Tudo que sempre fomos... e continuaremos a ser?

Serei breve na observação, porque acho que sempre exploro estes assuntos por aqui, para quem é meu leitor.

Canso e canso de dizer que o ser humano é um perrenga. Admiro os otimistas. Demais. Queria ter muito de seu idealismo, otimismo e inocência. Juro que estas serão as coisas que lutarei muito para manter.

Mas é muito mais fácil ser profeta e defensor do ser humano quando ele "se elevou" a ponto de ficar isolado dentro de sua casa, seu reduto, seu mosteiro. É muito mais fácil ter complacência com o ser humano apenas vendo-o pela televisão. É tão mais fácil ter paciência com o nosso irmão de sangue quando convivemos bem longe dele.

Estar e viver no meio do povão pode ser carma para a maioria de nós (e eu me incluo). E o carma é pesado, porque se os "bem de vida" disfarçam bem seu egoísmo construindo castelos ao seu redor, os da "baixa ralé" se amontoam onde quer que haja gente. Mas não se engane: o egoísmo é o mesmo. Uns disfarçam a merda com perfume. Outros, apenas a exibem sem restrições.

Não sei aonde vamos parar com tamanho egoísmo. O ser humano é muito egoísta. Disfarça sua personalidade com caridades (os ricos, aos milhões; os pobres, aos centavos, na rua). A hipocrisia. A mediocridade. O egoísmo.

Nessas horas, lembro daquele frase célebre do finado e sábio Machado de Assis, em Memórias Póstumas de Brás Cubas,1881: Não tive filhos não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria.

Nenhum comentário: