A torrente de sentimentos

Fazia muito tempo que não me sentia assim.

Estava com saudade de prosear... aquela conversa jogada fora, sabe? Mas sem falar mal de ninguém, sem ficar discutindo política ou tentando salvar o mundo. E neste fim de semana, tive a agradável surpresa de trocar tanta coisa boa com as mais do que queridas Cris Barufi, Fabi Lopes, Claudia Bertrani e Sharleu.

Estar fisicamente longe dos amigos foi tão bem definido pela Claudia como estar num lugar onde ainda você não conhece ninguém e não fez sua história. Ouvir isso me fez um bem danado. Sharleu sempre me faz sentir em casa, onde quer que conversemos. Vantagens de conhecer alguém há muito tempo e com quem você tem todas as intimidades que podem ser negociadas sem receio de cobranças indevidas futuras. Estar entre as loiras Xará e Fabi... bem, esse é um capítulo a parte, porque simplesmente é impossível não se contaminar com tanta energia boa vinda dessas duas surtadas!!!

Acho que nesses últimos meses acabei -- meio que sem querer -- exigindo demais de mim em diversas situações novas. Sim. Quando li este texto no site Somos Todos Um (que nem gosto muito, viu, indico apenas este texto aqui), penso que procurei exercitar ao máximo a humildade que, em mim, sempre foi meio falha. Quando me chamam de orgulhosa, me espanto. Mas não sou aquele tipo de orgulhosa que fere os outros (em quase a maioria de todas as vezes...), sou aquela orgulhosa que tem crença demais nas próprias crenças, entendeu? Isso acaba calcificando as possibilidades de conhecer outras coisas, por simplesmente você achar que... nem precisa.

Sou meio extremista, como não deveria ser em tantas vezes, e larguei o outro lado meu, aquele velho de sempre, com características minhas e tão propriamente minhas que me senti meio que me esvaziando. Porque é óbvio que quando você está em um ambiente social coletivo novo, você tem inúmeras opções de máscara para vestir. Vesti todas as possíveis e impensadas... e esqueci como era ser eu mesma. Um pouco do melhor que sempre houve em mim.

E, pelos bons deuses, como isso é bom... é um relento saber que ainda sei ser o melhor de mim. Você quase se esquece disso quando precisa viver tantos outros personagens. Ser o meu personagem favorito me renovou demais. Aí, como não consigo deixar de evitar o pensamento, pensei em como nos sabotamos assim, todos os dias? A minha sabotagem foi intencional, mas quantos de nós não se sabotam sem saber?

Bem, apenas quero e muito deixar aqui este registro de agradecimento a essa boa energia trocada. Bom também saber que tenho amigos tão distantes... e tão perto assim.

Nenhum comentário: