Amores platônicos: ilusão ou idealismo? Coragem ou covardia?

Peguei a ideia no blogue da Aline. Minha amiga resolveu falar de um assunto que eu até tinha esquecido, e que acabou suscitando pensamentos devoradores dentro de mim.

Ainda tenho a recente leitura do livro Amar ou depender?, de Walter Riso. Concordei com cada linha escrita ao longo das 152 páginas. E, dentre essa leitura, minhas experiências vividas, as histórias que ouvi e outras que vi, fiquei com alguns nozinhos na cabeça, para a questão-tema deste post.

Há os que defendam o amor platônico como o mais puro. Para essas pessoas, a idolatração à distância, sem conhecimento do objeto desejado e sem quaisquer outras características de um relacionamento “comum” é uma espécie de sinônimo de pureza com tons de castidade. É um tipo de amor que não se macula, não importa o que aconteça.

Não deixo de concordar que sim, há uma “pureza imaculada” que cada um pode pintar com os adjetivos que quiser. Afinal, há o ser que ama e há um ser que é amado. Entre os dois não há sequer conhecimento da existência do outro. Bem, pode até existir, mas nunca como um “amor”. Aí eu até poderia classificar o amor platônico nível 2, onde a amizade é utilizada em lugar de um amor que não pode nunca ser declarado.

A questão que urge na minha cabeça é: por que um amor é platônico?

Acredito que essa pergunta é a principal que pode responder à outra pergunta. Várias frases surgem como respostas, mas a ideia principal não foge: covardia. Por que não podemos classificar o que ama platonicamente como um covarde? Por que, ao contrário disso, dizemos que ele é puro, ingênuo e casto?

Acho que tirando um caso de um moleque de 16 anos que se apaixona pela professora de 30 numa escola de um interior longínquo, que não tenha os conceitos de cidade grande, uma espécie de Sassá Mutema em O Salvador da Pátria, podemos até classificar o amor platônico dessa forma (mas sabemos como ele termina…). Mas qual a diferença entre o desejo sentido e o desejo realizado? Para mim, nenhuma. O desejo continua sendo desejo. E o amor platônico, mesmo sendo platônico, continua embutido de desejo.

Se o meu raciocínio estiver correto, o amor platônico deseja, mesmo que “platonicamente”, mas deseja. Pode não desejar uma noite de sexo quente, mas deseja o contato físico, deseja um souvenir – e eu até arriscaria uma comparação com um psicopata serial killer que pega esses restos que se tornam a sua alegria.

Mas uma pessoa que ama platonicamente não é um serial killer! Uma pessoa que ama platonicamente, para mim, ainda é uma covarde. Talvez baixa autoestima? Talvez complexo de inferioridade? Talvez medo de comprometimento? Talvez masoquista? Talvez frigidez sexual? Talvez uma mistura disso tudo e algo mais? Não dá para precisar.

Eu concluo isso pensando no sentido expandido do que é amar não-platonicamente e ter um relacionamento. Esse tipo de amor é doído, porque você acaba sofrendo – pela falta ou pelo excesso. Você não pode idolatrar seu ser amado, porque ele é feito de carne e osso, qualidades e defeitos, bafo matinal e mau-humor. Amar é, além de amar a pessoas pelas suas virtudes, amar a pessoa pelos seus defeitos.

Agora cito Walter Riso numa passagem que adoro:
Os laços afetivos sempre podem ser melhorados e aperfeiçoados, mas partindo do que realmente se é, do amor habitual, impuro e terreno que vivemos no dia a dia. Diminuir o “superamor” cósmico/universal e submetê-lo a relações de carne e osso é ingênuo, além de danoso. Os bons casais não vêm prontos de fábrica. É preciso poli-los na lida diária da vida, à força de suor, de esforço e, muitas vezes, de lágrimas.
Enquanto o amor universal não pede nenhuma mudança, o amor entre pessoas precisa de correspondência. Para que uma relação seja gratificante, deve haver reciprocidade, ou seja, uma troca equilibrada. O amor recíproco é aquele no qual o bem-estar não é privilégio de uma das partes, mas de ambas. (p. 128)

Bem, para não prolongar mais este já longo post, vou terminar falando de minha própria experiência: vivi todos os tipos de amores platônicos possíveis. TODOS. E sempre me via no desejo de viver um relacionamento que me completasse, me fizesse feliz. O amor platônico não é um meio de vida, é uma alternativa triste para uma pessoa que ainda não teve o “clique” de viver sem  alguns dos medos e talvez que citei acima. ARRISCAR. Pois é fato que todo amor platônico está fadado ao fracasso, mas é algo tão claramente previsto, que nem provoca quase dor. Porém, arriscar-se num amor não-platônico é jogar sem saber se você vai ganhar ou perder. Não depende apenas de você. Para mim, esse risco é como uma aposta: se você analisar bem, pode dar certo. Mas, pode não dar. Este é um dos prazeres da vida: errar quando for para errar. Mas, tentar sempre fazer dar certo. E TENTAR: ao menos, tentar. Afinal, acima do amor e qualquer outro sentimento, acredito que o nosso maior propósito seja aprender e crescer.

2 comentários:

aline naomi disse...

Hmmm, muito bom!

No meu caso deve ser... medo de me comprometer misturado com admiração. Minha garota platônica é comprometida, mas livre, faz tudo que quer, vai aonde quer, não se importa em impressionar, ela É. E tudo isso me atrai. Se não fosse comprometida, provavelmente, pela primeira vez na vida, pediria em namoro, mesmo que fosse pra ouvir um "não, obrigada, vamos ser amigas". =)

Preciso encontrar alguém como ela, mas que não esteja comprometida. Eu teria a liberdade e o amor não-sufocante que procuro. E seria feliz dentro da eternidade que me cabe.

ana futture disse...

Concordo com vc em partes....o amor platonico, tem seu lado bom, faz a gente mudar pra melhor, porque num amor platonico, vc aprende a somente dar, e nada receber, ter paciencia, ser mais generosa, dar valor as coisas mais simples da vida....
Eu sinceramente acredto que o amor platonico, é o verdadeiro amor, pelo fato de nunca ter se concretizado. Afinal vc ama uma pessoa sem ela ter te dado nada, seja material, emocional ou fisico e o ser humano por natureza faz tudo condicionado a alguma coisa, e o amor platonioo é incondicional, unilateral.... Gostei de seus posts vc escreve mto bem, parabens. Gostaria de conversar com vc, tive alguns amores platonicos na minha vida... me escreve