Um pouco de pensamentos

São exatamente três da madrugada. Um pouco aqui largada, num canto deste apartamento... um pouco absorta em meus próprios pensamentos... fones de ouvidos e músicas do Bon Jovi tocando... sempre me trazem lembranças de mim mesma.

Uma pergunta veio surgindo... assim, quieta como um pensamento solto, insistente como uma lembrança escondida, eco da minha própria voz: quem somos? Quem somos para julgar outra pessoa? Quem somos para nos intrometer em qualquer outra instância que não a nossa própria vida? Quem somos, no auge de nosso orgulho egoísta, para pensar que temos o poder de destruir tudo em nome de qualquer coisa, porque não importa, ela estará suja de sangue? Quem somos nós?

Não é uma pergunta como aquela feita no filme homônimo. Não é uma pergunta que eu, talvez, até saiba a resposta. Me incomoda esse silêncio contínuo neste blogue, mas não consigo pensar em outra coisa para ser dita. Precisamos medir as nossas palavras -- que tantos outros irão ler. Precisamos não ter medida com um amor tão genuíno que não conheço ninguém para descrevê-lo. Precisamos de um algo mais que, se não for encontrado logo, acabaremos nos autodestruindo. Não porque somos ignorantes, mas porque pensamos que deixamos de ser há muito tempo atrás. Entendeu a diferença?

Ultimamente tenho sentido saudade de tanta coisa... a saudade se mistura às lembranças, aos desejos, as possibilidades e as impossibilidades. Saudade de minha terra já não é nem mais extinto programa dominical. Saudade de SP é uma coisa que nunca deixará minhas veias. Gosto do Rio de Janeiro... mas aqui é quente demais (a gente precisa arranjar uma desculpa!). Aqui não tem Avenida Paulista nem nada semelhante. Mas eu gosto do Rio. Mas.. ah! Agora estava falando de saudade.

Agora me lembrei dos meus encontros nas noites paulistanas. Tantas lembranças... doces, perfeitas, únicas! Lembro da noite em que a minha amiga Sharlene me fez companhia após o show da Isabella Taviani, no Tom Jazz. Show em que não encontrei nenhum DT (exceto o Fer). Noites como aquela são únicas, não são, Sharleu? Era uma noite gélida, de vento gélido, que merece cachicol e casaco de verdade.

Noites como essa eu não quero nunca que terminem. E eu posso dizer que passei algumas delas ao lado da querida Sharlene. É uma sensação de bem-estar e liberdade que não dá pra explicar. Porque são em noites como essas em que revelamos os nossos segredos... abrimos o nosso coração e guardamos as melhores lembranças.... para serem desgustadas como faço agora.

Também tenho saudades das minhas caminhadas noturnas pelas ruas paulistanas. Aqui no Rio é impossível fazer isso sem pensar em ser assaltado ou coisa pior. Não sei explicar, mas em SP eu conseguia andar até de madrugada nas ruas sem medo. Será que era cada centímetro daquele lugar que parecia uma extensão da minha casa? Um pouco sim, talvez muito não.

E tenho saudades da minha filha Poliana, aquela com quem tive as conversas mais intensas. Quer dizer, tenho outras amigas com quem tive conversas assim... mas apenas essa criatura me entendeu como ninguém. É como se entendesse os meus pensamentos ainda nem expressos, algo que assusta. Tenho saudade dos minutos únicos, que eu sabia que seriam únicos. Tenho saudade do último almoço que compartilhamos... porque eu sabia que no dia em que "nos separássemos" seria praticamente para sempre. Todas as horas de intenso convívio seriam outra lembrança... para eu curitr agora.

Então, eu vejo o mundo agora muito estranho, meio frio demais, meio egoísta demais. Talvez tenha sido sempre assim, apenas agora eu vejo as coisas com máscaras a menos. Talvez, a gente perca mesmo a inocência com o tempo. Não sei. Mas me lembrar do que fiz e do que ainda posso fazer me dá forças. Decidi que quero continuar tendo muitos amigos... não sei se conseguiria recuperar alguns que perdi no meio do caminho... mas quero estar sempre rodeada dessas pessoas que me conheçam bem.

E, agora, meia hora depois... acho que vou tentar dormir. E agradeço a você, leitor, que veio até esta última linha compartilhar desses pensamentos tão esparsos e tão intensos. Obrigada por entender o silêncio, por estar ao lado quem aqui esteve. E vou com a outra pergunta que sempre ecoa na minha cabeça: "What's happiness to you, David?" (do filme, Vanilla Sky).

2 comentários:

Dayana Monfardini disse...

Cris, lindo post e bem reflexivo!
Tentando responder duas de suas perguntas... em minha concepção, somos seres imperfeitos buscando um algo mais, um entendimento maior ou um sentir maior que nos dê uma motivação a mais para seguir em frente. E vc disse tudo qdo mencionou que "achamos que deixamos de ser ignorantes"... talvez pq pensamos que chegamos um pouco mais perto desse algo mais, talvez...
Entendo mto bem seu post e estava justamente escrevendo sobre esse "sentir".
E curta essa saudade, isso é bom pra fazer vc se impulsionar, mas nunca deixa-a te prender no passado.
Bjinhos, Day.

Lucas disse...

Obrigado por me fazer sentir especial... Por mais que tentemos explicar, só entende quem por isso passa, saudade se esconde no fim de um buraco negro, o qual nem sabemos onde começa. Enquanto às perguntas, acredito que morrerei sem saber as respostas. Portanto, apenas cabe a mim viver na tentativa de descobrí-las.