La vie d'Adèle -- o azul é a cor mais quente: minhas notas

Esperei uns dias para poder escrever este post que, certamente, não será o melhor, não será o mais completo e não será o mais curtido. É apenas a minha opinião.

Fiz uma boa pesquisa pelo google e li várias críticas, gringas e brasileiras. Das brasileiras, gostei especialmente do blogue Blogueiras Feministas. Contém spoiler mas o considerei o texto mais completo e mais justo. Para quem se interessar, vale a leitura.

Também li Omelete e Rolling Stone que cito como sugestão de leitura. Ademais, digita o nome do filme em francês e vá procurar o que puder encontrar. Além do trailer, claro.

Bom, este post também tem spoiler. Então, se você preferir, veja o filme antes de ler meu post! ;)

***
Eu saí extasiada da sala de cinema, ao fim das três horas de filme (que nem pareceram três horas, afinal). A primeira impressão que ficou foi a de "wow, o 'cinema lésbico' precisava de um filme assim!". Não há peripécias nem tramas complexas no filme. E isso me chamou a atenção, pois tudo é retratado sem a pretensão de se autoexplicar. Por outro lado, é quase um documentário, os primeiros planos, a narrativa quase em primeira pessoa (mas sem narrador), todos os detalhes que captamos na personagem principal, Adèle, que narram os "dois capítulos" da vida dela.

Indubitavelmente, as famigeradas cenas de sexo são fortes. São explícitas. São cruas. Não tem trilha sonora ao fundo. Você ouve os sons. Você vê vários ângulos. Algumas críticas foram justamente sobre a verossimilhança. Bom, pense. Pode fazer sentido. Em uns momentos, parece que a cartilha do kama-sutra para lésbicas está sendo encenado. Mas, me diga, também, onde há regras no sexo? Cada um faz como acha melhor, como gosta mais. E aí quem poderia dizer se o que é mostrado é a realidade? Pode não ser a sua, mas pode ser a de alguém.

Outro ponto levantado é a questão do uso do corpo. Uma das atrizes (a dos cabelos azuis) disse que se sentiu uma prostituta. A outra (Adèle) também chegou a afirmar o mesmo mas depois parece ter voltado atrás. Elas afirmaram que foram dez dias apenas gravando cenas de sexo. Bem... não sou cineasta, não entendo desse mundo, nem poderia me atrever a querer assumir que poderia estar falando a verdade. Pode ter havido exagero? Pode. Pode ser marketing pessoal? Pode. Pode ter sido abusivo? Pode. Tudo pode.

Mas, creio eu que uma atriz ao afirmar que se sentiu uma "prostituta" parece ser meio contraditório em algum momento da interpretação, estou errada? Sei lá, se parece ter havido exagero, e o diretor estava se deleitando com duas mulheres encenando sexo, ao invés de filmar seu longa, é meio esquisito. Eu acho. Uma coisa não exclui a outra, porque acredito que um ator ao fazer uma cena sexual deva sentir algum tipo de prazer. 

Aí a pergunta que faço é: esses movimentos feministas estão errados nas suas críticas? Acho simplesmente que é complicado você querer criticar um filme por causa de cenas isoladas. Acho injusto. Em algum lugar, li uma lista de filmes com cenas de sexo (quase) explícito e de forte apelo visual. Cinema é uma arte. Você cria algo com um propósito que pode ser, também, causar esse incômodo. Tirar as pessoas de seu conforto.

O filme narra dois capítulos da vida de Adèle, conforme diz o próprio título. É uma adolescente se descobrindo sexualmente. "Me falta alguma coisa que eu não sei o que é". E ela parece se sentir completa quando se apaixona pela menina de cabelos azuis. É paixão à primeira vista, fulminante. Alguém se lembra da primeira paixão fulminante que teve? O que você fez? O que as pessoas costumam ser/fazer quando se apaixonam fulminantemente?

A proposta do diretor é mostrar um retrato real de uma menina que se apaixonou, viveu sua paixão, errou e ainda não sabe o que fazer com o sentimento que carrega dentro de si. Nesse ponto, compartilho a crítica que li e mais gostei, a do Inácio Araújo (FSP). Um trecho de seu texto diz: "A relação do cinema com a realidade, desde os anos 80 do século passado, tornou-se progressivamente mais tênue. Parece que cada vez menos os cineastas conseguem captar o óbvio: o corpo humano, seus sorrisos, sua batalha para descobrir sua própria medida, sua estatura. O que há de fascinante neste Azul-Kechiche é a veemência com que o autor, mais uma vez, afirma sua modéstia diante de suas personagens, como lhes permite, e ao mundo que habitam, se manifestarem na tela e irradiarem no espírito dos espectadores."

Altamente indicado. Para ser visto e revisto e revisto. E a atriz principal, a sagitariana Adèle Exarchopoulos, além de ser linda, tem o olhar mais pisciano que já consegui ver em um ator. Afirmo categoricamente que a personagem que ela interpreta é uma pisciana... meio irresponsável, ingênua e livre. Livre para testar, descobrir, aprender, se perder e se reencontrar.

Talvez, o que seja mais desconcertante para a maioria dos espectadores, é ver muito de nós na personagem de Adèle, mas não termos consciência o suficiente para admitir e compreender. Okay, observação minha! Mas... vá ver o filme. Só não faça como o funcionário do Espaço Itaú (Augusta) que entrou na sala só para ver a cena de sexo. Shame on you! É uma ofensa para o filme e para dos deuses do cinema. ;D

5 comentários:

aline naomi disse...

Fui ver o filme, gostei, e estou ansiosa para ler a HQ!

Confesso que as cenas de sexo me entediaram um pouco depois de um tempo (as minas faziam barulho demais e no começo fiquei um pouco assustada haha), e não sei até que ponto estavam dentro do contexto ou se serviram apenas para que o filme fosse mais comentado e, consequentemente, mais visto (e também não sei o que o filme teria perdido se esse tipo de cena não tivesse existido, talvez teria ficado mais sem graça, mais romântico e menos real).

Gostei do filme porque ninguém se mata e nem fica num poço de depressão o filme inteiro, coisas meio típicas em vários filmes lésbicos. É um filme sobre crescimento/ amadurecimento e todo mundo acaba se identificando com uma cena ou outra.

Uma cena que me incomodou foi aquela em que a Emma fala para a Adèle que queria que ela se realizasse tanto quanto ela estava realizada como pintora, quando, na verdade, a Adèle já estava realizada, feliz, pois já tinha atingido o objetivo dela, que era dar aula para crianças. Na vida real sinto que também há esse tipo de cobrança para que as pessoas "façam mais" e "sejam mais", sendo que, de repente, a vida delas já está ok, os objetivos delas já foram ou estão sendo alcançados (ainda que não sejam objetivos que a maioria julga "grandiosos" nem "espetaculares"). Parecia que a Emma é que estava com vergonha de estar com alguém sem muita ambição ou que não compartilhava do "mundo artístico" dela.

No fim do filme dá vontade de abraçar a Adèle...

Crisão disse...

Concordo contigo, Aline!!! Brigada pelo comentário!

aline naomi disse...

Cris, quando puder, leia a HQ para ter uma outra perspectiva da história (há alguns detalhes que complementam o que ficou subentendido no filme). É um pouco diferente, mas igualmente bom!

Anônimo disse...

Eu ainda não vi o filme,mas gostei do trailer e li algumas coisas também,só curiosa em um ponto:Elas terminam juntas?...porque a maioria do filme sobre lésbica é uma história triste,dramática,quem disse que interpretar a vida real precisa de um final em que as duas ficam separadas.Please respondam,seja qual for o final vou ver o filme,mas só quero saber isso.gostei da matéria.

Crisão disse...

Oi Anônima!
então.... não! rsrs mas vá ver o filme assim mesmo!

beijos