E assim caminha a humanidade…

Impossível parar de pensar nesse assunto, é necessário um adendo. Se textos longos cansam, idem para posts longos, então achei melhor quebrar em dois em vez de escrever um extenso (e olha que o anterior foi grandão).

Alguns podem estar pensando: estarei sendo radical? E os grandes grupos que transformaram a história da humanidade, tornando-nos quem somos hoje em dia? Eu sei.

O ponto da questão que tenho trabalhado aqui é que sim, em grupos, somos mais ouvidos, mais chamativos, mais atendidos. Senão, nem teríamos sindicato, por exemplo. Senão, não teríamos a sociedade dividida tal qual a conhecemos.

Mas são os mesmos grupos que se opõe e se degladiam, que causam brigas e guerras. Outro dia reparei, sem querer, numa moça com uma camiseta: “Faça parte do Exército de Jesus”. Cara, tenho certeza de que o esqueleto dele (se ainda existir) deve ter gritado de desespero. Viu e reparou? “O Exército de Jesus”. Porque se a guerra for santa, ela pode ser justificada e aceita. Não foi assim com a Inquisição? A diferença é que agora usamos neurolinguística e milagres, em vez de fogo e espadas. Tudo sob o véu do moralismo.

Uma vez conversei com minha mãe, quando ela tentou me converter à Igreja Messiânica, de quem sempre fui muito simpática. Eu disse: “Mãe, o problema não é a Igreja, o problema são as pessoas que estão nela, que pensam que sabem de tudo, que se julgam superiores por terem mais cursos ou por terem feito faculdade. O problema, mãe, são os seres humanos, não a ideia. Eu faço tudo o que eles fazem, eu ajudo as pessoas do meu jeito”. Ainda bem que ela parou de tentar me convencer – de um jeito educado e meigo, claro – porque senão a gente iria brigar.

Então, falo aqui: a regra vale para TODOS os grupos sem exceção. O problema não é a ideia, mas as pessoas envolvidas nela. Somos seres humanos, falhos por natureza, em contínuo aprendizado. Somos seres egoístas, que destroem a Natureza em nome do progresso, somos confiáveis?

Existem grupos louváveis, que fazem muita coisa em prol de um imenso sentido maior. Mas, basta um pouco de conversa com essas pessoas que vestem o distintivo do “faço parte deste grupo” que você perceberá radicalismo, absolutismo e uma certa dose de egoísmo grupal. Parecem formigas defendendo a rainha e o ninho. É assim que funciona! Você pode participar do grupo se aceitar agir dessa forma.

E existem grupos menores, de gente comum, que age da mesma forma. Bem, como dizem, são grupos, e o funcionamento básico delas não é a ideia, mas as pessoas envolvidas nelas. Por isso queria ler o livro Sociologia e Antropologia, porque ele parece ter reunido duas ideias essencias que caminham juntas com a Filosofia. Ainda me lembro que o livro também incluía Psicologia e Linguística.

Eu acredito que a raça humana está com os dias contados. Se um dia tivemos um motivo original, ele se perdeu. Se perdeu no nosso egoísmo, no nosso falso moralismo que nos torna capazes de julgar quem quer que seja. Somos falsos moralistas e demagogos. Eu me incluo nessa lista e busco desesperadamente sair dela, mas não é fácil. Porque vivo no sistema, dependo dele e gosto dele em muitos aspectos. Como não ceder ao sistema e ter personalidade própria? Como agir assim sem ser tachado de lunático, hippie e sociopata?

Pois vocês sabem que é dessa forma que são classificados os que pensam e agem diferente. Podem imaginar que já cansei demais de ouvir que sou ET, alcunha recebida desde os tempos do colegial.

Minha única forma de luta é com as palavras, a maior parte delas agora neste blogue. Se houver um leitor que conseguiu ler a quadrilogia até aqui, quero dizer apenas que não sou contra nada nem ninguém em específico, apenas tenho meu modo de pensar – que sempre destoou da imensa maioria.

Eu acho que somos ilimitados demais para nos prender à tanta mesquinharia, à lambeção de cu alheia para mostrar que pertencemos a algo e que não sabemos viver à deriva. Estamos à deriva! Estamos à beira do caos e as pessoas pensam que os grupos salvarão. Nessas horas, esquecem de pensar que o “julgamento” é pessoal, de acordo com o livre-arbítrio de cada um.

3 comentários:

Anna Carolina =dos= disse...

Concordo plenamente com tudo o que diz. Muito bons todos os seus textos (e eu li até o final). rs

Quem nos salvará?! hehehe

Mari M disse...

Lunatico, hippie ou sociopata, sao colocados no hospicio,,, A pessoa diferente da sociedade, da maioria,,,sao enclausurados, JOGADOS num sanatorio,,,

[O Diferente] tem que ser afastado do mundo, das pessoas ditas ¨Normais¨

simples ne Cris...

beijoo

Crisão disse...

ANNA,
obrigada por compartilhar de tal pensamento cmg. Deve saber que não é fácil pensar dessa forma...

PRIMA,
os mais sensíveis nunca são compreendidos. Nunca foram. UM DIA, SERÃO!!!
bjs e saudades de vc!