Aos covardes e enrustidos

Hoje acordei pensando numa coisa muito séria: covardia.

Eu sei que é muito fácil para mim, sentada aqui, falar disso e criticar os outros, julgando não conhecer os contextos de vida de cada um dos assumidademente covardes. Julgar do lado de fora, é uma das coisas mais fáceis que sempre trazem uma parcialidade, por mais justa que a pessoa seja.

No entanto, uma frase não para de ecoar na minha cabeça "se você não gosta do jeito que sou, por que eu tenho de ser do jeito que você quer? por que você não vai se foder? Se vc não gosta de mim, não tem obrigação de gostar e eu não tenho obrigação de mudar!"

Isso parece muito frase de adolescente entrando na puberdade. Mas, longe dos hormônios, muita gente deveria parar e pensar um pouco assim. O que eu mais vejo são pessoas constantemente tentando agradar aos outros, numa lambeção e falsidade execravelmente pífia e nojenta.

Tudo na vida é escolha. Somos o que escolhemos ou deixamos de escolher. Algumas pessoas preferem levar a vida nos meandros do bom convívio com todos, sem para isso desmerecer a própria personalidade. Outros, berram aos quatro ventos a sua autoridade, impondo modos e maneiras e querendo que tudo gire ao seu redor. Nem um, nem outro. Eu falo por experiência própria, porque já fui a maior das passivas-agrada-a-todos e uma Hitler autoritária que quer tudo ao seu jeito.

Acho que coisa maior é o que vc propõe a você mesmo como meta de vida, como o mais importante para você. E o mais importante nisso tudo é ouvir a sua voz interior, seguir a intuição que é ditada pela sua alma e a justiça interna que é controlada por forças além de nossa compreensão.

Porém, isso não diminui meu asco em relação aos covardes. Mas, somos o que somos. E o que não somos, pode vir a ser. Basta sentir, querer e fazer.

Um comentário:

aline naomi disse...

Mas inclusive ser covarde também é um jeito de ser. Não o meu preferido e provavelmente não o seu, mas o de algumas (muitas) pessoas, seja por opção ou falta dela. Mas e se elas forem felizes assim? Quem somos nós para dizer o contrário?