Ode to my family

Ontem, voltando pra casa numa São Paulo chuventa a semana inteira, me ocorreu algo: eu quase nunca falo da minha família aqui e para ninguém. Fiquei com a pulga atrás da orelha.

Acho que como toda boa lésbica (e algumas devem viver este confronto até hoje), eu também senti e ainda sinto os efeitos de não ser uma "normal da sociedade", que tem filhos aos 30 anos, prestação de casa, carro na garagem... como tinha dito minha amiga Gabitchs no blog dela. Mas, dentre todos esses confrontos, eu trago boas lembranças de minha família e de minha infância. Tudo ainda é questão de ponto de vista e de como você lida com o que é inerente a você.

Da minha irmã, eu sempre vou me lembrar dos salgadinhos Ruffles e de quando ela mordeu meu olho, sendo uma bebezinha de meses, e quase me cegou. A gente não se dá muito bem, mas a gente se respeita e se gosta.

Do meu pai, vou sempre recordar das canções de ninar antes de dormir e de como é bom deixar a barriga sempre aquecida durante a noite, para não ter cólicas. E de como é bom gostar de desenhos e ser eclético em música. E de como nunca ser um pisciano em seus piores defeitos.

Da minha mãe, eu tenho as melhores recordações. Ela me ensinou a ser forte, independente e simpática -- características muito impossíveis para uma canceriana com ascendente em peixes e lua em leão. Eu sempre fui retraída e tímida e tinha vergonha da minha mãe com seu jeito sagitariano e espontâneo de ser.

Minha mãe me ensinou que devemos ser respeitados pelo que somos. A vocês confidencio que sempre sofri por ser japa. Imagina ser uma japa lésbica! Minha mãe, inconscientemente, me incutiu a regra de que você deve ser quem você é, fazer o que você gosta. Ser sempre alegre e acreditar.

Além do lance de repetir à exaustão que se não temos ninguém para nos ajudar, não devemos sentar e lamentar, mas sim correr atrás daquilo que é necessário. Isso vai desde trocar uma lâmpada a arranjar um emprego.

Hoje em dia, tenho muito de minha mãe em mim. E tenho muito orgulho dela. Mesmo que eu saiba que ela nunca leria este blogue, este post de hoje é, basicamente, uma homenagem a ela.

6 comentários:

Jana disse...

Lindo!

Bjs mha japinha de muita sensibilidade e força! ☺

téka ~ disse...

Me encantei com seu blog tão espontâneo moça, de verdade. hehe

Beijinho.

aline naomi disse...

Adorei esse post. Realmente, já tinha percebido que você não falava muito da sua family, e como não sou do tipo que fica forçando conversas (fazendo as pessoas falarem sobre coisas de que não querem falar), achei que era assunto seu e que você não queria compartilhar e pronto. Mas tinha curiosidade de saber como você via/vê as relações familiares.

É legal pensar na família. Agora que estou meio longe (ou não tão perto) consigo ver diferente... e é engraçado que tenho muito mais dos meus pais do que imaginava... e que apesar de achar meu pai um chato de galochas, no fundo eu o admiro, caso contrário não falaria dele com tanta frequência nos posts e ele não estaria tão em mim. Acho que ele foi o responsável por enfatizar o meu desejo de independência/não-dependência e fazer com que eu acredite que sou capaz de fazer tudo que quiser - ainda que às vezes ele quisesse moldar e direcionar a minha capacidade para desejos não-realizados dele.

Ah, e eu gosto da sua mãe!! "Ser sempre alegre e acreditar." Também sou muito adepta dessa filosofia! =), pelo menos, na maioria das vezes. Adoro sagitarianos! São tão... parecidos comigo! Hahaha (narcisista, quem?)...

Beijo, Cris!

Depois conta da Zélia!

Mari M disse...

Saudades de seus pais!!!
Infelizmente nao conheci sua irma, mas lembro-me que vc sentia muita saudade dela qdo estavamos em Mie...
Apesar de fazerem decadas que nao vejo a Leila, sempre me lembro dela com muito carinho,,, tem um rostinho meigo, sincero e afetuoso...
Seu pai... sempre alegre, sempre sorridente, sempre jovial..hehe
uma versao do meu pai mais jovem...
saudades dele...
beijo no coracao prima querida
te amo

Crisão disse...

Obrigada gente! Obrigada Teka!

Eli disse...

Cris, me identifiquei muito com o seu comentário... Vc sabe. Adorei. Um beijo.