Sentimento amargo

Pela primeira vez na vida, acordei com uma sensação imensa de impotência.

A caminho do trampo, relembrei os fatos mais marcantes de minha vida. Em todos eles, eu sempre estive sozinha. Sozinha para tomar uma decisão. Sozinha para encarar um estádio inteiro de rostos me observando. Sozinha para saber qual caminho tomar, por que tomar este caminho. Nascemos sozinhos. Vivemos sozinhos? Morremos sozinhos?

Já cansei de falar isso aqui, mas por que precisamos tanto viver do reconhecimento alheio? Por que precisamos tanto esperar que o outro olhe para você compreensivo, reconhecendo suas qualidades, perdoando seus defeitos, simplesmente lhe aceitando como você é?

Por que precisamos do outro para compreender a nossa própria existência? Por que não podemos simplesmente viver a nossa vida de acordo com os nossos ideais, sem precisar nos espelhar em outros (e em geral sempre fracos que não deveriam nos servir de parâmetro)?

Eu sou assim. Eu preciso de reconhecimento. A Sharleu me disse isso uma vez. Muito mais do que servir de exemplo, eu preciso de reconhecimento. Acho que chegou a hora de encarar de vez o maior de todos os desafios da minha vida: escolher meu caminho solitário, sem holofotes e agradecimentos ao meu redor.

Eu estou me sentindo morrendo em mim mesma, um sentimento inexplicável de que perdi todas as lutas a que me propus lutar e ganhar. Eu estou me perdendo de mim mesma. Desci do meu pedestal para engolir o que as pessoas sempre me impuseram, impávidas. Não sei se o que elas dizem é verdade, mas é fato que quando te humilham, isso não é qualquer outra coisa senão um estupro. Se você não se debater, dói menos. Não deixa de doer, mas dói menos.

Estou me sentindo estuprada, porque me deixei ser estuprada. Eu afoguei no caldeirão. Há um resto de mim que apenas mantém meu coração vivo. O resto é um morto-vivo que caminha diariamente, entre estranhos desconhecidos. Ainda dói o tapa de ontem? Ganha outro hoje. Não conseguiu se acostumar com 20 tapas sequenciais na cara? Tem mais 100 para vc hoje.

É por isso, mais do que nunca, que a minha decisão está tomada. Um dia vocês saberão do que se trata, mas tenham a absoluta certeza de que não me vendo mais. Não estarei mais sendo estuprada por empresas corporativistas mercenárias que te vendem ilusões destruindo seus sonhos e idealismos. Não me resta muito para sobreviver. Por ora, vou me agarrar a esse último fio.

Um comentário:

Gabriela Souza disse...

.:: o texto fez-me sentir amaro sabor deste teu sentimento ::.