O que vale realmente a pena?

Todas as vezes que me afasto bruscamente da internet, eu sinto que sou mais um ser humano. Seria este um sintoma tão contrário à velocidade destes tempos, no qual vivemos a nossa vida literalmente num teclar?

Pois sempre será bom o contato virtual. Eu seria a pessoa mais ingrata se ousasse dizer qualquer coisa em contrário. Mesmo já fazendo parte da geração internet aos 20 anos de idade (o que pode ser considerado velhice, já que hoje em dia as crianças parecem nascer tuitando e uma criança ter um celular aos 5 anos de idade é a coisa mais normal do mundo, como "antigamente" era ter um carro aos 21), eu nunca poderia dispensar nenhum dos benefícios que a "Word WIde World" me oferece.

Mas quando eu paro e sento e reflito e observo -- de verdade, longe de celulares, notebooks e pcs -- eu me lembro de quem sempre fui de verdade. Quando eu estava lá, com a minha amiga Fabiana, just sipping a cup of coffee, eu me lembro que adoro poder ver a pessoa diante de mim. Como eu adoro poder ver seus olhos, conversar vendo reações, trocando os emoticons por sorrisos e ações de verdade. O abraço real que não seja um símbolo teclado.

Uns dias atrás, andei revendo uns posts antigos, pensando em como meus temas sempre giram batendo e rebatendo entre si. É aquela velha sensação do compositor que sabe que não disse tudo que poderia ter sido dito e fica ali... tentando, tentando, tentando... numa criativa, insistente e solitária tentativa de extrair uma néctar de sabedoria de algo aparentemente encerrado.

Aí eu penso quão tolo é aquele que pensa que encerra sua vida numa teimosia, num orgulho. Pergunte para um idoso (geralmente) ele vai te dizer isso. E, nós, os jovens transformadores do mundo, sempre esquecemos a lição mais simples. Teimar é como escolher por boa e própria vontade bater com a cabeça no muro, porque esta é uma opção pessoal que não deve ser questionada! 

Mas todos -- nós todos -- somos meio assim, né? Esquecemos que aprender é um exercício contínuo e que a humildade é uma das melhores ferramentas. Vamos distribuindo umas culpas aqui e ali pra supostamente aliviar a consciência. Vamos criando máscaras e máscaras e tantas máscaras para mostrar às pessoas que não somos que eu já conheci gente que nem se reconhece mais.

Eu lembro que tive uma grande amiga que se perdeu dentro de si mesma. Uns acham isso até poético, eu acho triste. Porque você pensa que se conhece -- ou até na verdade, se conhece -- mas vai colando uma história aqui, outra ali, mais outra ali... disfarçando a verdade (e querendo se provar que isso é bonito. Você lança frases virtuais de forte impacto pressupondo que este é o seu pensamento -- que pode até ser, mas não é! Desculpe se hoje você, meu leitor, queria um afago. Mas em tempos como o nosso, afago é sinônimo de antiamizade, porque não queremos um acalento, queremos que alguém concorde com nossos absurdos. 

E olha que tem muita gente que concorda!

Mas eu nunca concordei. Sempre me pareceu patético demais evitar a solidão abraçando a mediocridade. Eu nunca me esqueço que a solidão é a minha melhor companhia, porque é nela que eu calo a minha mente e escuto o meu coração. Porque é nela -- e somente nela -- que eu me dispo de todas máscaras e consigo me ver, nua diante de meu próprio espelho -- sem julgamentos.

Pois já basta a vida de julgamentos externos e a vida internética é o que mais faz. Ela realmente te disseca, te interpreta, te julga te condena/absolve como se a vida de todos fosse mesmo um livro aberto. Quem disse que é?

Nenhum comentário: