Para quem você escreve?

Esta pergunta sempre me vem à cabeça toda vez que posto neste blogue. E a minha resposta -- egoísta e mais previsível -- é: para mim mesma.

Muita gente tem me falado, uns de maneira mais direta do que outros, que blogue é sinônimo de megalomania de um eu egomaníaco. Não tiro a razão. Nenhuma. Mas, cada um tem seus motivos particulares de demonstrar sua necessidade de atenção. Uns podem fazer Arte disso. E acho que o blogue é um desses caminhos meio "tortuosos" entre a egomania e a Arte. Ou será que a própria Arte não seria megalomaníaca? Na sua forma mais bela, claro...

O fato é que eu vou explicar os motivos de ter iniciado este blogue, pra quem não sabia. Até fevereiro deste ano eu nunca fui leitora de blogues, nunca tive paciência, justamente por pensar meio assim. Mas meio que meu novo emprego, pessoas diferentes e ambiente hostil me fizeram precisar expressar meus pensamentos de alguma forma. E eis que resolvi começar este blogue.

Outro dia qualquer é originalmente uma música do Bon Jovi, minha banda favorita de todos os tempos. Any other day, incluída no último álbum de 2007 Lost Highway, parecia escrita para mim. Aliás, como muitas músicas bonjovianas, este foi meu hino em um ano difícil para mim, sob muitos aspectos. E eu ouvia essa música no repeat one sem parar.

Any other day (vejam este vídeo com letra, uma das melhores versões ao vivo!), assim como meu blogue, Outro dia qualquer, foi uma forma de salvação pessoal. Não tenho vergonha de admitir isso pra quem quiser me perguntar. Eu costumava escrever poemas. Tenho mais de 800 devidamente guardados, e vez ou outra eu posto algum aqui. Mas, é fato que a poesia não atinge mais as pessoas hoje em dia. Ironia ou não, nos animalizamos tanto que poesia só remete a um pensamento romântico do século XIX, infelizmente.

O pulo para a prosa foi um exercício mesclado de necessidade com desafio. E eu adorei. Já conheci muita gente legal e interessante. Pude conhecer assuntos que não conhecia até então. Quer coisa melhor que isso? E ainda por cima, pude ir exorcizando pequenos demoninhos que se aninhavam na minha cabeça, gritando para sair.

Hoje em dia, os demoninhos ainda existem, e minha necessidade de escrita diária também serve para manter minha criatividade e meus neurônios sempre em alerta, para nenhum deles morrer. Porém, da mesma forma que eu escrevia poemas para mim, pensando em cada um dos meus leitores, eu também escrevo este blogue para mim e para cada um que pode cair aqui. Quem sentir a conexão comigo, será mais uma ponte invisível criada. Se a conexão não existir, segue a vida.

Acho que meu único defeito (que para muitos, como eu, é uma virtude), é que não sei andar em grupos. Tenho imensa dificuldade em me classificar, porque acho que todos somos únicos para sermos encaixotados em alguma lista. Muitas pessoas sentem essa necessidade, e eu não as recrimino, muito pelo contrário. Assim, este blogue é um exercício de se manter único -- na medida do possível -- em um mar de tantas coisas iguais e parecidas.

Espero poder estar cumprindo esses objetivos a que me propus. Adoro louvores, como boa lua em leão que tenho. Mas não aqui. Como sempre digo, que esteja ao meu lado, quem verdadeiramente deseja estar.

7 comentários:

Alice disse...

Concordo um pouco com a teoria de que escrevemos para nós mesmos. Eu preciso *gostar* do meu texto antes de clicar em "Publicar postagem". Se eu não achar aquilo realmente bom ou engraçado, acho que a coisa toda perde um pouco o sentido.

Bruno disse...

Eu não concordo. Acho que quando estamos expondo algo, desde uma foto no orkut até uma camiseta que vestimos é sempre pra compartilhar. As vezes nos vestimos pensando que é para nós mesmo, mas nunca é.

http://www.fomedorato.wordpress.com

Frau Stu disse...

Oi, obrigado pela visita no blog. Fui mover o post de lugar e acabei perdendo seu comentario. Legal que vc gostou, bj!

aline naomi disse...

Legal esse post! Nunca tinha pensado nisso: "para quem escrevo" - acho que pra quem quiser o saber o que anda acontecendo comigo, já que às vezes me distancio (in)voluntariamente, e conhecer pessoas afins (isso é legal!). Escrevo pra exorcizar também (é muita coisa e preciso escoar de alguma forma). O diário em papel escrevo pra mim, para poder lembrar/não esquecer, e também para o caso de eu ter algum tipo de amnésia total...

Mundo The L. disse...

Cara...

toda vez em que eu publico alguma coisa, tenho um objetivo comigo...

nem sempre minhas postagens são só pra mim...nem sempre são só para quem lê...Às vezes pode ser pra alguém especial, que nem se manifesta, mas que eu digo "passa lá no Mundo, tem algo pra ti..."

não gosto de me sentir presa, dona da verdade, num estabelecido monótono...

quanto ao teu post, eu só tenho a dizer..."desejo estar sempre por aqui...."

megalomaníaco ou não...



mil beijos!


bye

Crisão disse...

Aee... às vezes acho que as pessoas têm medo de rasgar o verbo! Com respeito e educação, uma discussão é sempre instigante! bjs

Crisão disse...

Ah sim!
não se esqueçam: o autor mais maduro é sempre aquele que sabe se autocriticar, sem perder sua autoestima! + bjs