Assim caminhou Crisão – parte 1 (sobre Crisão inserida em grupos durante a adolescência)

Ainda no campo das polêmicas, hoje quero falar sobre um assunto que valeu até uma matéria na minha coluna do PL: o ser humano em grupos.

Para o assunto quero comprar e ler o livro Sociologia e Antropologia, de Marcel Mauss. Uma simples e quase ingênua tentativa de começar a entender porquê somos os seres que somos e porquê temos certas atitudes em grupo que, isoladamente, não teríamos.

Como sempre faço, uma explanação considerável sobre mim mesma. E dividirei em três posts: um sobre a primeira parte da minha vida, outro sobre a segunda parte e um final fazendo uma conclusão do que penso. Pois bem, desde criança tive dificuldades de me inserir em um grupo e, acreditem em mim, foi porque eu era japa! Isso se acentuou na pior fase de vida de um ser humano: a adolescência. Em uma época de descobrimentos e hormônios à flor da pele, eu precisei conviver com o estigma de saber que era lésbica (ainda não-assumida) e japa!

Um pouco antes, entre os meus 11 a 14 anos, eu tive o privilégio de conhecer duas garotas (e, portanto, um grupo): Elaine e Isabel. Elas me conduziram por aquele que seria um dos meus caminhos da salvação: a literatura. Nunca li tanto como li naquela época. E tínhamos um “clube da leitura” no qual discutíamos o que tínhamos lido. Além disso, comprávamos caderninhos para escrever as nossas próprias histórias. E cada vez que terminávamos um “livro”, trocávamos para ler o livro da outra e fazer comentários.

Devo confessar que foi uma época deliciosa da minha vida. Eu as admirava, porque me sentia uma “burrinha” que tinha péssima redação (e tinha mesmo) e aprendia as técnicas rudimentares da escrita com elas. Até hoje em dia, nunca deixei de agradecer por esse estímulo que foi crucial para mim. Nunca soube o que aconteceu com a Elaine (por quem nutri meu primeiro amor platônico…), mas lembro que ela dizia que queria ser atriz. Um dia, dentro do busão no bairro onde moro, encontrei com ela. Nossos olhares se cruzaram. Naquele ímpeto de segundo, eu quis dizer tanta coisa para ela. Nossa última conversa tinha sido em 1990, quando tivemos aquela briga adolescente, e o reencontro foi em 2006, acho. Dezesseis anos!

Eu apenas queria dizer que não tinha mágoas e sentia pela nossa amizade que se perdeu com o tempo. Não sei explicar, mas tínhamos uma conexão específica, talvez por problemas de família semelhantes, talvez por outro motivo misterioso. Mas não consegui. Travei. Fiquei com um peso imenso de arrependimento pela minha covardia.

Alguns meses depois, sonhei com ela. Não lembro o contexto, mas lembro que ela me sorriu aquele sorriso encantador que ela tinha e apenas me disse, enquanto segurava em minha mão: “não se preocupe, está tudo bem!”. Cara, acordei assustada, pois parecia que tinha estado com ela! Depois desse dia, entendi que era hora de seguir adiante, pois não havia mágoas.

A Isabel era canceriana como eu, ela do dia 08 de julho, eu do dia 18. Tínhamos muitas semelhanças, mas não era como com a Elaine. E ela se tornou minha amiga, depois que o grupo com a Elaine, devido à nossa briga, se dissolveu. A Isabel era talentosa com as letras e com os números. Mas por conta de um “milagre” que recebeu visitando uma igreja, converteu-se ao evangelismo e queimou todos os seus livros, por ser coisa do diabo. Eu chorei de tristeza aquele dia. E sabia que estaria sozinha a partir dali.

Era o fantasma do segundo grau (hoje, ensino médio). E foi o momento total da separação: cada uma foi para uma escola e eu nunca mais as vi. O meu único grupo, que tinha me dado a base para várias coisas que desenvolvi nos anos seguintes, tinha se dissipado ali. Nas lembranças doces de tardes sem preocupação, falando de literatura e escrevendo livros.

3 comentários:

Anna Carolina =dos= disse...

To gostando da trilogia!!! Esperando novos posts!

aline naomi disse...

Ibidem. =)

Carol F. disse...

Eu e algumas amigas também fazíamos isso. Eu escrevia estórias e estórias em quadrinhos, e fazia personagens inspirados nelas. Mas não nos preocupávamos muito em escrever bem, o que importava era a estória ser muito emocionante. De preferência épica.