Eterna angústia (ou a pergunta que não quer calar)

Me ponho para ouvir três trilhas sonoras que há muito tempo não ouvia: Requiem for a dream, The hours e Mulholland dr. Se vocês já viram algum desses filmes e já tiveram a oportunidade de escutar algumas dessas canções saberão que, elas reunidas juntas, formam um belo panteão da dor e da angústia.

Eu sempre tive uma característica: introspecção. E acho que a tinha guardado demais para satisfazer a demanda dos extremos otimistas que não compreendem o que é sentir angústia! Eu comecei a fugir dos filmes dramáticos – mesmo depois de tê-los vistos todos – achando, ingenuamente, que conseguiria apagar a marca indelével deixada em mim.

Sinto que desde que assisti a Into the wild, essa centelha voltou a coçar dentro da minha mente. Algo começou a ser criado e eu nem sabia exatamente o que era. Maldito Christopher McCandless…

Comecei a ler o livro (que deu origem ao filme) e muito embora ainda acredite que ela seja o relato de um psicopata, eu me reconheci em muitos de seus questionamentos. Esses, que faço todos os dias, sem saber porquê, mas faço.

Acho que cada um de nós vive seus momentos de dor e angústia, isso não é privilégio de alguns poucos azarados. A questão é: o modo como cada de um de nós vive essa onda de intensidade que nos atinge, nos deixando sem apoio, sem rumo, em total desamparo.

Uns muitos se refugiam em vícios, que vão desde um cigarro, a uma bebida, a uma mania. Ao excesso de amor ou ao excesso de trabalho. Ao excesso de esporte ou ao excesso de controle. Tudo que é excessivo e, consequentemente, cancerígeno. Da mente, do corpo ou da alma.

A minha fase angustiosa voltou. Na verdade, depois que você abre os olhos, é ingênuo achar que poderá voltar a fechá-los. Mais ingênuo ainda é pensar que será fácil conviver com essa “suposta sabedoria” em uma sociedade como a nossa. Não é!

O que resta, então, para uma pessoa, marionete de mim, sobre mim e em mim mesma? Não bebo nem fumo. Não tenho mais vícios. Não sou covarde pra distribuir minhas dores aos meus amigos que tanto e tanto já me ajudaram. Eles estão sofrendo também. Escrever? Praguejar? Recorrer a uma religião?

Eu acho que, por ora, não tenho resposta. O que me serve de companhia são essas trilhas sonoras. É lembrar que um dia seus sonhos morrem, e por mais que você construa outros sonhos, a lembrança doída da sua primeira frustração nunca se apagará. Talvez eu esteja sendo a maior de todas as egoístas… mas se eu não puder compreender isso em mim, como vou viver para o mundo? Fica então a questão: conseguirei compreender isso um dia?

Se esta escolha que eu já fiz um dia, tiver de ser refeita, farei. Mesmo sem a certeza de outrora. Mesmo com a dor e a angústia de agora. O céu azul ou a noite que fizer lá fora, ainda será o bálsamo. A Natureza.

Nenhum comentário: