Alguns poemas - parte 2

Depois do ano de 2001, nada mais foi igual em minha vida. Desnecessário entrar em detalhes agora, mas um nítido reflexo foram os meus poemas. Eu refinei meu estilo e digamos que tenha, finalmente, encontrado a minha verve literária, minha digital poética, que eu manteria, com retoques, ao longo dos anos seguintes.

Os poemas separados aqui são apenas amostra básica da imensa vastidão que existe. Uma vez mais, espero que tenham gostado de conhecer um pouco mais do meu -- tão pouco divulgado -- lado poético.

ps: esta leva de poemas é dedicada a todas as pessoas que desde 1992 leem os meus poemas. Algumas pessoas foram leitoras ávidas... algumas pessoas foram constantes como a Sharlene, provavelmente, minha maior leitora de todos os meus poemas e também aquela a quem confiei a guarda dele (junto com a Priscila Mota).

ps 2: descobri que há um hiato no meus poemas entre 2004 e 2005. Vou fazer uma caça intensa em emails e amigos. Espero apenas não ter perdido esse material!

_______________
migalhas 

Eu vi pombos sobre o telhado,
era uma manhã branca
era um dia branco
e eu vi pombos sobre o telhado
não escutei passos
nem senti o calor,
não havia pessoas
nem testemunhas,
e eu vi pombos sobre o telhado.

Não contei quantos pombos eram
eu vi apenas sombras
eu somei palavras às atitudes
eu era uma alma na multidão,
o silêncio com palavras e risos
e eu vi pombos sobre o telhado,
era uma hora branda
alguma lembrança.

Não havia mais nada:
e eu contei pombos.
eu vi pombos sobre o telhado
eu vi pombos sobre o telhado
eu vi pombos sobre o telhado

(11/03/2002)

__________________
Castelo de espelhos
(dedicado a P.B.)

Ante a sombra
de um sol eclipsado
viste a ti mesma no desnude
de tuas incertezas.
Reflexo de teu regurgito
odor de tuas aspirações
oh...
eras apenas tu
era apenas tu.
Clone de teus anseios
não viste o teu grito desesperado
terminar no fim de um eco
perdido
na manhã.
E tu sabes
foste meu espelho
e eu refleti teu complexo
incompatível de existência.
Teu castelo de espelhos
um dia pôde
refletir a tua imagem.

Hoje, tu és teu calvário
há outra alma tão perdida e solitária
para a tua, tão igual, entreter?

(um dia tu saberás pular em tua própria piscina)

(29/05/2003)

_________________
sem resposta 

Longas cartas
escritas à suor e sangue
eu pensei tanto em você,
sim, eu pensei apenas em você,
e esperei uma resposta.

Longas mensagens de celular
infinitas
tempero de desejo e ansiedade
eu pensei tanto em você,
como ainda penso em você
apenas esperando uma resposta.

Longas conversas no telefone
a qualquer hora do dia
eu pensei tanto em você
e eu adorava pensar em você
enquanto esperava uma resposta.

Longos minutos de silêncio
transformados em horas
em dias, em semanas, em meses
eu penso em você
e eu espero uma resposta.

Longos sonhos e pesadelos
momentos solitários
em qualquer lugar
onde eu possa pensar em você
e onde continuo esperando uma resposta.

Longas tentativas, infinitas
um amor intenso e eterno
enquanto o tempo passava tenso
eu pensei tanto em você
e eu esperei tanto uma resposta.

Mas, a resposta era a não-resposta
pois sem resposta eu fiquei
enquanto pensei, pensava e penso
em você
você.

Sua resposta era o silêncio
que sempre estivera ao meu lado
a sua ausência, o seu vazio, o nada
eu pensei tanto em você
e fiquei… sem respostas
apenas como tinha de ser,
apenas como tudo
insistia em ser:
sem respostas.

(27/10/2007)

_________________________________
Os dias que são iguais aos outros dias

É…
eu conheço sua música favorita e você conhece a minha
em dias como estes, com silêncio e músicas favoritas,
eu posso dançar com as minhas memórias e imaginar
como a vida é tão engraçada… docemente irônica e assim
lembrar tão alegre de você, de suas piadas e de seu humor característico
tudo aquilo que nunca deixei de admirar e amar
você deve estar vivendo sua vida com o sol a raiar
erre sua vida e a aproveite ao máximo em todas as suas nuances
porque o destino prega umas peças imprevisíveis
e sabe como é… o amanhã quase nunca é igual ao ontem.

É…
nesses dias de lembranças tão intensas e insanas e impossíveis
nunca me esqueço daquele jeito tão específico
que nosso humor tinha de se conectar e assim permanecer
era quase viciante a destreza mental com que podíamos fazer rir
e mentir a realidade, e sucumbir a dor, e transcender todos os limites
sabe que eu tenho procurado alguém semelhante assim
mas, acho que assim, não vou nunca encontrar ninguém
pois nunca houve ninguém e nunca haverá ninguém
que tão bem soube assimilar o meu humor e a falta dele.

É…
tantas coisas sempre acontecem a cada segundo novo de nossa vida
e nunca há presente, vivemos do término do passado e a iminência do futuro,
vivemos procurando respostas que não existem, felicidade que não é perene
amigos que não são eternos, dor que seja curta e momentânea,
certezas absolutas que nunca existiram nem nunca existirão
compreender e ser compreendido, anular–se para, assim, ser amado,
vivemos na fronteira de uma suposta felicidade e da eterna alienação
e, se vivemos, teremos de viver com os olhos abertos e tanta coragem…
sim, minha cara, tantas coisas sempre acontecem e roubam a inocência
transformam a força em egoísmo e a esperança em relicário escondido
mas nunca deixei de sentir saudades de você, do que foi inteiro e genuíno,
tantas e tantas e tantas coisas… que se perderam, aquelas bem poucas que ficaram.

É…
flores amarelas e vermelhas sob o céu azul sem nuvens, eu continuarei me lembrando de você
e, solitária, dançarei com minhas memórias.

(13 de agosto de 2006).

________________________
Coração deserto 

Se eu fechar os olhos por um momento
talvez eu seja capaz de desenhar o meu futuro
e este será o instante em que não sentirei ansiedade nem angústia
todos os temores se dissiparão eu conseguirei sorrir livremente.
Pois que o presente seja tão incerto quanto as lembranças do passado
e o futuro sempre reserva uma fração de esperança
para os sonhadores, raça quase extinta, seres humanos
fadados à dor, à solidão… quase como eu e você.

Mas se você fechar os olhos por esse instante
talvez você não consiga ver as coisas que eu vi
como em sonhos premonitórios, quando nunca é dia ou noite,
seremos duas almas separadas, cada uma trilhando sua própria linha
não nos encontramos, não iremos nos reencontrar
e a espera será apenas mais uma característica de personalidade
quase uma cicatriz, um verdadeiro defeito congênito,
e o que restar será compartilhado como migalhas para pombos.

Eu vou fechar os meus olhos por um momento
esperando que alguma coisa mude entre o segundo do desejo e o do desespero
uma fração de um milésimo de um minuto para o fim
se parece ser muito mais fácil desistir, eu escolho continuar
todos os meus passos já são conhecidos, minhas intenções
então nada restou para descrever ou para conversar, nada,
e comigo mesma eu ficarei com mãos vazias, corpo vazio, olhos vazios
uma alma despedaçada e vazia… sem migalhas para mim mesma.

Eu vou fechar os meus olhos por um momento,
e numa suposta prece que eu nunca rezei, eu vou pedir
que a compreensão seja mais ampla que pré–julgamentos
pois mesmo que a vida seja cíclica e eu assuma meus compromissos
o primeiro sinal de silêncio vai aliviar a angústia desta alma
para nunca mais calar o silêncio de um espírito solitário,
nunca mais haverá manhã ou noite em que o eco de uma voz
não será refletido de volta para o mesmo espelho vazio,
a compreensão e a empatia não são características do ser humano,
mas mesmo assim eu peço que olhem do meu ponto de vista e compreendam
o que os olhos humanos não vêem jamais, o que corações não sentem
o que almas vazias como as de vocês jamais perceberam
e me deixem ir com os olhos fechados e um sorriso nos lábios.

Então, não feche seus olhos comigo, nem por dó, nem por imaginação
assim, só e feliz, eu permanecerei entre cinzas e lembranças
pois é triste saber de alguém que passou por sua vida e nada deixou
eu passei pela minha própria vida e acumulei todo o conhecimento possível
tentei auxiliar, tentei compartilhar e como eu tentei me integrar,
mas o ar sempre é muito denso… ou eu ficava na superfície, ou no fundo do âmago,
e entre a angústia de nunca saber onde permanecer eu decidi sublimar
decidi que não era mais minha escolha, nunca tinha sido minha escolha,
o meio–fio de minha decisão era a minha maior e única decisão
e quem quer que caminhasse pelo meu coração, nunca deveria ter esquecido
que em um coração deserto, apenas se caminha sozinho.

(20 de novembro de 2006)

4 comentários:

Khris disse...

Cris, lindos poemas! Parabéns! Me emocionei com todos!! Por favor, não nos prive mais de seus poemas e nem dessa boa leitura! Fiquei realmente encantada com tudo!!! Você escreve de uma forma mto intensa e verdadeira! Nunca mais deixe-os guardados viu!!
Sou sua fã!

Bjãooo

Cristina Kok disse...

Compreendo agora teu entendimento ao saber da mensagem que pensei em mandar em 01.01.2011.

Beijos

Crisão disse...

Obrigada Xará 1: postarei mais, viu? E Xará 2: vc ainda não viu nada sobre mim... e ser assim é um desses lados que escondo fingindo que não é meu.

Cristina Kok disse...

Não adianta tentar esconder tanto. Sempre haverá alguém com atenção suficiente pra perceber que teu fingimento não é convincente.