Assim caminhou Crisão – parte 3 (e finalmente Crisão em grupos hoje em dia)

Eu gostaria de poder ter lido o livro que citei no primeiro destes três posts, antes de entrar mais a fundo neste assunto. Mas a urgência de falar dele foi inevitável. As ideias começaram a brotar com uma abundância, que apenas passando para o papel eu conseguiria me sentir aliviada. E cá estou.

Pelo um breve histórico dado nos posts anteriores, dá para perceber que nunca fui inserida em grupos – o que não quer dizer que eu nunca tenha desejado estar em um. De alguma ou de forma, eu sempre me punha na beira de algum aqui e ali, porque é incrível como isso dá forma ao ser humano como um todo. É uma necessidade intrínseca, de formação de caráter, de identificação. Mas algo em mim sempre me impelia à solidão. Era como se eu precisasse conhecer um lado, apenas para saber que na verdade, queria estar do outro.

Observe um homem sozinho. Ele pode ficar acuado até, dependendo do ambiente. Ponha dois caras parceiros com ele e instantaneamente ele se transformará no garanhão que canta as mulheres, cospe no chão ou coça o saco. Fala alto e falta só mijar para demarcar território. Claro, nem todos os homens fazem isso. Mas veja e perceba. As mulheres, por sua vez, agem de uma forma um pouco diferente, dependendo do grupo, claro. Sozinhas, elas ficam olhando para as mulheres do lado, desejando a blusa que a outra tem e ela não, analisando centímetro por centímetro das coisas que poderiam ser dela e são da outra. Em grupo, elas escolhem um alvo e falam mal dele. Destroçam a pobre coitada que pode ser uma gordinha, uma vaca, uma fofoqueira. Porque o grupo não é fofoqueiro, mas sim de quem elas estão falando. Veja e perceba.

Será que estou falando de uma camada socioeconômica menos favorecida? Não. Mudam os estratos, mudam as contas bancárias e as coisas continuam iguais, apenas mudam as cores. A forma? É sempre a mesma.

Meus “grupos” sempre se resumiram a três pessoas, no máximo, incluindo eu. Eu sempre achei que muitas pessoas causam algum tipo de “escolha” em detrimento de outra “escolha” e sempre rola ciúme e sempre rola inveja e a inevitável fofoca. Entre mulheres é assim, infelizmente, não importa se lésbicas ou heterossexuais.

O pensamento em grupo faz o pensamento de todos estagnarem, como água parada, até apodrecer. Claro, isso tudo é aleatório e varia. Mas, a síntese ainda é esta, mesmo em um grupo dinâmico. Porque todos concordam com todos. E aí jaz o prazer de estar em grupos: a total identificação com o que está ao seu lado, que faz todos os seus pensamentos serem aceitos. No fundo, é tudo aceitação.

Eu sou um tipo de pessoa que praticamente nunca conviveu em grupos. Desde grupos como ser humano a grupos pelo fato de ser lésbica. Você, meu leitor, pode achar isso agressivo, mas eu apenas convivi enquanto me era conveniente e bom para mim. Aprender o modus operandi, saber o que as pessoas fazem e dizem, para onde iriam. E acreditem em mim, até hoje não encontrei um grupo que me desse vontade de fazer parte. O grupo tolhe seus pensamentos, direciona suas atitudes. O líder – porque não existe grupos sem líderes – sempre se acha o dono da razão e da verdade absoluta, embora até possa apregoar o contrário, como um perfeito político demagogo. E isso me enoja profundamente. Sempre afirmo – até que me provem o contrário – que eu pertenço a um único grupo: o dos sem-grupo.

Eu não pertenço a religião nenhuma e me simpatizo apenas com o movimento universalista que acredita que a Terra é uma imensa escola e que nosso objetivo único aqui é de aprendizado e crescimento. Não faço parte de ONGs. Não defendo política nenhuma. Não participo de saraus. Sequer tenho o meu grupo de balada. Nada disso faz parte da minha personalidade. Talvez eu seria um bom exemplo de sociopatia… não fosse meu prazer imenso em conhecer pessoas. Pessoas inteligentes, interessantes, corajosas e sábias. Preferencialmente que não esteja atrelado a um superego que embace a visão. As mais interessantes são sempre aquelas que não fazem alarde de si próprias.

A despeito disso, tenho amigas únicas, que valem cada segundo de vida. Sempre presto homenagem a elas, pois de alguma forma, sempre estão a meu lado e eu nunca me esqueço disso: minha filha Poliana, Denise Yumi e Sharlene são a tríade básica e essencial (olha, mais de duas pessoas!). Minha prima Marli, Priscila Mota, Larissa Wostog, Fabiana Kono (a mais distante de todas). Juliana Simionato, Renata Campos e Carol Francese. E algumas outras pessoas, em menor presença, mas que sempre me trazem surpresas agradáveis.

E olha que irônico, dessa lista de dez pessoas, apenas três são lésbicas. Isso diz muito de mim. E todas as outras sabem de mim e me respeitam como sou. Ainda na lista, existem três japas. Pura coincidência.

Porque, para finalizar, podemos precisar andar em grupos pelos mais diversos motivos, com o intuito de darmos forma à nossa identidade. Mas, não importa quem somos e com o que identificamos: acredito que precisamos saber estar em qualquer ambiente, com a mesma maestria que estamos no nosso grupo favorito. Acredito que a adaptação não devesse ser apenas a minha característica, mas a de todos os seres humanos. Claro, estamos onde queremos estar, mas transitamos onde quer que seja necessário transitar.

2 comentários:

Anna Carolina =dos= disse...

"Claro, estamos onde queremos estar, mas transitamos onde quer que seja necessário transitar."

Frase que resume tudo!

Já dizia meu amigo que a vida é feita de momentos. E as pessoas passam por nossas vidas em certos momentos e nós passamos por grupos e grupos e continuamos nossas vidas. E de tudo levamos nossas lembranças. Essas sim ficam.

Mari M disse...

Prima querida!!!
Estive pensando se ja pertenci a algum grupo e que eu me lembre nao pertenci a nenhum,,, sempre sozinha,,, simplesmente as pessoas passaram pela minha vida e vice-versa...
Quando eu era adolescente,, milhoes de anos atras,(kkk)eu li esse poema e nunca mais esqueci...
"ACASO

"Cada um que passa em nossa vida,
passa sozinho, pois cada pessoa é única
e nenhuma substitui outra.
Cada um que passa em nossa vida,
passa sozinho, mas não vai só
nem nos deixa sós.
Leva um pouco de nós mesmos,
deixa um pouco de si mesmo.
Há os que levam muito,
mas há os que não levam nada.
Essa é a maior responsabilidade de nossa vida,
e a prova de que duas almas
não se encontram ao acaso. "

(Antoine de Saint-Exupéry)

o importante é o aprendizado que levamos de cada um que cruza nosso caminho
é o amor, o respeito e o carinho que guardamos em nosso coração, em nossa alma...
São os tesouros da vida!

Beijoooo , ti amo!