Lembrança de um sonho (que não lembro se tive)

"now it's a dream's memoir"

Uma frase que veio solta, assim, na minha mente. Como fragmentos de um poema que não escrevi e não escreverei. E sua poesia insiste em ser agridoce.

Se eu dissesse tudo que tenho vontade de dizer, eu não teria ouvidos para me escutar. Se a minha verdade regesse a minha própria verdade, eu não teria mais verdades a buscar.

Se os meus desejos se tornassem realidade, não quer dizer que eu ainda me sentiria sedenta por algo mais. Se o meu fogo se extinguisse, a quem poderia pedir para reacendê-lo?

Se a necessidade fosse apenas o suficiente, se as palavras fossem suficiente, se a conspiração ajeitasse tudo. Talvez, ainda assim, eu me sentiria confusa.

"now it's a dream's memoir"

Eu penso nas interconexões misteriosas da vida como quem está diante de um quebra-cabeças. Ou a ler um manual de instruções. Ou um jogo de RPG. Tudo tem o mesmo peso e sentido, mesmo que absurdo.

Meu absurdo é sempre acreditar no invisível e me lançar a ele sem medo, sem amarras. Quantas vezes eu fui ao céu e quantas vezes eu caí no abismo. Os polos do mesmo. Os meus extremos internos.

Eu não sou apenas palavras, mas também sou elas. Não sou apenas sentimentos, mas me transporto neles. Sou desejo, um vulcão, uma brisa, o vácuo e o silêncio.

"now it's a dream's memoir"

Não sei se os sonhos tornam-se realidade, se um sonho não é um objetivo egoísta. Mas estou eu diante de minha própria vida pensando nos sonhos, outra vez. A folha em branco assusta um pouco mas é nela que me deitarei, atirarei, verterei até escapar outra vez, um passo fora de mim mesma, minha própria realidade, viva outra vez.

Nenhum comentário: