Para lembrar os verdadeiros motivos

Esta noite eu tive um sonho... um sonho não. Um pesadelo!

E isto não é começo de historinha pra criança. É um horror! rs

Eu sonhei que estava na primeira editora que trabalhei. Eu não sabia porque estava lá, ao certo, sabia que precisava de uns contatos para trabalho. Mas, do nada, sentei e comecei a trabalhar, como nos velhos tempos.

Fui tomada de uma angústia profunda! Senti angústia, clausura e solidão, porque todos me olhavam, de esgueira, com desdém.

Não vou contar o resto do sonho, porque o que importa, aqui, é o recado, que numa simples conversa, vou amplamente clarificado pela querida Rainbow: por que a gente dá tanta importância ao julgamento dos outros?

Eu já sei disso, mas sabe quando vc esquece? Pois é. Cá aqui estou eu esperando ser julgada, ser aceita, como todo bom ser humano precisa para poder crescer com força e caráter. Eu não preciso mais disso, não porque seja ególatra e autossuficiente, mas porque eu tenho meu coração e minha alma para me guiar. Se eu estou me sentindo como me sinto agora, é a eles que tenho que recorrer.

Mas a gente acaba se esquecendo dessas coisas, pautando nossa tão frágil razão em mentes doentias alheias que não querem seu bem, querem apenas te analisar sua performance, se vc está desesperada precisando de ajuda ou se vc conseguiu se dar bem.

Pois contra tudo e contra todos seguirei... e mesmo que eu caia um milhão de vezes, me reerguerei. Pois é assim que tudo tem que ser. E obrigada aos que, verdadeiramente, seguirão ao meu lado, sem me julgar.

Um comentário:

Sharlene disse...

A vida é assim mesmo. Sabemos de muita coisa, esquecemos de outras e não temos certeza da maioria. Anyway... I´m here. Not just to follow, but to walk with.

Luv ya!