A vitória da hipocrisia

Faz algum tempo que venho matutando algumas coisas. Meu olhar observador sobre as pessoas oscila entre a pura indignação e o blasé. Não deixo de pensar que me coloco como Juíza-Mor, ocupando uma posição em que não me permito o auto-julgamento. Não é verdade. Quando falo o que aqui falo, também estou falando de mim mesma.

Mas convenhamos: se eu olho e posso dizer, por que não fazê-lo? Se as palavras queimam em mim e querem sair de mim, por que não libertá-las?

Três meses. Acho que este é o tempo que estou ruminando este texto. E vale contextualizar porque desde 17 de dezembro não me sinto mais a mesma pessoa que sempre fui. Talvez um dia eu conte esta história em detalhes.

Abri as notícias de jornal e vi a (óbvia) notícia de que o mais falado elemento ganhou o tal do reality show. Cheio de pompa social e discurso clichê, fez promessas. Sua atitude -- tão simplória e tangente -- quanto a de um político, vem mostrar o poder da mídia de massas. Ou vocês acreditam que a maior emissora do Brasil seria ligada a atos de preconceito sexual? Não!

Mas também somos como o vencedor do show. Só que na nossa vida diária. Continuamos agrupados a pessoas que não nos fazem bem, mas que são as mesmas que nos fazem inseridos num grupo. Não estamos sós, mesmo se continuamos ignorantes, é isso o que importa.

Repetimos atos alheios, não importa se eles são corretos ou não, porque se todo mundo faz, eu faço. Praticamos a violência -- psicológica ou física -- a alguém, porque sendo agressivos, estamos nos defendendo. Falamos bonito, porque as pessoas sempre se iludem com os loquazes e esquecem de olhar a verdade por trás de suas palavras. Fazemos apologia aos sentimentos e à justiça sem saber o real e puro sentido que estão atrelados à essas palavras.

Então, eis a pergunta: quem somos? 

Rebato a pergunta: o que somos?

Não temos autoconsciência. Não somos muito além de um reflexo no espelho, que confere se a beleza está ajustada aos modelos da sociedade. Preenchemos nosso vazio com vícios, com ilusões. Creditamos nossa felicidade sempre à alguém. Nos reproduzimos sem propósito.

É decadente essa imagem, na minha opinião. Vivemos cercados de ilusões, acreditamos nela e reforçamos a sua existência repetindo ações alheias, simplesmente pelo fato de estarmos no piloto automático de nossas vidas.

Recentemente, me perguntaram se eu teria algo a perguntar pra Deus. E eu disse que nada. Depois, pensei melhor, e perguntaria o seguinte: por que te criaram? Porque acredito que ao criarmos um Deus criamos uma resposta de dois gumes: a redenção e a perdição. É assim que vivemos, num conflito eterno de absolvição e pecado, que nos prende em nossa pífia realidade.

Portanto, ao falarmos mal de políticos e de vencedores de reality shows, estamos falando de nós mesmos, porque foi essa a realidade que construímos. Nada aconteceu por infortúnio e nada continua acontecendo sem que estejamos intrinsecamente atrelados a essa realidade. Se há uma vitória da hipocrisia, esta é a vitória de nossa total falta de autoconsciência, que forja nossas bases e põe holofote em nossos reflexos.

Ainda acredito -- e eu luto muito por isso -- que sejamos capazes de viver sem maniqueísmos, para começar. Penso que seria a melhor forma de começarmos tudo de novo.

3 comentários:

Chrys Farias disse...

Bom dia Cris igualmente querida! =)

Seu texto está esplêndido até melhor que o meu, e realmente espero e acredito realmente que nunca é tarde para recomeçar.

Mas tenho medo sinceramente. Se colocamos 1,5 mi não mãos de pessoas como ele, quem vamos colocar para governar o nosso país daqui a alguns meses? ...

Queria acreditar que essa notícia fosse dada no dia 1 de abril, como uma brincadeira do dia da mentira.

Beijoss e ótima quarta!

Chrys Farias disse...

Ops, nas mãos =)

Mutante disse...

"é preciso romper e violentar o mundo, se a gente quiser começar de novo alguma coisa boa, melhor."

(do livro: ZERO - Ignacio de Loyola Brandão)