Perdendo o encanto

Ando correndo no trabalho (alguém não tem uma rotina como essa?!), dormindo cedo e acordando cedo. Sem muitas ideias.

Exceto a que me veio ontem, mas não tive tempo de postar: as pessoas estão cada vez mais perdendo seu encanto! Sim!

Pelo menos, eu do meu singelo ponto de vista acredito nisso. Sinto isso.

Eu olho para as pessoas ao meu redor, todas aquelas prováveis que poderiam ser minhas maiores confidentes, amigos fiéis... mas ninguém me inspira o suficiente para eu dar o passo necessário para concretizar isso.

Óbvio que antigamente era outra história. Como digo, eu era jovem e mais inocente.

Hoje em dia, após a afirmação brega acima, vou dizer o que mais vejo nas pessoas ao meu redor: ou elas estão reclamando de tudo na vida; ou elas estão estagnadas, alienadas, inertes, semi-vivas; ou estão presas a alguma espécie de fanatismo que as tolhe do bom senso e do olhar para qualquer outra coisa além do foco de seu vício. Isso é horrível!!!

Não estou sendo pessimista, aliás esse adjetivo não combina comigo. Quem me conhece bem, sabe disso! Mas, a questão é que as pessoas estão cada vez mais voltando-se para si próprias -- num cúmulo absurdo chamado egoísmo -- e tornando-se menos encantadoras, porque olhando para o próprio umbigo, apenas reclamam da vida, da falta de sorte, da dureza de tudo. Blé.

Por isso acho que ando cada vez mais reclusa... tendo por companhia meu mp3 player, livros espíritas e os poucos e reais amigos de verdade.

Mas, quem se deu o trabalho de ler este post até aqui: pense nisso. Tô falando mentira???

4 comentários:

Jana disse...

É por isso que cada vez mais admiro as pessoas que são simples, que tem mente aberta e que possuem brilho no olhar, é cada vez mais raro encontrá-las.

Viva as pessoas que não são zumbis!8D 8D 8D 8D 8D 8D 8D 8D 8D 8D 8D!

aline naomi disse...

É, Cris. Muita gente que cansa. Mas já conheci algumas interessantes, aliás, sinto que ainda vou conhecer muita gente interessante por aqui... muitas influências&estímulos... as pessoas têm mais liberdade de ser o que quiserem (ou é só impressão?).

Contraditoriamente, por enquanto, estou me sentindo bem à vontade com a impessoalidade daqui. Em São José, a vida era tão "óbvia", as mesmas pessoas, as mesmas conversas, os mesmos lugares, uma rotina entediante e a vida passando.

Crisão disse...

Pareceu um poema do Drummond esse seu coment.

Carol F. disse...

A maioria das pessoas é chata e desinteressante mesmo. Talvez seja culpa da nossa cultura e sistema de trabalho, que espera que nos comportemos como formigas. Ou talvez seus colegas de trabalho sejam especialmente chatos...