Prestes

Eu me fiz uma pergunta, aparentemente sem resposta. Porque, pretensiosamente, intuía saber todas as respostas. E sabemos que a falta de humildade é sempre castigada com mais perda e desilusão.

Eu nunca soube a resposta. Mas eu sabia que não podia fugir de quem eu realmente era. Longe dos holofotes que tanto me agradam, eu sempre fui uma pessoa introspectiva. Silenciosa. Observadora das pessoas e das vidas.

De certa forma, de alguns anos para cá, eu tinha perdido isso. Talvez por ter mergulhado demais a fundo e sempre enfiando a brasa quente na ferida aberta, eu tenha me cansado um pouco disso. Graças ao Kronos Quartet, devo dizer que estou me sentindo viva novamente.

Assim, peguei minhas trilhas favoritas para fazer qualquer ser humano se despir de superficialidade, tal qual eu estava vestida: Philip Glass; Angelo Badalamenti (e suas obras-primas compostas em parceria com David Lynch); Kronos Quartet; The Division Bell, do Pink Floyd; The Four Seasons, de Vivaldi; réquiems e árias isoladas de Bach; todos os adágios de Tommaso Albinoni.

E estou me sentindo amparada, de uma estranha e suave forma, como pouquíssimos amigos conseguiram me amparar.
Sim, eu gosto dos movimentos lentos, da quase mesmice do Barroco, da repetição de Philip Glass. Se alguns chamarem meu gosto de “carne de pescoço”, eu digo: Arte é e será sempre Arte. Gosto não se discute.

Eis que então, folheando o encarte da trilha sonora de The hours, encontrei um breve texto do autor Michael Cunningham, autor do livro que inspirou o filme. Trecho divino, que reproduzo aqui:

“Nós, humanos, somos criaturas que nos repetimos, e se nos recusarmos a abraçar a repetição – se empacarmos diante da arte que busca enaltecer suas texturas e ritmos, suas infindáveis variações sutis – estaremos ignorando muito do significado que damos à própria vida.”

E termino: estou pronta para pular em mim, novamente. Sem medo do que encontrar, sem medo de ir até o fundo. Sem medo de voltar, e ser eu mesma e algo mais.

ps: vou me programar para muito em breve rever Mulholland dr., The hours e Requiem for a dream no mesmo dia, de uma só vez.

Nenhum comentário: