Maurícia

Cariocas não gostam de dias nublados... mas como ainda não me considero carioca o suficiente, eu digo que sempre gostei de dias nublados. Do alto da janela da minha casa, cresci tendo uma visão privilegiada da topografia do meu bairro, era praticamente um passeio de 360ºC. Retratos e mais lembranças que não se apagam.

Mas aí, a gente vira um bicho de apartamento. Mais um ser trancafiado num cubículo climatizado, tentando sobreviver. Eu sinto falta da paisagem, eu sinto falta de olhar pras montanhas. Sinto saudade dessa visão tão privilegiada que não tenho agora.

Não sei porque mas faz alguns dias que ando me lembrando desse nome: Maurícia. Alguém aí já conheceu alguma Maurícia? Pessoa, não a ilha. Pois eu tive o privilégio de conhecer duas nessas minhas andanças pelo mundo. Uma, enquanto estava no Japão. A outra, no Brasil, num cursinho pré-vestibular.
A do Japão era muito simpática... mas uma garota casada muito influenciável que parou de falar comigo (como parte de todas as picuinhas a que fui submetida por lá). A do Brasil foi minha melhor amiga por muito tempo. Acho até que fui meio apaixonadinha por ela, por aquela doçura canceriana que só quem é do signo de água sabe. Ela me compreendia, mesmo sem saber de mim. E mesmo quando soube, não virou as costas. Um exemplo digno. Pena que, com vida casada e duas filhas, nossos destinos se perderam, nunca mais tive notícias dela. E mesmo porque, quando você tem apenas 22 anos, queira ou não, é complicado ter amizade com uma mulher com mais de 40.

Sinto que vou colher mais frutos desse meu momento nostálgico-trancada-num-apartamento. Mas queria muito compartilhar esse primeiro. Enquanto ainda está nublado lá fora e um pouco, aqui, no meu coração.

Nenhum comentário: