Mais uma página

Há umas duas semanas, venho fazendo uma verdadeira "limpa" na minha vida. Como algumas coisas costumam ser, não foi um movimento voluntário. Fui impelida e simplesmente segui com o curso.

Primeiro, foi sair do emprego em que estava. Não sou de mágoas -- e nem queria usar essa palavra aqui --, mas quando certas coisas acontecem na sua vida, ou você toma consciência real, reflete sobre o fato, age, levante, sacode a poeira e vai; ou você sucumbe. Eu quase sucumbi num momento muito específico. E com ajuda de pessoas muito especiais na minha vida, que respeitam meu silêncio e minha amizade ausente, tirei o véu dos olhos e voltei a enxergar com mais clareza.

Sair de um emprego parece um fato corriqueiro. Aqui, não quero enfatizar o drama, MUITO MENOS minimizar a importância do que senti -- que isso fique bem claro. Ainda estou me limpando do passado até onde posso conseguir, pois certas lembranças e experiências vividas eu nunca poderei esquecer. Posso e devo, sim, aprender com elas.

Segundo, foi arrumar umas tralhas aqui em casa, ainda tem mais. Separar papéis, papéis e mais papéis... e aí, meus queridos, você encontra o que não quer encontrar, o que não espera encontrar e o que nem sonhava encontrar.

Confesso, foi o teste mais real para saber a quantas anda meu relacionamento com as pessoas que amei no passado, com os erros que cometi, com a Cristiane que um dia existiu em mim, e, principalmente, com as ilusões e sonhos que tinha e que, percebi, não tenho mais. Essa parte final foi a mais... não diria difícil mas estranha.

Queria saber qual foi o ponto em que deixei de fazer certas coisas que me alegravam tanto. Fiquei muito tempo refletindo sobre isso. O que acontece conosco que deixamos de fazer coisas simples? O que acontece conosco que deixamos de dar crédito às pessoas? O que acontece que essa tal ingenuidade se vai?

Assim, muita coisa foi jogada fora, muito papel ainda precisa ser queimado, muitas cartas e muitas fotos foram rasgadas... e algumas coisas foram mantidas. Melhor ainda, outras foram resgatadas dentro de mim mesma.

Mesmo sendo canceriana com ascendente em peixes, aquele perfil que gosta de guardar um pouco de tudo por mais tempo que deveria, já sabia e ratifiquei ali, que posso e devo virar todas as páginas. Cortar sem dó nem piedade!!! :)

Agora é começar tudo de novo.

5 comentários:

Lanna de Safo disse...

Obrigada pela visita! =) Eu já li vários textos seus.
Você acha possível virar completamente uma página? Acho que sou uma pessoa muito apegada ao passado, as lembranças... Mesmo quando queremos apagar, creio que as páginas passadas continuam sempre dentro nós. E olha que não sou canceriana. rs

Anônimo disse...

Pode ser bastante dolorido olhar para o passado, analisar em quais momentos nossas decisões foram responsáveis por tudo que passamos e nos questionarmos até que ponto se estas decisões tivessem sido diferentes mudaria o presente!
Acho que todos nós deixamos de fazer coisas que nos faziam feliz sem percebermos, sem nos darmos conta do que estávamos perdendo. Creio que as dificuldades da vida nos levam a isso, as responsabilidades acabam sobrepondo nossos interesses pessoais, nossas pequenas alegrias que podem esperar e, no entanto abandonamos! O bom de tudo isso é quando percebemos e ainda há como resgatar estes prazeres!
Todos nós mantemos o passado na memória, é inevitável, querendo ou não faz parte do que somos as coisas boas e ruins. Querer virar a página é por que a vida está nos oferecendo novas oportunidades e certamente viramos esta página se estas oportunidades vão de encontro com os nossos desejos e aspirações!
Parabéns pelo texto!
Márcia

Crisão disse...

Obrigada pela visita e pelos comentários!
Deixar o passado para trás -- e bem-resolvido -- é uma das melhores coisas que fazemos por nós mesmos!
bjs

zuleide(Zu) disse...

Isso tudo é prova de maturidade,Cris.É importante "esvaziar gavetas",sim,tenho certeza que vc encontrou muitas recordações boas guardadas também,coisas que vc nem lembrava mais e que te fizeram bem ,de novo,ao rever.Agora vc tem mais espaço no seu armário, interior e exterior,para colocar novas lembranças,novas experiências.Que bom.Espero que os espaços sejam preenchido com mais parcimônia,sem entulhar,deixando uma vaguinha aqui e ali para o pacote ou bilhete de última hora.

Allan Lucena disse...

Estou passando por essa mesma fase e está sendo bem difícil.
Preciso sair do emprego, mas ainda não sei o que fazer depois disso.

Limpar a casa, reencontrar-se com momentos antigos guardados a tanto tempo que fugiram da memória é sempre uma boa surpresa. E como você disse, estranho.

Muitas vezes me pergunto: O que mudou de lá pra cá?
E eu não encontro a resposta, senão os tempos mudaram, e as energias não são mais as mesmas.

Nessa, seguimos, mas temos que transformar no que quisermos que seja! `^^´

Beijos e força nessa nova página!