Saudades...

Hoje acordei com saudades.

Tal como define o dicionário, uma certa melancolia me atingiu hoje. Em cheio. Fiquei pensando num coração (de ontem) como uma estrada vazia e, se pintada como me sinto agora, ela teria as cores da saudade. E qual seria a cor da saudade para mim? Uma mistura de sépia com salmão em tons alaranjados...

Fiquei pensando se estivesse em São Paulo, o que estaria fazendo agora? Quando as vontades são maiores que a capacidade realizá-los, sempre nos sentimos assim... meio fracassados, meio perdidos. Fazemos pensamento positivo e entregamos a nossa sinceridade aos trâmites misteriosos do destino. E seguimos um dia após o outro.

Tudo parece ser sempre mais tentador quando não faz parte da nossa realidade. Se o ditado da grama do vizinho parece ser unânime, então por que pensamos assim? Talvez, mesmo quando impossível, o desafio é o grande xis da questão. Temos vontade de fazer algo, mas desde que seja o desafio maior daquilo que a nossa mediocridade pode suportar.

Mas, voltando à saudade, sinto saudade do cheiro de SP: poluído em tantos lugares, arejado e único em outros. Sinto saudade de pisar em cada centímetro daquele lugar -- mesmo os desconhecidos -- e sempre me sentir em casa. Sinto saudade dos meus amigos: tantas e tantas pessoas que não falo há tanto tempo! Queria sentar num banco de praça e ficar vendo as horas passarem... as pessoas correndo de um lado a outro, com pressas. São Paulo é a cidade das pessoas apressadas! (em mal-educadas também... mas isso é detlahe! rs)

Também tenho saudade do cheiro de mato, de olhar o verde e me perder no movimento calmo. Saudade das lojinhas da Liberdade. Do cinema vazio à uma da tarde. De andar pela Rua Augusta... das longas conversas que compartilhei tendo a Avenida Paulista como testemunha...

Nada é como deveria ser. Se eu estivesse em São Paulo, talvez sentisse saudade do Rio. Do carioca que anda sem pressa, do mar-- disponível a qualquer hora do dia, sem estresse. Do sotaque, das pessoas que sempre sorriem (em geral). Mas é sempre assim: a grama do vizinho é sempre mais verde. 

Mas é fato: hoje acordei com muitas saudades.

3 comentários:

Alice disse...

O ser humano é um eterno nostálgico...

Anônimo disse...

ah a saudade!!!!!
de cheiros, sensações, amigos distantes, das crianças que não tive, de meus pensamentos infantis, saudades até de mim.

fafá barbalho disse...

divinha que é o anônimo acima? esqueci de assinar.....rs.....
bjs.