessar que a dominação é algo que me fascina. E já sofri muito por isso. Quase perdi tudo. Após diversas duras penas, percebi -- como tem de ser -- que amar alguém é compartilhar o prazer de estar ao lado dessa pessoa, por ela ser sua companheira e sua amante. São dois polos independentes que decidem estar juntos para fazerem companhia um ao outro.

Por outro lado, já vi casos tristes e lamentáveis de pessoas que num convívio social cotidiano, você jamais diria ou pensaria que ela iria ao fundo do poço -- e mais fundo ainda -- por um suposto amor. Isso não é amor!!! Muito menos amor passional, verdadeiro como costumam classificar essas pessoas. Isso é doença.

E disso -- dentre outras coisas -- de que trata o livro de Walter Riso. Ele é dos meus preferidos: incisivo, sincero e direto. Nada de rodeios. Nada de passar a mão na cabeça. Identifica o problema, diagnostica e propõe a solução, cabendo apenas ao paciente decidir o que fazer.


****

Vira e mexe eu me lembro de algumas pessoas significativas que passaram pela minha vida. Como boa canceriana, sinto prazer em fazer isso. No entanto, é com tristeza que lembro que antes de amar alguém, você precisa se amar. Este é o cúmulo de uma frase brega, mas é a mais pura verdade. Você nunca será capaz de amar alguém plenamente, se não se amar.


****

Dois videozinhos bem nada a ver um com o outro, mas que me vieram à cabeça sobre este assunto.

Bryan Ferry: eu amo este cara. Suas músicas são sempre muito belíssimas!
http://www.youtube.com/watch?v=iIUrLpvE3Rk

http://www.youtube.com/watch?v=TQQ6SfPZggw

4 comentários:

Jana disse...

As interferências que cegam o amor, o amor inocente, puro, simples e natural, eu por diversas vezes achei que tinha amado, mas a medida que fui amadurecendo ao longo de sucessivos relacionamentos via que ainda não tinha encontrado o amor, as questões de vícios emocionais, dependências, ilusões, etc, etc...Me sinto mais preparada agora para amar de verdade, sem ilusões, fantasias, projeçoes e compensações que costumamos fazer, ainda assim sei que tenho uma eternidade para aprender sobre o amor.
Bjs p/ mha japa predileta!

raquel disse...

Você não vai contar a história de amor entre a Elaine e o Marco? Fiquei curiosa, hehe...
Ah! Se você quiser um exemplo de casal perfeito, eu e o Rô nos candidatamos!

Beijo,

Quel

Crisão disse...

HAHA! vou contar num próximo post! valeu pela visita, Quel querida!

aline naomi disse...

Obs: comentei no post anterior, mas misturei o assunto desse post e do outro... sorry, sou meio confusa! =P