E o povo fala... o povo fala mesmo!

Muito interessante.

Sempre fui criticada por ser a quietinha, por não falar o que penso, ou por ser a que "come quieta".

Depois, fui criticada porque era estourada, autoritária, radical, cruel.

Tentei achar um meio-termo entre as pontes tão distantes. Ô difícil ano de 2007 que foi aquele...

Voltei a ser quieta, mas sem perder o pensamento ácido. O turbilhão fervilhante dentro de mim, nunca se aquietou, apenas não se manifestou. Quem me conhece, sabe que não funciono dessa maneira. 

Sempre respeitei o pensamento alheio, mesmo daqueles que cospem palavras como um nojento que catarra dentro da estação de metrô. Sim, isso existe.


Sempre respeitei a total falta de noção de pessoas que me agrediram porque eu era "x" ou "y". Porque eu tenho o cabelo curto ou porque tenho uma namorada que mora no RJ.

Sempre respeitei a imposição religiosa que me fizeram, mesmo eu odiando lavagem cerebral de quem quer que seja, não importa a hora do dia, ou a ocasião.

Por isso, digo e repito: "I know who I am, I know where I fit in, I feel comfortable in my own skin." As pessoas precisam de rótulos, as pessoas precisam rotular umas às outras. É um negócio nojento e doentio. Eu faço isso, mas sempre evitando ao máximo humilhar e tolher alguém.

E digo de novo: esteja comigo, quem quiser estar.

3 comentários:

aline naomi disse...

Por falar em "rótulos", acho tão desnecessária a pergunta: "você é lés ou bi?". Por que eu deveria me encaixar numa dessas categorias? Vou dizer que sou pan! Traço qualquer pessoa ou coisa! =D

Flor disse...

O povo fala tanto sem conhecer, depois que conhece fala muito mais e quando morrer vai continuar falando. É uma merda.

Beijo, Cris

Crisão disse...

Gente, esse post tava programado. Eu confesso que esqueci o motivo principal que me fez escrevê-lo, mas como ele é recorrente, vociferei. pq isso não muda!

Issoae, Naomi-pan!!! :D