Um reflexão sobre a amizade

Já escrevi muito sobre a amizade neste blogue. Clica aí no link aqui que você verá as postagens antigas que escrevi sobre esse assunto.

De tempos em tempos, nos últimos quatro anos, vivi experiências bizarras -- para dizer o mínimo. 

Acredito que cada um de nós tem as lições para viver e aprender na vida. Uma lição de uma pessoa não é igual à lição de outra pessoa. Então, comparar experiências é sempre complicado. Acho mais interessante nos inspirarmos na lição de alguém. Julgar é pior ainda.

Eu sinto que estou desenvolvendo um temor muito grande de confiar nas pessoas da mesma maneira que confiava há uns atrás. Obviamente, não sou mais a mesma pessoa e os nossos tons, nossa expressão mudam e se amoldam com o passar dos anos. Mas uma coisa que eu nunca queria perder era a capacidade de confiar plenamente nas pessoas.

Não adianta. Perdi. E perdi MUITO. Muito mais do que imagino. 

Mas este não é um caso perdido! Mas não posso exigir de mim mais do que sei que sou capaz de dar. E confiança nas pessoas é algo que agora vem sempre acompanhado de restrições, muralhas, testes e muita, mas MUITA observação.

Estou aprendendo a me perdoar. Acho que, influenciada pelo livro que terminei de revisar, aliado a todos os cursos de autoconhecimento esotéricos que já fiz, além das aulas de astrologia, percebi que o amor e a compaixão para si próprio é o maior e primeiro amor que precisamos ter. Se não sentirmos o puro amor para nós mesmos, por nossos defeitos e qualidades, simplesmente somos incapazes de amar alguém.

E esse amor compassivo não tem nada a ver com narcisismo ou autoestima. É o amor puro, o amor universal, o amor que todos nós almejamos mas poucos de nós sentem.

-----

É uma tarde quente de inverno. Estou ouvindo uma música que parece Bon Jovi mas não é. Uma letra e uma melodia tão lindas... me inspirou escrever um post, depois de tanto tempo.

Eu tive umas ideias para o blogue, mas ficou de lado, por enquanto. A questão da amizade, das pessoas do meu convívio, de todas as perdas [que muitos dizem serem ganhos!] retumbam no coração e na mente desta canceriana. 

Cancerianos são trolados o tempo todo por serem assim, sentimentais. Isso não é sentimentalismo tosco e barato. É a capacidade de saber lidar com o universo sem formas, líquido e intenso dos sentimentos. E é isso que diz essa música no repeat one; "We've gotta say to yesterday, / 'cause I can't go on / since we both agreed to go our separate ways".

Estou me perdoando deste sentimento de que falhei comigo mesma por toda a dor que passei por todos os amigos que se foram. Não vou dizer que não foram amigos, porque foram. Foram, sim!!! Eu sinto falta e saudade de todos os momentos que ficarão eternamente nas minhas lembranças. E é lá que essas memórias viverão. Estou me perdoando e perdoando. 


Nenhum comentário: