O que é póstumo e, ainda assim, eterno

Já estou vivendo com meus 32 anos.

Me lembro que desde os 18 eu queria ter 32 anos. Havia algo de mágico nessa idade, não sei. Eu sempre admirei as mulheres nessa faixa etária (a pior, porque é onde a mulher tem sua primeira crise brava!) e, inclusive, minhas três namoradas tinham 32 anos quando as conheci. Nada deve ser por acaso, mesmo.

Ainda estou de ressaca do finde passado. Quarta-feira fui ver a Nilce, sexta-feira fui ver a Bella, sábado fui estar com meus amigos. Domingo foi o dia mais tranquilo em que aproveitei para almoçarmos, eu e Jana, com Poliana e Rafael, meus amigos, no Nandemoyá, na Liberdade.

Aliás -- e ainda -- estou refletindo o finde. As pessoas que estiveram presentes, as que não estiveram. Fatos engraçados que ocorreram, como umas meninas de um grupo atrás da minha mesa apostarem quem era a minha namorada, já que estava com vários casais heteros, mas aparentemente sozinha.

Ultimamente, eu tenho acompanhado vários blogues lésbicos e alguns não-lésbicos. No finde que se foi, estive em ambientes lésbicos. Confesso que fiquei -- e ainda estou -- um pouco saturada.

Não, não vou dar uma de preconceituosa contra a minha própria espécie, mas existe algo entre as meninas lés que é irritante e limitado. Claro, a regra não é geral, e graças a Deus existem exceções. Porém, é nítido que, cada uma em seu contexto pessoal de vida, se encaixa em um determinado nível de aprendizado, de maturidade e de existência. Mas, porra... não foi sempre assim? Sim, foi sempre assim. A única -- e A diferença -- é que sempre fiz isso com o universo hétero e hey baby, welcome to the real world, as lés também são assim.

Acho que tem muitas coisas desse mundo L que preciso conhecer, para conhecer o ser humano. Conviver acho que já é demais, já que sempre me intitulei como a pertencente dos "sem-grupo". Nunca precisei estar num grupo para me sentir inserida na sociedade. Claro, muito pretensiosamente, sei que faço parte de vários grupos, mas sempre fico me esguiando e esquivando aqui e ali porque odeio rótulos.

Enfim, ainda vou escrever muita coisa para refletir o turbilhão que anda na minha cabeça. Só sei que o vento está soprando... e eu sinto que meus olhos andam vendo muito mais do que sempre viram. Meio assustador, mas delicioso.

4 comentários:

Jana disse...

Feliz 32 anos mha japinha linda! ☺

A Crise será branda, fique tranquila!

Crisão disse...

éguin!

raquel disse...

Cris, você também tem a impressão de que está escrevendo cada vez melhor?

aline naomi disse...

Feliz desaniversário, Cris!

Sobre os últimos posts: o mais engraçado é que ainda me sinto estranha em ambientes GLS. Quando entrei no Farol, senti um desconforto estranho, senti que as mulheres me olhavam (talvez pensando: "carne nova no pedaço" (?)). Ainda me sinto mais confortável em ambientes "neutros". Não sei se com ou sem razão, me sinto meio "caça" nesses ambientes (muito provavelmente bobagem minha, mas sinto que, na maioria das vezes, em baladas "direcionadas" e em boates/danceterias "hetero" também, ou se é caça ou caçador(a)... como meu instinto caçador não é lá grandes coisas, me sinto sempre "caça" e isso é meio desconfortável!).
Mas foi até que legal quando a menina me pegou pela mão querendo dançar comigo. É o tipo de coisa que nunca na vida eu faria, nem que a pessoa me interessasse MUITO (o que, na verdade, raramente acontece), mas legal que tem gente que tem coragem e/ou cara de pau! =D Se eu não estivesse me sentindo tão irritada comigo mesma aquele dia e nem tão feia (eu sentia minha maquiagem escorrer e me imaginava vampiresca), eu até entraria na dela. Só por uma noite. Antes de eu virar abóbora, rá! =)